sábado, 16 de junho de 2018

António Macedo

Toma, serviço público de media!

Eu ouvi agora o elogio de António Macedo feito por David Ferreira: a perda do mais caloroso dos seus animadores. E a crítica ao serviço público de media, isto é, à rádio. Penúria, perda de ativo, negligência ou estratégia (escondida?).

quarta-feira, 13 de junho de 2018

As emissões de rádio em Portugal começaram no outono de 1924

A revista TSF em Portugal começou a publicar-se em 9 de novembro de 1924, dirigida por Álvaro Contreiras, então funcionário da Marconi. O seu objetivo era "publicar em Portugal uma revista da especialidade, onde informássemos os nossos compatriotas dos progressos existentes, acompanhando a sua marcha, elucidando os novos inventos que aparecem, enfim, tudo que interessa à radiotelefonia e à radiotelegrafia".

No número de 15 de fevereiro de 1925, a revista publicava, na página inicial, a fotografia do emissor 1AB (pouco depois CT1AB), de José Joaquim Dias de Sousa Melo, e, no número de 15 de março do mesmo ano, o esquema do mesmo emissor. Na primeira imagem, no topo do móvel, além da campânula (gramofone) observa-se a bobina emissora (ninho de abelha), e, abaixo, os auscultadores e o microfone. As primeiras experiências, escreveu o amador, começaram em novembro de 1924, com duas válvulas, continuando em dezembro, com cinco bobinas e três condensadores. Por esta descrição, o esquema parece-me incompleto, pois apenas se vê representada uma válvula eletrónica.

Fixo-me na data aproximada das primeiras experiências: novembro de 1924.



Na realidade, o número de 30 de novembro de 1924 noticiava um amador a fazer ensaios na onda de 450 metros, com as iniciais PS (tornada, como acima indico, em 1AB e depois CT1AB). Todas as noites, o amador chamava "Allo! Allo! Aqui, posto português PS". No número de 14 de dezembro de 1924, a revista TSF em Portugal indicava continuarem as experiências e avisava outro posto emissor de estar a criar obstáculos a esta ação, "pois não gostaria de ser perturbado se estivesse em audição". Também CTV, o posto militar de telegrafia de Monsanto, era uma ameaça à transmissão dos amadores, devido ao uso de emissor de faísca (isto é, sem frequência definida), depois substituído por equipamento com frequência determinada por oscilador.


TSF em Portugal, no número de 18 de janeiro de 1925, publicaria a fotografia de José Joaquim de Sousa Dias Melo, considerado o "primeiro amador de Lisboa que construiu um posto de transmissão".


Mas a notícia mais interessante seria publicada pela revista no número de 28 de dezembro de 1924. Além da referência a 1PAB, agora com quatro lâmpadas eletrónicas, que emitia em telegrafia e telefonia, a indicar a passagem da transmissão de morse para a da voz, através de microfone. A mesma notícia apresenta outro emissor, o que realmente me interessa aqui: 1PAA, depois modificado para CT1AA. Lê-se: "1PAA tem feito interessantíssimas experiências, tendo já por diversas vezes transmitido concertos que têm agradado imenso a todos os que têm ouvido tanto em nitidez, como em intensidade". As experiências caminhavam no sentido da regularidade, no que posso definir como emissões de rádio. Logo, a rádio em Portugal começou a sua existência no final do outono de 1924.


No número de 8 de março de 1925, a revista publicaria o programa de P1AA com a emissão do terceiro concerto-prova da Sociedade de Amadores de Rádio Portugal (a designação mais frequente de 1PAA, depois CT1AA), a começar às 21:00 na banda dos 300 metros. Os anteriores concertos transmitidos pela estação teriam ocorrido entre meados de dezembro de 1924 e fevereiro de 1925. Tal significa que, em menos de três meses, os amadores da rádio portuguesa evoluíram rapidamente. A revista TSF em Portugal teria forte influência nesse desenrolar, pelo incentivo constante. O número de 15 de março do mesmo ano inseria uma carta encomiástica "tanto na organização feita pelo sr. dr. Carlos Pimentel , como pela execução dos distintos amadores e artistas musicais, o programa marcou pela seleção dos seus números e pela perfeição da transmissão levada a efeito pelo proprietário do posto sr. Abílio dos Santos".  Por seu lado, a estação P1AB emitiria um concerto a 12 de março de 1925: além de música clássica, atuaria o fadista Alfredo Marceneiro, acompanhado à guitarra por Álvaro Cunha. Um intervalo humorístico também fazia parte do programa, com Lino Sousa.


Na edição seguinte de TSF em Portugal, a 15 de março de 1925, o anúncio do quarto concerto-prova da Sociedade de Amadores Rádio Portugal, trazia uma novidade, o speaker (locutor) Herculano Levy.


A vida de Herculano Levy dava quase um filme. Nascido em São Tomé, filho ilegítimo de Salvador Levy, procurou herdar o que lhe competia da fortuna do pai, o que conseguiu após decisão do tribunal. Mas, antes, e para sobreviver, foi crítico de arte, teatro, cinema e música. Depois, passou a gerir uma distribuidora de filmes até ser convidado por Ricardo Covões para fazer a publicidade e promoção do Coliseu dos Recreios. Quando o tribunal considerou legal usar o nome e receber a parte da fortuna do pai a que tinha direito, ele retirou-se da atividade e passou a administrador de prédios que comprou. O seu conhecimento musical permitiu-lhe fazer diversas conferências sobre músicos internacionais [informação a partir do livro de Carlos Espírito Santo, Herculano Levy, Poemas, 2000].

domingo, 10 de junho de 2018

Estúdios da rua Cândido dos Reis (Porto)

No Porto, a Emissora Nacional inaugurava os seus estúdios na rua Cândido dos Reis, em 1943 (Panorama, nº 17, outubro de 1943). A satisfazer um desejo antigo, o Emissor Regional do Norte passava a contar com instalações adequadas para a produção de programas. O relevo era dado ao estúdio principal e à central técnica (fotografias de Mário Novais).


Agora, os estúdios da rádio pública estão no Monte da Virgem (RTP) e a rua Cândido dos Reis alberga bares que se enchem de movimento e alegria ao final da tarde e noite.

sábado, 9 de junho de 2018

Sobre a rádio pública

Nas décadas de 1950 e 1960, aqueles que tinham uma visão geral do serviço público de media eletrónicos olhavam mais para a televisão do que para a rádio, escreveu Jack W. Mitchell, relatando a situação nos Estados Unidos. O eixo Boston-Nova Iorque, com as universidades de Harvard, Princeton e Yale, nomeadamente, não tinha uma estação de rádio como objetivo, apesar das comunidades académicas olharem o serviço de rádio da BBC (Inglaterra) como meio ideal em termos educacionais.

Em Boston, continua Mitchell a escrever, a estação WGBH foi o modelo americano, instituição independente e sem o objetivo do lucro, propriedade de um conjunto de instituições educativas, cuja estrutura, governação e obtenção de fundos se assemelhava aos museus, orquestras sinfónicas e outras entidades privadas a funcionarem dentro do ideal filantrópico dos Estados Unidos [modelo que não se replica, por razões históricas e sociais, noutros países como Portugal]. Como a BBC e outras entidades que emergiram depois, a rádio WGBH representava os valores sociais e culturais da elite civil educada, emitindo muitas horas de música clássica, intercalada com teatro radiofónico e entrevistas. A qualidade inerente não buscava educar ou elevar a literacia da população, no sentido do missionário, mas tornou-se tão só um refúgio cultural.

A rádio cultural perdeu impacto ao longo da década de 1960, reporta ainda Mitchell, porque não se enquadrava no espírito da transformação da sociedade. A televisão passava a ser o alvo prioritário do dinheiro a investir na educação. Mitchell identifica, por exemplo, a Fundação Ford. A educação pelo meio televisão ajustava-se às ideias do presidente americano Johnson de criar uma sociedade com direitos iguais para as minorias, fim da pobreza e segurança para os idosos. Apesar da corrente, os novos ideais americanos conduziram a Fundação Carnegie a envolver-se num projeto que seguia a perspetiva de Reith e Hoover da rádio servir as minorias. Daí, saiu um relatório sobre o meio negligenciado que se tornou a rádio (The Hidden Medium: Educational Radio. A Status Report, 1967).

