quinta-feira, 19 de julho de 2018

Rádio Con:Vida em Aveiro em novembro de 2018

A Universidade de Aveiro, o INET-md e a UNESPAR apresentam o evento rádio con:vida que terá lugar entre os dias 15 e 17 de novembro de 2018 na Universidade de Aveiro. Na página rádio con:vida, já se encontra informação geral sobre a exposição e a conferência internacional e a relativa a inscrições, submissões, datas, programa, locais, entre outros. Com o apoio da Fábrica Centro de Ciência Viva de Aveiro, da Fundação Calouste Gulbenkian, da Fundação para Ciência e Tecnologia, da Rede de Museus Oliveira do Bairro, da Câmara Municipal de Oliveira do Bairro e da Radiolândia, a conferência – que inclui também uma exposição – tem por objetivo colocar em diálogo os investigadores e os protagonistas envolvidos em diferentes experiências sobre rádio.

quarta-feira, 18 de julho de 2018

Serviço Público de Media em Portugal em tese de doutoramento

Foi hoje de manhã que Nuno Conde defendeu a sua tese de doutoramento em Ciências da Comunicação na Universidade Católica Portuguesa, sob o título Legitimidade do Serviço Público de Media e Relações de Poder: o Caso Português (2002-2014). A prova foi classificada com Excelente, 19 valores.

Do resumo da tese, retiro o seguinte: "A presente investigação incide sobre a problemática da legitimidade do serviço público de media em Portugal. A pesquisa empírica desenvolvida (análise documental e entrevistas a protagonistas dos campos político, regulatório, dos media e da sociedade civil) centra-se na RTP, ao longo de três ciclos políticos, entre 2002 e 2014. Assim, analisamos as opções políticas sobre os modelos de financiamento e governação do operador de serviço público, devidamente contextualizadas nos planos económico e regulatório. A investigação permite-nos concluir que o serviço público é perspetivado pelo poder político como um agente regulador do mercado, quer no plano económico, por via da imposição de restrições à publicidade comercial na RTP, quer na dimensão mais abstrata e subjetiva de agente indutor da qualidade na programação e de uma ética de antena no espaço comunicacional. Constatamos que a comunicação política em torno da ideia da privatização da RTP é utilizada como estratégia de afirmação política, mobilizadora de outros significados, designadamente de opções ideológicas sobre o papel do Estado na sociedade e na economia".

Aqui, manifesto a minha grande alegria e orgulho pelo trabalho apresentado e aprovado. Como orientador (e amigo) de Nuno Conde no mestrado e agora no doutoramento, reconheço a enorme valia da sua investigação. Profissional que trabalhou (ou trabalha) como consultor de entidades do Estado e gestor em várias empresas de media (e televisão), o seu conhecimento do serviço público de media é um dos mais estruturados que existem no país. Espero sinceramente que publique a sua tese, alargamento fundamental para se compreenderem os media, e a televisão em especial, no primeiro quartel deste século em Portugal.

Com a realização desta prova pública, fecho o meu ciclo de docência e orientações. Foi um período riquíssimo e agradeço à Universidade Católica todas as oportunidades que tive. Mas, acabado este ciclo, começa um novo. Um projeto financiado pela FCT, Broadcasting in the Portuguese Empire (acrónimo: BiPE), sob a liderança de Nelson Ribeiro, diretor da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica, mais três elementos, entre os quais eu me encontro, já está em curso. A vida da universidade é assim: colorida e cheia de desafios.

Abaixo a fotografia do júri com o novo doutor e um vídeo, feito após a prova, onde Nuno Conde apresenta as principais linhas do seu estudo.


Da esquerda para a direita: Manuel Pinto (Universidade do Minho), Sílvio Santos (Universidade de Coimbra), Rogério Santos, Nelson Ribeiro (Universidade Católica Portuguesa), Nuno Conde, Rita Figueiras (Universidade Católica Portuguesa) e Francisco Rui Cádima (Universidade Nova de Lisboa). Fotografia: Cristina Morgado

 

quarta-feira, 11 de julho de 2018

Vida de telefonista

A leitura da tese de doutoramento de João Moreira dos Santos sobre relações públicas e estudo de caso da Anglo-Portuguese Telephone (APT) levou-me a procurar material que tinha recolhido sobre essa empresa e que há mais de 30 anos não via e, por isso, não trabalhei em termos de investigação histórica. Agora, por exemplo, encontrei dois documentos que me elucidaram sobre a vida da telefonista e a precariedade de trabalho no final da década de 1940. Em ambos, expurguei os nomes das intervenientes.

