quarta-feira, 22 de novembro de 2006

OS 75 ANOS DO RCP


Hoje, os jornais dão conta do 75º aniversário do Rádio Clube Português. Na realidade, foi em Novembro de 1931 que o emissor CT1DY, então com a designação de Rádio Clube da Costa do Sol, começou a emitir.

O número 4 do Boletim do Radio Club Português (Julho de 1933), com sede na vivenda Zinda, na Parede, descrevia assim a sua existência: "Todos os nossos consócios se lembram da memorável Assembleia-Geral em que os actuais corpos gerentes foram eleitos; pela primeira vez em Portugal conseguiu-se obter numa Assembleia-Geral de uma associação de Radiófilos uma assistência superior a 400 pessoas que cheias de entusiasmo ali acorreram a autorizar com o seu voto a transformação do pequenino Rádio Clube da Costa do Sol no actual Rádio Clube Português. [...] havia a visão nítida de que o nosso Clube, nascido de uma modesta iniciativa local, estava destinado pelo seu rápido desenvolvimento a vir a preencher a lacuna existente no meio radiófilo português, criando uma forte agremiação de auditores de TSF que pugnasse pelos seus direitos e mantivesse aquele elo de ligação que se torna necessário entre os apaixonados pelos encantos da radiodifusão".

Em Novembro de 1931, o RCP tinha uma potência de antena de 75 watts, passando depois para 200 watts e, ainda mais tarde, para 1500 watts. O mesmo boletim informava que se ouvia distintamente a emissão na cidade alemã de Leipzig, o que deixava a direcção da estação muito ufana do seu sucesso.

Já nessa altura se pressentia o peso do RCP no panorama da rádio em Portugal (político e cultural). Afastado CT1AA das emissões, por vontade do proprietário, o RCP surgia como seu herdeiro natural na actividade privada da rádio, ainda antes da Emissora Nacional começar os seus trabalhos (inaugurada em 1935).

Do RCP da altura, já com Botelho Moniz à frente dos seus destinos, havia uma estética nova: a lenta passagem de programas de música clássica, como centro da programação, para música popular portuguesa (fados, música ligeira) deu-se na estação da Parede. Daquela estação partiu também a luta pela revogação da legislação que proibia publicidade radiofónica, interregno que durou de 1934 a 1936, e que estrangulara outras estações. Foi também o RCP que deu um apoio inequívoco às tropas de Franco na Guerra Civil de Espanha. Após a vitória deste, até Salazar tentou limitou a força de Botelho Moniz, uma espécie de dirigente político mais à direita do ditador.



[nas imagens, páginas do Boletim do Radio Club Português e Mimi, a jovem cantora que fazia as delícias do programa infantil da estação, nos seus primórdios]

[o blogueiro não quer ser desmancha-prazeres para com os organizadores das comemorações, mas parece-me que as emissões começaram a 21 de Novembro de 1931 e não a 22, como indicam os jornais de hoje; o Boletim nº 4 do RCP fala de 21 de Novembro como princípio da actividade]

1 comentário:

Pedro Brinca disse...

O pior é que o actual Rádio Clube Português, que ontem comemorou os 75 anos de existência, não tem hoje nada a ver com o Rádio Clube Português a que se refere.
Acho que se deve dar os parabéns ao RCP pela arrojada emissão que desenvolveram ao longo de todo o dia, mas não posso deixar de considerar esta comemoração como um enorme embuste.
É que o Rádio Clube Português foi nacionalizado em 1976, passando mais tarde a chamar-se Rádio Comercial. Em 1993 a Comercial foi de novo privatizada e depois de vários negócios, pertence hoje ao grupo Media Capital.
O mesmo grupo que há um ou dois anos decidiu mudar o nome da Rádio Nostalgia para Rádio Clube Português.
Ora, fazendo as contas, este RCP tem um ou dois anos de existência.
A Comercial é a sucessora ainda viva do RCP e ela é que poderia estar a comemorar os 75 anos.
O RCP não existiu durante perto de 30 anos e este não em nada a ver com o outro, se me fiz entender...
Uma das barbaridades que ouvi na emissão de ontem foi que tinha sido o RCP a introduzir o FM em Portugal. Lá está, na verdade foi a Rádio Comercial, a sucessora do RCP... grande confusão, não?