O relatório, conhecido por relatório Herman Land, nome do consultor responsável pelo documento, descrevia os ouvintes da rádio educativa como possuindo valores de educação e de rendimento acima da média e mais velhos que os ouvintes das rádios comerciais e musicais. Falava-se, nesse sentido, de rádio pública. A discussão política, no Senado por exemplo, não interessa aqui. Mas importa realçar que, da quase invisibilidade da questão, se proporcionou o nascimento da Rádio Pública Nacional (National Public Radio, NPR).

Jack W. Mitchell quando publicou Listener Supported. The Culture and History of Public Radio (2005) tinha 64 anos de idade. Ele fora o primeiro produtor do programa All Things Considered e fora, por três vezes, presidente da NPR, não sei se mandatos seguidos ou intercalados. All Things Considered foi um programa muito focado na informação e nas notícias. À data da edição do livro, Mitchell era docente na universidade de Illinois.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

Command Performance - Fazer um disco em 1942



O filme de William Ganz (1942), Command Performance, da RCA Victor, mostra os processos envolvidos na produção da gravação de discos de laca, incluindo a elaboração do disco master, o disco mãe e os estampadores (e matrizes).

Observação: a gravação musical era, à época, feita diretamente da peça tocada por músicos para o disco. Muito pouco tempo depois, o processo inicial de registo seria feito por fita magnética. No filme, fala-se em laca e ainda não em vinil.

quinta-feira, 31 de maio de 2018

O barroco em Rui Osório

De Rui Osório (1940-2018), recordo o que escrevi aqui em 10 de junho de 2010.

"Rui Osório é cónego da paróquia de S. João Baptista da Foz do Douro (Porto) desde 2006, sucedendo ao padre Joaquim Fonseca. Vem deste mas foi Rui Osório quem se dedicou exemplarmente ao restauro das obras religiosas da paróquia, nomeadamente a igreja começada a construir entre 1709 e 1712 e concluída em 1736. Escreve o cónego e autor do livro Tesouro Barroco da Foz do Douro (2010, edição da Paróquia de S. João Baptista da Foz do Douro) que a igreja barroca "deveria ser mais visitada no circuito turístico do Porto e obrigatoriamente referida [...]. Passam por ali muitos turistas, nacionais e estrangeiros, que desconhecem esse notável e deslumbrante tempo barroco" (p. 58). O livro fala do Porto, da zona da foz do rio Douro, onde está implantada a igreja barroca, de Raul Brandão e os seus textos sobre aquela zona, da presença beneditina e da ordem de S. Bento, da igreja de S. João Baptista, da sua talha esplendorosa, dos diferentes padroeiros, das capelas da paróquia e da acção social e da dinamização paroquial. O livro, além do texto muito bem trabalhado e documentado, tem fotografias de Pereira de Sousa, no que constitui um belo livro-álbum".


Rui Osório foi jornalista do Jornal de Notícias, onde chefiou a redação, e fundou a publicação Voz Portucalense, além de pároco na Foz do Douro (Porto). Ouvi-o falar com muito entusiasmo do barroco do Porto.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

Arroios TV

Colaborei com a Arroios TV em quatro episódios da série Associações e Coletividades em 2016. O segundo episódio encontra-se aqui (2 de maio de 2016). O terceiro episódio, respeitante ao Clube Filatélico de Portugal, foi emitido em 28 de maio e 2 de junho de 2016 (e que aqui reproduzo).



A Arroios TV começou a emitir a 15 de outubro de 2015 e encerra amanhã, 31 de maio de 2018.

A capa da alegria

A capa pertence a O Domingo Ilustrado, de 30 de maio de 1926: a semana dos jardins. No resto da publicação não encontro mais informações sobre os eventos, mas reparo na imagem colorida, possivelmente de autoria de um dos diretores: Leitão de Barros e Martins Barata. Bandeiras, balões, flores, duas mulheres a ensaiarem uma dança folclórica, acompanhadas de um fadista, apontando para o Santo António que se avizinhava.


Na comparação com capas de números anteriores e posteriores, esta possui uma ilustração alegre. Dois dias antes, uma marcha sobre Lisboa inaugurava um longo processo de ditadura. As capas seguintes mostravam os autores do golpe de Estado. No número de 27 de junho de 1926, junto à ficha técnica, a publicação revelava o futuro, ao indicar o visto da comissão de censura. Os jornalistas tinham sido recebidos numa sala do quartel do Carmo e "amavelmente avisados da maneira que deveríamos escrever". Dantes, a censura limitava-se a cortar o que não queria, ficando os espaços em branco de onde tinham sido excluídos os textos. Mas, com a boa (má) nova vinda de Espanha e do ditador Primo de Rivera, os jornais teriam de preencher os espaços em branco com uma notícia ou imagem qualquer. O comentário final do jornalista ia para o futuro, em que se escreveria de acordo com o que outros querem. "É uma questão de tempo e de paciência". Ele acertou no alvo.

A ingénua capa alegre das festas de Lisboa não se repetiu, embora os diretores fossem colaborar com o regime nascente. E continuariam o humor e desenhos de humor, as histórias de crimes hediondos a merecer desenhos de primeira página, crónicas do teatro de Lisboa e fotografias desportivas e da alta sociedade. Revista publicada entre 1925 e 1927, O Domingo Ilustrado teve 154 números. José de Oliveira Cosme, depois muito ligado à rádio, em especial programas infantis, coordenava a secção de charadas Moinho de Paciência. Em 1929-1930, Leitão de Barros dirigiria O Notícias Ilustrado, com alguma continuidade face à revista aqui presente mas maior recurso à fotografia.


terça-feira, 29 de maio de 2018

Em homenagem a Júlio Pomar

Na semana passada, obituários, homenagens e comentários a Júlio Pomar, pelo seu passamento, deixaram-me sem margem para escrever algo diferente. Recupero o pequeno texto que aqui escrevi em 7 de abril de 2013:

Abriu na semana passada o Atelier Museu Júlio Pomar, num armazém comprado (2000) e recuperado pela Câmara Municipal de Lisboa com traço de Álvaro Siza Vieira, na rua do Vale, 7, muito perto da Igreja das Mercês. É um espaço airoso de dois pisos, em que se expõe a obra do pintor Júlio Pomar. A fundação que gere o atelier museu possui um total de várias centenas de obras no seu acervo, incluindo pintura, escultura, desenho, gravura, cerâmica, colagens e assemblages, que irá expor doravante. Alberga ainda um auditório para realização de conferências, lançamentos de livros e outros eventos.



A exposição inaugural tem obras da fundação e de entidades privadas e está dividida em quatro núcleos, o primeiro dos quais mostra a pintura do artista no período neo-realista das décadas de 1940 e 1950, como Resistência (1946) e Marcha (1946). O segundo núcleo pertence à década de 1960, de linguagem gestual, onde estão presentes temas como as corridas de touros e cavalos. O terceiro núcleo, que ocupa uma parede do segundo piso, revela colagens, de grande beleza conceptual, com temas de animais e cenas de corpos, desejo e maior erotismo, e assemblages. O último núcleo, um regresso à pintura nas décadas de 1980 e 1990, tem telas de maior dimensão, de cores fortes e vivas, o que expressa vidas intensas, algumas delas dedicadas aos índios da Amazónia.