Um deles é de 1948. Para crescer economicamente, a APT fez contratos leoninos com os empregados. A telefonista admitida entrava na reserva eventual, fora de regalias (serviços médicos ou vencimento quando doente) e sem aviso prévio se o posto de trabalho fosse extinto. Há um parágrafo mais elucidativo do que outros: trabalho temporário e serviço em dias isolados ou em determinadas épocas, como o verão.

O outro documento traz dados ainda mais relevantes, a partir da ficha de avaliação de pessoal de uma agente da central telefónica da Afurada (Vila Nova de Gaia), com contrato estabelecido em abril de 1946. Se, pelo primeiro documento, a precariedade resulta da necessidade de preencher vagas por férias, pelo segundo documento, toma-se conhecimento de uma empregada a residir no local de trabalho, com apoio da colaboração de familiares. Pelo documento, não se sabe que exigências e regalias se colocaram à empregada, mas admito que o contrato tivesse balizas de apoio social e médico semelhantes (ou, por isso, inexistentes). A estação onde a agente ficava a trabalhar era no lugar da Alumiara, em Canidelo. Não andarei longe da localização se a colocar na rua da Bélgica, entre Afurada de Cima e Lavadores, ainda hoje uma via de acesso essencial no percurso do centro de Gaia às praias.

A unidade de secagem de bacalhau, algumas fábricas de cerâmica, lavradores mais abastados, donos da frota pesqueira (pesca artesanal), lojas (mercearias e padarias), profissões liberais (como médicos), possivelmente já alguns concessionários da praia de Lavadores e o pessoal da antena de rádio dos Emissores do Norte Reunidos seriam alguns dos clientes da central telefónica. A estação da Afurada estava caracterizada como de tráfego médio.

Nessa época, a agente já era casada. O filho nasceria ainda em 1946 e a filha em 1950. Logo no ano do contrato, o marido foi autorizado a fazer serviço e para apoio da agente entrou uma empregada (criada) ainda em 1949. O pai da agente obteria autorização para residir na casa-central telefónica por um período curto em 1950 e em definitivo em 1954. Uma prima da agente, nascida em 1938, foi igualmente autorizada a residir no mesmo lar em 1950 mas impedida de trabalhar, assunto revogado em 1951 quando a jovem atingiu 14 anos de idade. O trabalho na central telefónica era 24 horas por dia, 365 dias por ano. Daí, a pequena equipa de quatro adultos: agente, marido, pai e prima. Talvez a empregada ainda ajudasse em algum momento.

Uma visitadora avaliaria o trabalho regular da agente telefonista da estação. A visitadora seria uma encarregada, já com experiência de serviço, correspondente à vigilante, que, na central com muitas telefonistas, zelava pelo bom atendimento e resolvia situações de telefonemas mais complexas. No caso presente, a tabela de avaliação geral não foi totalmente simpática para a agente: em cinco anos observados, 18 meses com muito bom, 16 com bom, 12 com sofrível e 11 com mau e 3 muito mau ou péssimo. O serviço começou a melhorar em 1952. Uma razão plausível para a melhoria seria a entrada da jovem prima, com o alargamento da equipa.

A remuneração mensal era de 400 escudos em 1946, tendo subido a 500$00 em abril de 1953, quatro anos depois do começo do contrato. Uma gratificação ou bónus anual (espécie de subsídio de férias de valor variável e atribuível ou não) não atingia o salário mensal, a oscilar entre 250$00 e 375$00, mas chegou a mil escudos em 1955.

Como seria garantir a subsistência de um agregado de oito pessoas com 400 escudos? O aluguer mensal de 120$00 era retirado do vencimento ou funcionava como usufruto? Há uma observação, em julho de 1951, que indica ter sido retirado o subsídio para a luz por ele ser incorporado no subsídio da energia, o que significa haver outros pagamentos não identificados nesta folha de pessoal. Apesar de muito distinto, podemos comparar aquele salário com preços de roupa de uma loja de luxo, em 1950, a Casa Africana: “Se a ouvinte vai para a praia, termas ou campo, não se preocupe com as suas toilettes: a Casa Africana tem modelos de vestidos todos diferentes ao preço de 200$00 a 250$00. Vestido de lantoc a 300$00. Vestido de linho a 350$00” (Arquivo Nacional Torre do Tombo, SNI, Caixa 791).

Uma última observação: o casamento estava vedado às telefonistas das maiores centrais mas não às agentes das centrais manuais de bateria local ou bateria central, possivelmente por força do isolamento profissional.




segunda-feira, 9 de julho de 2018

João Moreira dos Santos, as relações públicas e a APT

Hoje, no ISCTE, João Moreira dos Santos defendeu tese de doutoramento em Ciências da Comunicação com o título As Primeiras Manifestações de Relações Públicas Empresariais no Portugal do Início do Século XX (1910-1948). Modelos de Comunicação no caso The Anglo-Portuguese Telephone Co. Ltd. O aluno teve como orientadora a professora Sandra Pereira e como co-orientadora a professora Maria Inácia Rezola.