O formidável volante Nunes dos Santos

O depois comendador Abílio Nunes dos Santos Júnior foi um grande pioneiro da rádio portuguesa, com o seu CT1AA. No verão, ele fechava a estação para demandar os Estados Unidos e comprar microfones e outros equipamentos de radiodifusão. Filho e sobrinho dos donos dos Armazéns do Chiado, era também conhecido pelas suas proezas automobilísticas. Aqui, na fotografia (O Domingo Ilustrado, nº 100, 12 de dezembro de 1926). Nunes dos Santos acabara de ganhar o quilómetro, presumo que no Campo Grande, junto ao hipódromo. Nada nos identifica o vencedor com a rádio.


Eu sempre pensei que o Bugatti do industrial e radialista era pintado de amarelo. Ou seria branco? Alargo a página: além do formidável volante no grande chassis Bugatti, outra fotografia com o sportsman Artur Alves e a célebre divette Laura Costa com um manteaux de petit gris e uma terceira fotografia com Luís José Frade de Almeida e o seu soberbo Jean Gras. Incluo ainda a última página da edição. Hoje, a cada palavra portuguesa introduz-se uma inglesa; então, era o francês que se intrometia entre nós. Gosto particularmente de divette, cantora de opereta ou de café-concerto. Ontem, como hoje, o espetáculo e o desporto associavam-se.


Abílio Nunes dos Santos Júnior receberia a Comenda de Mérito Agrícola e Industrial em 1931 (revista Rádio-Ciência, novembro de 1931). Três anos depois, retirava-se da atividade radiofónica, quando a Emissora Nacional começou a emitir (ainda na fase experimental).

segunda-feira, 28 de maio de 2018

The King's Face (왕의 얼굴)

A série The King's Face (왕의 얼굴), com 23 episódios, foi exibida na televisão sul-coreana KBS (Korean Broadcasting System) em 2014-2015, agora em reposição no canal de cabo KBS World. Normalmente, as séries históricas coreanas têm 60 episódios, o que tornam esta série mais ágil.



A história da série baseia-se no começo de vida de um dos reis mais populares da Coreia, Gwanghae (1575-1641), que governou de 1608 a 1623. A série, porque seguiu de perto o filme The Face Reader, causou um processo judicial por violação de direitos de autor, mas o canal de televisão não foi condenado. No conjunto, a série seguiu muitos dos factos reais da vida do príncipe herdeiro, tornado rei quando o pai faleceu. Além da história do príncipe Gwanghae (Seo In Guk), o enredo assenta na leitura facial como base de intrigas, ciúmes e superstições que existiam no reino de Joseon, então governado por Seonjo (Lee Sung Jae).

Um livro sobre arte da leitura facial era considerado essencial para determinar qual o melhor candidato a rei. Da cartomância ao uso da leitura da fisionomia - eis armas e meios antigos para obter poder. Alguns indivíduos treinados desta forma posicionaram-se para a função, também empregue na concorrência entre os filhos do rei Seonjo. Gwanghae era filho de uma concubina. O irmão mais velho era o príncipe Imhae (Park Joo Hyung), violento nos sentimentos e quase sempre alcoolizado. A mãe de Imhae, Gwi In Kim (Kim Gyu Ri), quis promover seu filho a príncipe herdeiro, e, mesmo que Gwanghae tenha salvo a vida de Imhae, prisioneiro dos japoneses, Gwi In Kim manteve a sua aspiração. O modo como o príncipe Gwanghae atua (e fala) ao longo dos episódios denota um lado rígido e assumido de predestinado. O rosto quase não tem expressão. Ele toma iniciativa, distribui pelouros, está sempre junto ao povo, enfrenta as dificuldades e os inimigos.

No início da série, Gwanghae surgiu como criança com uma paixão romântica por Ga Hee Kim (Yoon Hee Jo). Mais tarde, reencontraram-se num mercado, mas ela vestia-se de rapaz, proteção aconselhada pelo pai. Gwanghae ficou intrigado com o "rapaz"; ele não esquecera Ga Hee e ainda a amava. Entretanto, Baek Kyung (Lee Soon Jae), leitor de rostos, anteviu que ela estava destinada a ser uma esposa do rei Seonjo. O seu rosto combinava com o dele. Além disso, a tragédia atingiu a sua família: os seus pais foram mortos após acusação de traição. Ga Hee aderiu a um grupo de idealistas que queriam livrar-se do rei Seonjo, liderado pelo revolucionário Do Chi Kim (Shin Sung Rok), que a ensinou a tornar-se especialista em arco e flecha. Do Chi apaixonou-se por Ga Hee, supondo serem almas gémeas políticas, mas o tempo provou ser errada essa convicção.

O rei Seonjo tinha, além da decisão do príncipe herdeiro, a grande preocupação da invasão por países estrangeiros: Japão e China. Um dos episódios mostra o saque e o morticínio em Pyongyang. Gwanghae adquiriu competências na defesa do país e expulsou os inimigos, o que impressionou o pai, mas sem este o expressar. O revolucionário secreto Do Chi apresentou-se como perito leitor de rosto e defendeu a vida do rei (mesmo que o odiasse), conquistando assim a sua confiança. A verdadeira ambição, mas secreta, de Chi era derrubar o rei Seonjo e o príncipe herdeiro Gwanghae e tornar-se ele próprio rei.

A série, que me traz o conhecimento de uma cultura que não domino, e, por isso, me impede de aquilatar a veracidade de costumes, relata dispositivos de poder e normas estranhas ao nosso modo atual de pensar e agir. A relação entre rei e subordinados é marcada por formas vincadas, muito hierarquizadas, como se houvesse o sol e pequenos planetas, estes dispondo quase em subserviência diante daquele. O papel dos subordinados, da mulher (no caso, a rainha e as concubinas), as trocas existentes, o equilíbrio instável nessas relações (como a punição por pena de morte), o começo do armamento com recurso a pólvora, embora coexistisse com o arco e a flecha, o medo estampado (e exagerado) dos aldeões e dos cidadãos perante a ameaça da invasão estrangeira e os artifícios teatrais nas danças e nas entoações verbais permitem concluir estar-se perante uma boa construção narrativa.

Seo In Guk, no papel de Gwanghae, ganhou o Prémio KBS em 2014 de melhor novo ator, e, no papel de idealista mas vilão, Shin Sung Rok ganhou em 2014 o prémio KBS de melhor ator secundário pela sua interpretação na série.

domingo, 27 de maio de 2018

Contributo para o conhecimento da produção do disco

Durante muitos anos, parte das etapas da produção da indústria discográfica era feita fora do país, caso dos acetatos, a base da multiplicação de exemplares do disco ( Estados Unidos, Inglaterra, Alemanha e França). Primeiro, as matrizes eram de cobre, passando depois a níquel (como se observa numa das imagens), material mais resistente e flexível. Os sons estampados na matriz eram transmitidos por meios eletrolíticos (de eletrólise) para o vinil do disco. Cada matriz podia ser usada para a impressão de 300 exemplares, em média. A Rádio Triunfo, a primeira editora do país, iniciaria o processo fabril de corte de acetatos e produção das matrizes de cobre em Portugal em 1960, em unidade fabril instalada na rua do Campo Lindo, no Porto.

Dentro do processo tecnológico, nasceram profissões como verificadora da qualidade (discos e matrizes), técnico de corte de acetatos (registo de som em acetatos a partir de bandas magnéticas), operadora de laboratório (análises e ensaios químicos), operador de galvano (pratear acetatos e carregar banhos eletrolíticos) e apontador arquivista (preparação de obra a executar, controlo de matérias-primas e produtos acabados). Como habilitações literárias, o analista principal tinha o curso industrial ou frequência de curso superior, o operador de galvano do ensino primário a frequência de ensino secundário, a apontadora frequência liceal e o técnico de som o curso industrial.

A terceira imagem é a capa de disco de 45 rpm do Grupo Folclórico Poveiro (etiqueta Alvorada, Rádio Triunfo). A editora (também fabricante, como escrevi acima) teve, em dois dos três sócios iniciais, responsáveis nascidos na Póvoa de Varzim, pelo que se aceita a ênfase dada à música local. A fotografia da capa mostra a parte ribeirinha da cidade, já com edifícios altos, e parte das embarcações de trabalho pesqueiro. Os nomes dos dois barcos em primeiro plano identificam uma realidade religiosa: Herança de Deus e Pastorinhos. Esse rancho seria responsável por um dos maiores êxitos da editora: O Mar Enrola na Areia, de 1957.


sábado, 26 de maio de 2018

"A Emissora Nacional e as Mudanças Políticas, 1968-1975) apresentada no Porto

Foi anteontem, ao final da tarde, que o meu livro A Emissora Nacional e as Mudanças Políticas (1968-1975) foi mostrado no Porto, com a professora Ana Isabel Reis (Universidade do Porto)  a apresentar a obra (ver vídeo no final da mensagem). O encontro decorreu na sede da Associação de Trabalhadores e Reformados da PT, à rua do Almada (fotografias de António Campo Leal). O livro, com a chancela da MinervaCoimbra, anteriormente apresentado em Coimbra e Lisboa, analisa a história da Emissora Nacional (1968-1975).


 Estudar o período antes e depois do golpe de Estado em 25 de abril de 1974 e da revolução que lhe sucedeu acarreta um risco de interpretação, por se estudarem dois tempos com agentes culturais e políticos antagónicos, o primeiro cheio de rotina, formalidades e defesa de um estilo, o segundo com experimentação, ruturas e conflitualidade interna, a refletir a realidade externa.

A investigação partiu da análise qualitativa do conteúdo de atas de reuniões do conselho de planeamento de programas e da direção da estação. Para o livro, segui outra documentação escrita, caso da imprensa diária e semanal (Diário Popular, Jornal de Notícias, Flama, Diário do Governo) e imprensa especializada no campo da rádio e das indústrias culturais (Rádio & Televisão, Plateia) entre 1968 e 1975. A investigação seguiu ainda a audição de programas gravados (arquivo sonoro da RTP), entrevistas a dezenas de profissionais da rádio (e indústrias criativas) e entrevistas conduzidas por Luís Garlito no programa radiofónico A Minha Amiga Rádio (Antena 1) e João Paulo Diniz no programa televisivo No Ar, História da Rádio Em Portugal.






(Fotografia de autor anónimo)

quinta-feira, 17 de maio de 2018

O cinema na rádio



A Rádio Condes, em 1934, emitia sábados, domingos e terças-feiras. Tinha o indicativo CT1EB e ficava na avenida da Liberdade, 12, em Lisboa. De entre outras, tinha secções dedicadas ao cinema, teatro e literatura (O Filme, 3 de junho de 1934. Semanário editado em Setúbal, com Miguel Manjuá como diretor e Jacques T. da Silva como editor).

A Rádio Restauração, em 1951, tinha um programa de atualidades cinematográficas com o patrocínio da secção de cinema da revista Flama. José Marques Vidal e Costa Pereira apresentavam, com notícias, concursos e entrevistas (Flama, 12 de outubro de 1951, diretor e editor: Mário Simas).

Feira dell'Arte

Feira dell'Arte é a peça em cena no Teatro Meridional. De Mário Botequilha, com encenação e luzes de Miguel Seabra e interpretação de Emanuel Aranda e Rosinda Costa. O texto, originalmente estreado em 2001, então um espetáculo importante na vida da companhia de teatro, foi adequado à realidade social de hoje. Compõe-se de cinco personagens: Columbina e Zanni, namorados há dez anos mais ainda indecisos quanto ao casamento, criados de Pantalone, um homem que fez fortuna moedinha atrás de moedinha, ou melhor, o representante do egoísmo e do dinheiro, Isabela e Otávio, namorados, ela filha de Pantalone, e regressada de Veneza onde estudou, e ele filho do Dottore. o inimigo de Pantalone.

Pantalone é uma das principais personagens da comédia dell'arte. Como apenas são dois os intérpretes, eles desdobram-se nas personagens, mostrando, algumas vezes, o recurso a disfarces, como o emprego de máscaras por parte do ator e de efeitos (gestos, voz, movimentação) específicos de cada personagem. A esse respeito, os disfarces do ganancioso Pantalone provocam comicidade. A Columbina, outra personagem central da comédia dell'arte do século XVI, surgiu como empregada com características de rapariga atraente, inteligente e com humor, apaixonada por Arlequim. Antes de Arlequim, era Zanni o apaixonado de Columbina, a usar uma máscara preta, e a representar a figura de criado. Os enamorados (Isabela e Otávio) apresentam-se com o vestuário mais elegante, não usam máscaras e cantam ou dançam. A peça decorre numa feira, com a rulote de farturas, a barraca da louça e os restaurantes populares. Pena que esse ambiente de múltiplas experiências não acompanhe a representação.

Por ser comédia dell'arte, é um espetáculo leve mas mordaz, simples mas objetivo, que dispõe bem (juntando o estômago ao cérebro) mas indica pistas sérias. O cenário é despojado, as falas ficam no ouvido, a alegria da representação permanece após esta.


Antes do começo da peça, Miguel Seabra, um dos responsáveis do teatro, descrevia a situação do teatro e das artes performativas em Portugal. A DGArtes, depois de longa polémica na atribuição de apoios, divulgara na véspera (anteontem) os resultados finais dos concursos, no valor de 83 milhões de euros. O Teatro Meridional ia receber incentivos, mas, a caminho do meio do ano, ainda não chegara qualquer valor, com Feira dell'Arte a ser a segunda peça de 2018. No concurso, escrevem os jornais de hoje, ficaram de fora, contudo, algumas companhias de reconhecido valor, como o Teatro Experimental do Porto, a Casa Conveniente de Mónica Calle, os Primeiros Sintomas de Bruno Bravo, a Cão Solteiro de Paula e Mariana Sá Nogueira e o Festival Internacional de Marionetas do Porto. Estas companhias vão solicitar esclarecimentos e entrar numa batalha jurídica.

quarta-feira, 16 de maio de 2018

Ainda sobre as meninas dos telefones

"Está lá"? A legenda do desenho é elucidativa: "As meninas das reclamações debruçam-se sobre enormes calhamaços, quando nós cá de longe supomos que estão tranquilamente a namorar" (Domingo Ilustrado, 15 de fevereiro de 1925), após uma visita à central telefónica Norte (rua Andrade Corvo, Lisboa). O jornalista ainda teve oportunidade de ouvir "um murmúrio fresco do «para onde deseja»?".


terça-feira, 15 de maio de 2018

A rádio em 1925 e 1926

A revista Renovação (1925-1926) publicou 24 números. Numa linguagem quase hermética, indica no número inicial que "será um clarim vibrando revolta, mas será também uma cátedra distribuindo ensinamentos". Na última página, fornece mais informação: "Revista gráfica de novos horizontes sociais. Arte, Literatura e Atualidades". O número 6 esclarece mais: "Renovação retribui as fotografias interessantes que lhe sejam enviadas pelos seus leitores sobre acontecimentos que interessem à vida operaria tais corno manifestações populares, greves, congressos, comícios, desastres no trabalho, festas associativas, inauguração de escolas, sindicatos, cooperativas operárias". Números depois, surge associada à revista Batalha, jornal do movimento anarquista e da CGT.

A digitalização da publicação foi hoje tornada acessível pela Hemeroteca Municipal de Lisboa, no seu caminho louvável de facilitar a consulta a revistas há muito desaparecidas.

No número 22, de maio de 1926, surgia uma notícia sobre rádio, então ainda novidade. A rádio - ou telegrafia sem fios, como está identificada - permitia a audição em todo o mundo de concertos e novidades e era uma concorrente da imprensa e dos pianistas de fama. Durante décadas, até 1960 em Rádio Clube Português, as notícias lidas na rádio eram provenientes dos jornais. Existe até uma história deliciosa lida por um locutor da rádio, que inclui na sua leitura: "como se vê na fotografia ao lado". E em 1934 o primeiro presidente da Emissora Nacional, António Joyce, criaria orquestras a empregar quase todos os músicos profissionais do país. Mas os pianistas voltariam a ver ameaçados os seus lugares, eles que preenchiam o palco a acompanhar os filmes mudos, obsoletos com a sonorização dos mesmos.


Adenda a 16.5.2018: também o Domingo Ilustrado (14 de junho de 1925) se refere ao começo da TSF, aparelhos, neste caso, a colocar nos quartos dos hospitais, para aliviar a vida de sofrimento.


domingo, 13 de maio de 2018

Callas

A sinopse do filme Maria by Callas, de Tom Wolf (2017), indica: "Pela primeira vez, 40 anos depois da sua morte, a mais famosa cantora de ópera conta a sua história, nas suas próprias palavras. Um filme a partir de filmagens inéditas, fotografias nunca vistas, filmes pessoais em super 8, gravações ao vivo privadas, cartas íntimas e raras imagens de arquivo a cores".

E acrescenta incluir imagens e filmagens de, entre outros, Maria Callas, Vittorio De Sica, Aristotle Onassis, Pier Paolo Pasolini, Omar Sharif, Marilyn Monroe, Alain Delon, Yves Saint-Laurent, John Fitzgerald Kennedy, Luchino Visconti, Winston Churchill, Grace Kelly e Elizabeth Taylor.

Assim, o filme retrata a fascinante figura da cantora norte-americana (de Nova Iorque), regressada à Grécia dos seus pais com treze anos (1937), e onde ingressa na carreira musical. Não é um documentário como estamos habituados a ver na televisão, em que se cruzam depoimentos de especialistas numa matéria e que esclarecem os passos da pessoa a documentar. Apenas a sua professora Elvira de Hidalgo.

Para mim, outros pontos fracos do filme são que não explica adequadamente a razão porque a família saiu dos Estados Unidos, a troca sentimental dela por Jacqueline Kennedy por Onassis e a muita insistência, certamente para usar as imagens de arquivo, em chegadas de avião, entradas em automóveis, palmas nas salas onde cantou e vestidos e chapéus que usou e cãezinhos de estimação que a acompanhavam a todo o lado.


Mas fica, e isso é bastante para quem gosta de a ouvir e recordar, a sua imagem, nas entrevistas, de mulher tímida, nascida com nome de família Kalogerópulu e alterado para Callas, bem mais fácil de pronunciar, que sofreu com uma momentânea perda de voz em Roma (1958), e perdeu a carreira devido aos homens que amou, um porque explorou a sua condição mediática (o empresário Giovanni Battista Meneghini, bem mais velho que Callas, com quem casou) e outro porque era um bom vivant e, no fundo, aventureiro (Onassis) e a procurar constituir família e ter filhos. Uma vida simples, como acentuaria em entrevistas. O filho tido da relação com Onassis morreu no dia seguinte ao nascimento. A sua voz entraria em decadência e ela refugiou-se num apartamento em Paris, onde morreu. Apesar de muito famosa, creio que nunca terá alcançado a felicidade.

Se a glória foi efémera, a memória perdura. Maria Callas (1923-1977) cantaria em especial o bel canto, como Donizetti, Bellini e Rossini. Mas igualmente o repertório de Bizet e Wagner, entre outros [créditos das imagens: Leopardo Filmes].

terça-feira, 8 de maio de 2018

Relatos de futebol, técnicos e telefones

Num tempo em que se fala muito de futebol, deixo aqui algumas notas sobre o desporto e o modo como se faziam as ligações para os relatos nos estádios, incluindo técnicos da rádio e dos telefones.


De Alfredo Quádrio Raposo, o primeiro relator (ou relatador) desportivo profissional ao serviço da Emissora Nacional, reproduzo duas imagens (Rádio Nacional, 10 de julho de 1948, data não identificada). Um seu sucessor foi Artur Agostinho, de igual sucesso nas transmissões desportivas (imagem abaixo de abril de 1947, Gabinete Museológico e Documental da RTP). Não me lembro de ter escutado o primeiro mas retive no ouvido o tom de voz do segundo. De qualidade diferente, as imagens permitem-nos interpretar os ambientes em idêntico período. Elementos comuns em duas imagens são o microfone de peito e a boina, Quádrio Raposo a relatar no verão e Artur Agostinho no campo de futebol na primavera. Existe um terceiro elemento comum em todas as imagens: os relatos faziam-se à face do campo de jogos, com a assistência mesmo atrás, o que podia trazer problemas, caso os adeptos não gostassem dos comentários do relatador. Quádrio Raposo, nas duas imagens, tinha um bloco de apontamentos junto a si, ao passo que Artur Agostinho delega isso no seu assistente. Artur Agostinho usa auscultadores, o que permite ouvir o sinal de retorno e eventuais perguntas ou sugestões do estúdio, mas isso não acontece com Quádrio Raposo.

A segunda imagem de Quádrio Raposo, como aquela em que se vê Artur Agostinho, revela mais pormenores, como o assistente técnico, ao lado, junto a uma mesa técnica e com cabos (microfone e telefone). O assistente técnico intervinha quando houvesse alguma questão operacional de controlo de som. Os profissionais da Emissora Nacional (e a assistência) estão vestidos com gabardinas, a denunciar tempo chuvoso. À esquerda de Artur Agostinho, o assistente Helder Soares. Havia outro técnico na estação chamado Helder Sobral, "verdadeiros braços direitos e esquerdos do locutor", segundo informação oportuna de Orlando Dias Agudo, a quem agradeço. Outro dos assistentes técnicos da Emissora Nacional foi Álvaro Fonseca: ele levava o material, o OB e os microfones. Ele tinha um trabalho delicado, que a sua anterior prática de eletricista resolvia. No estádio do Lima (Porto), durante algum tempo campo onde jogou o FC Porto, a corrente elétrica para ligar o OB era de 110 volts. O técnico aventurava-se porque sabia o que fazia, embora pudesse apanhar, durante a montagem, um choque no microfone.


Nos bastidores dos relatos desportivos, havia outros profissionais, como o empregado dos telefones que ligava as linhas de comunicação. José de Almeida e Sousa era conhecido como o Almeida dos "campos de futebol" por fazer esse trabalho, homenageado por altura da sua reforma (Jornal de Notícias, 19 de outubro de 1969).





quinta-feira, 3 de maio de 2018

Sobre o Festival da RTP, livro de Callixto e Mangorrinha

João Carlos Callixto e Jorge Mangorrinha publicaram agora o livro Portugal 12 pts, da editora Âncora, com apresentação de Júlio Isidro na última segunda-feira na livraria Férin (Lisboa).

De Jorge Mangorrinha, já escrevi aqui sobre o seu pequeno livro Portugal e a Eurovisão. 50 Anos de Canções (1964-2014), não o chegando a fazer relativamente ao livro Festival RTP da Canção: uma História de 50 Anos: 1964-2014 (exemplar existente na biblioteca João Paulo II da Universidade Católica). Ambos sairiam em 2014. De João Carlos Callixto, escrevi recentemente sobre o seu livro Canta, Amigo, Canta. Nova Canção Portuguesa (1960-1974).


O livro, ou melhor um livro-álbum de 453 páginas, a obra que mais trabalho de construção deu ao editor na sua atividade de mais de 30 anos, tem três partes distintas: uma, mais pequena, assinada pelos dois autores, a explicar a obra, a segunda assinada por Jorge Mangorrinha (Ser ou não Festivaleiro) e a terceira por João Carlos Callixto (Playlist). Se a parte desenvolvida por Mangorrinha narra e interpreta os sucessivos festivais da RTP, o texto de Callixto contém a lista de todas as canções concorrentes ao festival por ordem alfabética (o leitor preferia por cantor ou artista, mas aceita a opção do autor), desde A Boca do Lobo, de 1975, a Zero Zero, de 2018.


Jorge Mangorrinha justificou a origem da investigação: estudo dos níveis de promoção turística na representação de Portugal, tema de um dos livros de 2014, chegando à possibilidade de afirmação do país através do festival da Eurovisão, o que aconteceu o ano passado com a vitória de Salvador Sobral. O livro agora editado vale, além do texto, pela riqueza iconográfica. João Carlos Callixto, em apresentação que aparece aqui em vídeo, faz uma análise temporal e encontra grandes marcos na história do festival da canção, de Maria Fátima Bravo (Vocês Sabem Lá, 1958), do grupo de artistas da rádio em que a Emissora Nacional teve muita importância, a Madalena Iglésias, cujo Sei Quem Ele É, de ritmo já pop, cantores de grupos de rock como Eduardo Nascimento e Carlos Mendes, cantautores, em que incluiu Simone de Oliveira (Desfolhada), época da Aryvisão (referência ao poeta Ary dos Santos), novo modelo com a revolução de 1974 (Carlos do Carmo a cantar oito canções), até chegar à década de 1990, com cantoras como Lúcia Moniz, Anabela, Sara Tavares e Dulce Pontes a conseguirem melhores classificações, e o acima referido Salvador Sobral, vencedor do festival da Eurovisão o ano passado.

No texto inicial, os dois autores lembram que Portugal canta na Eurovisão há mais de cinco décadas (p. 13) O primeiro em que participou, 1964, seria uma novidade estimulante no pequeno panorama cultural do país. À televisão a preto e branco passada para cores, foi-se exigindo mais da produção anual em representação na Eurovisão. Nos primeiros festivais apareciam os cantores mais conhecidos da música ligeira e as suas canções geravam êxitos comerciais. Com a entrada do rock da década de 1980, verificou-se um certo afastamento do modelo do festival, mas a atual década permitiu relançar o festival com uma nova estrutura e que culminou com a canção Amar pelos Dois (2017). Recupero ainda o primeiro parágrafo do texto assinado apenas por Jorge Mangorrinha, cheio de analogias com os títulos das canções vencedoras nos festivais da canção: "Em meio século de história, a canção portuguesa criada para Festival já jogou em diferentes palcos: na fé, no amor, no mar, na política, na arena taurina. Já se vestiu de menina, já largou balões e papagaios de papel. Já fez filhos por gosto, como as canções que têm sido o que fomos e o que somos. E amámos por dois" (p. 17).

Para acabar, uma referência ao apresentador: Júlio Isidro. Foram cerca de 25 minutos de uma quase conferência a entusiasmar a assistência. Os cerca de seis minutos do vídeo abaixo mostram a parte inicial dessa boa exposição.

quarta-feira, 2 de maio de 2018

Um jornalista em Dachau

Dele posso escrever que se trata de um romancista, ou de um contista. Talvez melhor: romancista de livro policial. Os seus textos têm narrativa, suspense, contam a história com princípio e fim, agregam personagens múltiplos, mostram alegrias e tristezas nos percursos dos biografados, juntam a densidade do que conta à leveza como escreve. Ao excelente escritor junto o ótimo jornalista. Cada novo texto dá um novo e enorme prazer na sua leitura.

Escrevo, claro, de Gonçalo Pereira Rosa. O seu mais novo texto, agora publicado na revista Jornalismo e Jornalistas, nº 66 (janeiro-março de 2018), O Prisioneiro 94250 de Dachau era um Jornalista Português, conta a história de Agostinho das Neves, anarquista, preso em quatro países e, entre outros, correspondente do Jornal de Notícias.

Veja-se o modo simultaneamente elegante e científico com que começa (e um pouco à frente continua) o seu texto: "Há duas maneiras de narrar as vicissitudes de um homem. Uma, burocrática e impessoal, acompanha o rasto documental que qualquer ser humano deixa no seu encalço desde o momento em que vem ao mundo. [...] A segunda maneira de conhecer a vida de um homem é deixá-lo falar. Livremente".

O jornalista aqui apresentado nasceu em 1905, foi jornalista e tipógrafo e deu também pelo nome de José Neves. Em 1945, no final da II Guerra Mundial, era entrevistado em Paris por Fernando Teixeira (Diário Popular). Este descreveu aquele com uma criança perturbada, de olhos pequenos por detrás dos óculos. José Agostinho das Neves, anarquista, fizera explodir bombas artesanais perto da sede da Confederação Geral do Trabalho (CGT), à Calçada do Combro, no final de 1921. Esta ação fê-lo perder uma vista, passando a usar um olho de vidro. Foi preso, libertado, mas voltaria a ser preso em 1928, deportado para a Guiné, de onde fugiu para o Senegal. Em 1935, já em Espanha, era preso e algemado na fronteira com a França. Aí, teria estabelecido contactos com anarquistas franceses, editou o boletim Novos Horizontes e o jornal A Liberdade. Através dele, a CGT portuguesa manteve ligações ao exterior. Já em 1940, era denunciado como oposicionista ao governo de Vichy e preso e transferido para um campo de concentração, onde fez trabalho rural e de correio. Por dominar quatro línguas, entrou para os serviços de censura do campo. No final da guerra, com os alemães a perderem posições, ele e outros prisioneiros andariam num comboio à deriva para chegar à Alemanha. Uns foram assassinados, outros atingidos pela aviação aliada. A chegada a Dachau foi marcante na sua violência. Os americanos aproximavam-se do campo de concentração e o aventureiro Neves chegava a outro momento da sua vida. Sem poder regressar a Portugal, o jornalista ficou em França e começou a trabalhar na rádio pública do país. Ele escreveu sobre temas culturais e apoiou os homens de letras portugueses em Paris. Em 1951, assinaria uma declaração de retração e de recusa de atividade política, tendo regressado a Portugal e começado a colaborar com o jornal República. Depois, voltaria a Paris, a chefiar a redação de A Voz de Portugal, embora as polícias  de segurança em Portugal e em França continuassem a acompanhar os seus passos. Em 1974, seria o primeiro a entrevistar Mário Soares em Paris, a que se seguiu Mitterrand. Ele morreria em novembro do ano da liberdade.

Gonçalo Pereira Rosa é um brilhante contador de histórias (e jornalista de mérito). Com esta e outras histórias que dele conhecemos, faltam duas coisas: a primeira, já aqui o escrevi, é uma história do Diário Popular. A segunda é que ele pode dar um muito bom argumentista: nas suas histórias, há enredos, personagens de sucesso, mesmo que presos em quatro países, pelo colorido e pelos cheiros das aventuras e dos lugares por onde andou a personagem.

A última história que o jornalista e escritor está a desenvolver na sua página do Facebook, como se fosse folhetim, é "o que se faz quando se encontra um documento que afiança que um vulto das Letras portuguesas do século XX «colaborou ativamente com esta polícia»"? Alguém alvitrou o nome presente no título de uma Fundação, mas eu aguardo a resolução do enigma.

terça-feira, 1 de maio de 2018

Campanha eleitoral de Humberto Delgado de 1958 em tese de doutoramento

Foi ontem que a jornalista da TVI Joana Reis defendeu tese de doutoramento com o título O Modelo de Comunicação Política da Campanha Eleitoral de Humberto Delgado em 1958: uma Campanha Americanizada. Local: Universidade Católica Portuguesa.

Para a agora doutora em Ciências da Comunicação, Humberto Delgado inauguraria em Portugal um novo estilo de aproximação à população, revelado pela forte adesão popular (Viseu, Porto, reunião no café Chave d'Ouro em Lisboa). Ele, que permaneceu alguns anos nos Estados Unidos em cargo diplomático-militar, seguiu de perto as campanhas de comunicação eleitorais de Eisenhower e aplicou-as quando decidiu concorrer à vagatura de presidente da República, após Francisco Craveiro Lopes.

A investigadora e jornalista utilizou documentação inédita, resultante nomeadamente de um fundo pertencente a Álvaro Monteiro, advogado e republicano que já apoiara a campanha de Norton de Matos e que foi doado à Torre do Tombo, levando a investigadora a analisar esses papéis e descobrir o funcionamento da organização da campanha.

Num primeiro momento, a pesquisa envolveu a reconstituição da campanha, após o que procedeu à identificação e análise dos elementos constituintes, para, em terceiro lugar, olhar a campanha dentro de um modelo de comunicação política (da investigadora Pippa Norris). Antes da análise da campanha eleitoral de Delgado, foi feito o levantamento de outras candidaturas de oposição: Norton de Matos (1949) e Quintão Meireles (1952). Houve ainda espaço para interpretar a razão do afastamento de Craveiro Lopes, que não concorreu a um segundo mandato, a escolha de Delgado, após consulta a outro possível candidato, a união da oposição, com desistência do candidato comunista, e a agitação criada pela campanha da oposição. Um dos capítulos da tese debruçou-se sobre a organização e atividades da campanha, a coordenação da campanha (centralizada e descentralizada, com destaque para as comissões locais de Viseu e Porto), voluntariado na campanha, custos e financiamento, material de propaganda, palavras de ordem da campanha e relação com os media. Neste último caso, Joana Reis defendeu que a campanha de Delgado foi bastante influenciada pelo modelo americano, pese embora a não existência de cobertura da televisão (ainda incipiente) e a fugaz aparição em programas radiofónicos, proibidos logo depois.

No último capítulo, a nova doutora refletiu sobre os principais elementos da campanha: o herói da guerra, as palavras de ordem, a mensagem do candidato (em especial a expressão "obviamente demito-o", referindo-se a Salazar), os materiais de campanha, a atenção a públicos específicos, a difusão da mensagem e as dificuldades com a censura, o perfil do apoiante e os elementos de profissionalização na campanha.

Joana Reis é autora de A Transição Impossível: a Rutura de Francisco Sá Carneiro com Marcelo Caetano (2010, Casa das Letras) e Melo e Castro: o Provedor que Dizia Sim à Democracia (2013, Casa das Letras).


[imagem: da esquerda para a direita: Rogério Santos, Paula Espírito Santo, Rita Figueiras, orientadora, Joana Reis, Nelson Ribeiro, presidente do júri e diretor da Faculdade de Ciências Humanas, Isabel Férin da Cunha e Estrela Serrano]

A minha intervenção seria de prolongamento de análise a partir do uso da rádio na campanha e alguma contextualização de vários agentes políticos na época. Na campanha eleitoral à presidência da República em 1958, com três candidatos (Américo Tomás, Humberto Delgado e Arlindo Vicente), Rádio Clube Português abriu espaços de propaganda política. A 15 de maio, na emissão da campanha de Delgado ouviu-se: "os sofrimentos do povo têm o direito de gritar bem alto o seu desespero, mesmo que isso incomode os tímpanos melindrosos da União Nacional ou do próprio Sr. dr. Oliveira Salazar. [...] haveremos de inculpar esses sofrimentos aqueles que deles têm a responsabilidade, enquanto a censura não calar a nossa boca - porta-voz do povo". Alguns dias depois, a direção da estação de rádio publicava um comunicado, a criticar a censura oficial por ter aprovado o texto transmitido. Acabavam aí as emissões da candidatura de Delgado (e também de Arlindo Vicente).

Humberto Delgado fora a escolha da oposição não comunista como candidato à eleição, depois da recusa de Francisco Cunha Leal, que alegou razões de saúde. O engenheiro e militar Cunha Leal fora diretor de O Século, reitor da Universidade de Coimbra, deputado, antigo ministro das Finanças e primeiro-ministro da Primeira República e preso político diversas vezes. Apesar de não ser candidato em 1958, ele escreveu diversos textos, quase manifestos, contra o regime, provocando a polémica, com réplicas e tréplicas com os ministérios do Interior e das Finanças. Cunha Leal apoiara antes as candidaturas de Norton de Matos (1949) e de Quintão Meireles (1952). Ainda em 1968, enviaria uma mensagem de apoio ao congresso republicano em Aveiro. Faleceu em 1970, com 81 anos.

Salazar, habitualmente parco em termos de uso da comunicação social, fez três discursos pela rádio e publicados na imprensa na campanha de 1958: no começo, no final e após as eleições. Na última, contundente, disse que a oposição fizera uma campanha subversiva, pelo que as eleições presidenciais seguintes seriam disputadas com modelo distinto: colégio dentro da Assembleia Nacional. Desse discurso, ficaram frases como "eu compreendo que a censura moleste um pouco os jornais", "de todos os agrupados para o assalto [ao poder], só uns, embora pouco numerosos, têm uma doutrina, uma fé, métodos próprios de ação: são os comunistas" e "sou um homem que está sempre preparado a partir". Isso aconteceu apenas em 1968, quando de doença irreversível.

Após as eleições, Delgado foi exonerado do cargo na Aeronáutica Civil – que o próprio não acreditava acontecer – e Craveiro Lopes elevado a marechal. Jorge Botelho Moniz, o patrão de Rádio Clube Português, ficou doente entre 22 de maio e 12 de junho (problemas cardíacos), com alta após as eleições. Berta Craveiro Lopes, a mulher do presidente da República substituído, falecera depois das eleições, após um derrame cerebral, a ilustrar certamente o ambiente de consternação no lar dos Craveiro Lopes. Depois da tomada de posse de Tomás, Salazar pediu exoneração do cargo, atitude protocolar mas hipócrita, porque era ele que controlava o aparelho de Estado.

O novo presidente convidou-o a formar e renovar o ministério. Dentro de profunda remodelação, Marcelo Caetano, o ministro da Presidência, foi afastado e substituído por Pedro Teotónio Pereira. Para a pasta da Defesa, entrou Júlio Botelho Moniz, o irmão do patrão de Rádio Clube Português. Em 1961, ano horrível para Salazar, Júlio Botelho Moniz encabeçaria uma revolta perdida contra o ditador.

Já nas eleições de 1954, a oposição obtivera espaço radiofónico em Rádio Clube Português. Mas, logo após o primeiro registo, a estação proibiria novas alocuções. E Cunha Leal proferira em Rádio Clube Português uma palestra política em 1952, em apoio da candidatura de Quintão Meireles.

Em 1959, Humberto Delgado refugiou-se na embaixada do Brasil e Henrique Galvão refugiou-se na embaixada da Argentina. Galvão seria o mentor de Delgado. O resto da história é mais conhecido: o assalto ao paquete Santa Maria, chefiado por Henrique Galvão, e o assassinato de Humberto Delgado pela PIDE.

sexta-feira, 27 de abril de 2018

Apresentação de livro

A Emissora Nacional e as Mudanças Políticas (1968-1975), uma edição da MinervaCoimbra, em apresentação no Porto no dia 24 de maio próximo.


sábado, 21 de abril de 2018

A rádio no livro "Café Central" de Álvaro Guerra

A primeira vez que o livro de Álvaro Guerra (Café Central) se refere à rádio é quando chega a televisão a Vila Velha. O Clube Vila-Velhense decidira adquirir um recetor e a montagem da antena exigiu uma reunião da direção para aprovar a despesa suplementar e confiar no engenheiro Silvério a sua instalação. O referido engenheiro, sócio da coletividade, era funcionário da Emissora Nacional e oferecera-se como voluntário para o desempenho da função, apoiado por dois eletricistas (p. 118). Estaríamos em 1957.

Depois, Vicente Mourão, de uma família de esquerda de Vila Velha, foi o primeiro habitante dali a saber do desaparecimento do paquete Santa Maria. Ele ficaria de orelha atenta a todos os sons mais ou menos inteligíveis das ondas curtas da velha telefonia, pois continuava fiel aos noticiários da BBC (p. 169). Por aquela estação, acompanhou o relato do debate na Câmara dos Comuns e ouviu a oposição trabalhista criticar "the dictatorship of Dr. Salazar". A BBC desmentia o Diário de Notícias. Contudo, "semanas depois, os situacionistas de Vila Velha seguiam aliviados a reportagem radiofónica da chegada do Santa Maria a Lisboa, empolgados pelo nacionalismo inflamado do versátil locutor Artur Agostinho, ao microfone da Emissora, o qual viria a ser condecorado por tanto zelo" (pp. 170-171). O ano de 1961, cheio de vicissitudes para o regime de Salazar, estava no começo.

O autor refere Barradas de Oliveira na sua tribuna "Rádio Moscovo não Fala Verdade" (p. 207), indica que não se arroga, por definição, a alterar o enredo ao folhetinista (p. 285) e chega à notícia de Salazar caído na cadeira. Ao passar pela porta da taberna do Belezas, uma das personagens ouvira, na rádio, a voz solene de Pedro Moutinho a dar a notícia (p. 299). Corria o ano de 1968.

Por último, a personagem David Castro procurava sintonizar a frequência dos Emissores Associados de Lisboa, com a pergunta: "onde é que são os «minhocas»"? (p. 422). O mesmo David, às 00:15, foi ouvir a Rádio Renascença. Reagiam a David: "Não te conhecia essa paixão radiofónica". David justificou-se: "É recente... Este programa O Limite é feito por uns rapazes amigos" (p. 425). Vivia-se a madrugada de 25 de abril de 1974.

Álvaro Guerra (1936-2002) foi jornalista, diplomata (embaixador de Portugal em Estocolmo) e escritor. Licenciado pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, foi fundador do jornal A Luta. Oposicionista ao Estado Novo, poderia ter subido a ministro no pós 25 de abril de 1974 mas ficou-se pela direção de informação da RTP. Na sua biografia, que consultei na wikipédia, evoca-se o ter sido um dos fundadores do Partido Socialista e gostar de touradas, em especial na sua terra, Vila Franca de Xira. Da sua bibliografia, destaque para a trilogia dos cafés: Café República, Café Central e Café 25 de Abril.

Leitura: Álvaro Guerra (1984). Café Central. Folhetim do Mundo Vivido em Vila Velha (1945-1974). Lisboa: O Jornal

sexta-feira, 20 de abril de 2018

Locução e propaganda em 1940


Em 1940, o regime instalou na Emissora Nacional um serviço de propaganda das comemorações dos centenários (independência e restauração), em francês, inglês, alemão, espanhol e italiano. Na imagem, Hilde Mattauch e Hermínia Ferreira, locutoras de língua alemã e italiana (Rádio Nacional, 11 de fevereiro de 1940).

segunda-feira, 16 de abril de 2018

A guerra na rádio

Os historiadores gostam de falar da guerra do éter. No final de 1940, a Alemanha bombardeava diariamente Londres e a Grã-Bretanha bombardeava diariamente Berlim. A guerra corria favoravelmente aos alemães, que tinham invadido a Holanda, a Bélgica e, quase num ápice, a França. A Itália entrava em guerra com a Grécia e invadia o corno de África. O Canadá enviava aviões para a Grã-Bretanha e os Estados Unidos ainda estavam meio indecisos sobre o que fazer.

Se a guerra era violenta, a rádio entrou também no conflito. Creio que as estações alemãs começaram a publicitar as suas emissões em ondas curtas apenas em dois de novembro de 1940, conforme o exemplar saído no Jornal de Notícias (Porto). Apesar de já publicitar as suas emissões há mais tempo, o anúncio da BBC (A Voz de Londres) aqui inserido (3 de novembro e no mesmo jornal) tem a particularidade de englobar as emissões em português e em francês.



sábado, 14 de abril de 2018

Vedetas dos programas infantis de rádio (final da década de 1930)


Na década de 1930, a programação infantil na rádio tinha um conjunto de pequenas vedetas, reconhecidas por nomes diminutivos. O Século Ilustrado (17 de dezembro de 1938) dedicou algumas páginas a revelar ao público essas vedetas, de onde retiro as imagens. Na época, havia revistas em papel destinadas a um público juvenil e infantil e associadas a programas de rádio. Pela amostra das estações de Lisboa, parecia haver mais vedetas meninas do que rapazes.

Um grupo era constituído por Mimi, Odete Passos de Saint-Maurice (autora de programas juvenis até cerca de 1974) e Julieta Marques Cardoso, para Rádio Clube Português, então a emitir da Parede. Além da fotografia em grupo, Mimi aparece sozinha, sorridente, quase irreverente e de cabelo de franjas.

Outra pequena vedeta era a Esterinha das emissões Papagaio ( Rádio Renascença), na  fotografia em cima de uma cadeira. Ester de Lemos (1929-), depois licenciada em Filologia Românica, seria assistente de programas literários da Emissora Nacional (1956-1959), deputada em 1965 e docente universitária (1957-1963 e 1971-1974), professora do ensino secundário e docente no Instituto de Novas Profissões, de onde se reformou em 1990.

Além da Esterinha, a Rádio Renascença contava com Manon, Misette e, na fotografia de grupo e atrás, da esquerda para a direita, José Fernandes (pai Paulino), Carlos Santos (coelho), Adolfo Madeira (gato), Manuel Campos (pombo), Arnaldo Silva (tenor) e José Castelo (diretor). Pela designação dos papéis, adivinha-se o teor habitual do programa, o do tempo em que os animais falavam. Além de música e diálogos, havia ainda leitura de poemas e historietas.

A antepenúltima imagem diz respeito a Rádio Hertz, uma estação que desapareceria pouco depois, a contar com algumas Marias no elenco da programação infantil. Chamo a atenção para o design do microfone. Aliás, em todas as fotografias, o microfone é um elemento central. A penúltima imagem, da Rádio Luso, fechada no final da II Guerra Mundial, por ligação a interesses alemães, mostra outras particularidades, a do acompanhamento musical - piano e acordeão. Na imagem inicial (Rádio Clube Português), também se observa a existência de um piano de cauda e de suporte de pautas musicais. As emissões eram em direto. Certamente que haveria um tempo para ensaio antes da emissão.

Deixo para o fim uma imagem do grupo inteiro a colaborar em Rádio Graça, conjunto compacto e sorridente (O Século Ilustrado, 24 de dezembro de 1938). Às crianças, em primeiro plano, sucediam-se os outros participantes. À maneira da pintura renascentista, em que o doador (o que pagava a obra) aparecia ao canto, aqui o senhor à direita seria Américo Santos, o dono da estação. Talvez ao lado esteja Lili Santos, a filha, e intérprete de folhetim como escrevo a seguir. Pelo menos, se comparar esta à fotografia incluída no livro de Matos Maia, Telefonia, há muitas parecenças.

Rádio Graça, a estação da rua da Verónica, quase em frente a uma escola secundária, ganharia muita fama quando em 1955 começou a emitir um programa para o público jovem adulto, a radionovela A Força do Destino, título muito à Verdi mas popularizado pela Coxinha do Tide. O patrocinador era o detergente Tide, que irrompera no consumo nacional um ano antes e a coxinha era a personagem principal: Margarida, doente de uma perna, seria operada pelo Dr. Humberto Figueirola. Eles apaixonaram-se, mas havia um problema: Figueirola era casado com Raquel, prima de Margarida. O argumentista resolveu o imbróglio: matou Raquel e deixou caminho livre para Humberto. Conta quem ouviu que a morte de Raquel foi dolorosa, com a agonia prolongada em sucessivos episódios. Depois da boda do casal "bom", veio um descendente. Antes do nascimento, a Rádio Graça viu-se invadida por roupa de bebé. Quem ouvia, julgava tratar-se de coisa verdadeira.

As fotografias denotam outros elementos. Um deles é o vestuário das crianças vedetas, especialmente em dois rapazinhos (calção e meias enroladas). Um segundo é o da assistência. Na fotografia de Esterinha, há um grupo de senhoras sentadas atrás, como formando a assistência ao programa (podemos comparar à assistência e palco nos atuais programas televisivos à tarde).