Retiro do resumo da tese o seguinte: "O presente estudo tem como objeto de análise as primeiras manifestações de Relações Públicas (RP) empresariais em Portugal, muito particularmente os modelos de RP adotados (Grunig e Hunt, 1984), procurando evidenciar o papel do contexto histórico na sua prática. Cingindo-nos ao período compreendido entre 1910 e 1948, seguimos como estratégia de pesquisa a metodologia de estudo de caso. Para o efeito, elegemos a The Anglo-Portuguese Telephone Company, Ltd. (APT), também conhecida como Companhia dos Telefones, que desenvolveu atividade em Portugal entre 1887 e 1967. Cientificamente, pretendeu-se contribuir para colmatar as lacunas existentes na historiografia nacional e europeia das RP empresariais".

Como arguente, interessou-me sobremaneira a análise da APT, presente nos capítulos V e VI. Daquele (A APT em Portugal e o contexto para as Relações Públicas), o agora doutor trabalhou breve historial da APT, introdução e adaptação (1882-1902), sistema de bateria central (1903-1930), sistema automático (1930-1967), contexto para as Relações Públicas, enquadramento contratual, ambiente político e regulatório, ambiente laboral, ambiente social, ambiente operacional e comercial, ambiente mediático, cultura empresarial e ambiente concorrencial. Do segundo (As Relações Públicas na APT), retiro os seguintes subcapítulos: organização, terminologia e conceptualização, dos secretários da administração à departamentalização, origem e progressão do termo, conceptualização teórica, influências estrangeiras na aquisição de competências, influência britânica, influência norte-americana, práticas e modelos de Relações Públicas, relações com o poder político e regulador, relações com os empregados, relações com a comunidade, relações com os clientes e relações com a comunicação social.

Das conclusões, o autor menciona indícios de que durante o terceiro quartel do século XIX algumas empresas e organizações enviavam aos jornais informação referente às suas iniciativas, serviços e produtos, numa atividade do tipo publicity. A nível empresarial, João Moreira dos Santos considera o pioneirismos das RP na APT, enquadradas sob esse mesmo termo – Relações com o Público – a partir dos anos 1930. Em 1948, Mello Portugal, funcionário do departamento de tipo-RP da APT, defendeu, contudo, que seria mais apropriado usar o termo Relações Públicas (Portugal, 1948), sendo essa, possivelmente, a primeira referência ao mesmo em Portugal. Nos anos 1950, o designativo Relações Públicas era já utilizado por empresas/organizações como a APT, Shell Portuguesa e CTT.

A APT (Anglo-Portuguese Telephone) era a empresa de telefones conhecida como Companhia dos Telefones, a operar nas áreas de Lisboa e Porto até 1967, quando deu origem aos TLP, fundidos com a parte de telecomunicações dos CTT em 1994, originando a Portugal Telecom.


Fonte: Ilustração, 16 de dezembro de 1933


Adaptação de anúncio da realidade inglesa à portuguesa. O júri da prova, mais o novo doutor, aparece na fotografia a seguir.


[da esquerda para a direita: Jorge Vieira, ISCTE, Nuno Estêvão Ferreira, Universidade Católica, Sandra Pereira, Escola Superior de Comunicação Social, João Moreira dos Santos, Gustavo Cardoso, ISCTE e presidente do júri, Gisela Gonçalves, Universidade da Beira Interior, e Rogério Santos, Universidade Católica]

 

domingo, 8 de julho de 2018

Pedro Morais

Vestia sempre de branco e o seu saco de pano era branco. No inverno, a sua canadiana de pipinhas era de lã muito clara.

Viamo-lo a almoçar na cafetaria aqui da rua. O nosso vizinho de mesa parecia um poeta.

Afinal, era pintor com obra sólida, conforme li no obituário há pouco no jornal. Tão elegante quanto discreto. Artista e professor. Que ignorância a minha. Quantas conversas poderia encetar com ele.  Talvez me mostrasse as obras em criação no seu ateliê, presumo, do outro lado da rua.

sexta-feira, 6 de julho de 2018

A imprensa católica açoriana segundo José Paulo Machado

Hoje, na Universidade Católica Portuguesa, defendeu tese de doutoramento José Paulo Machado, com o título A Imprensa Católica nos Açores: do Início do Século XX ao Concílio Plenário Português.

Da introdução, retiro uma questão que segue o título da tese: como se organizaram os media religiosos nos Açores nos três primeiros decénios do século XX, atendendo a escassos recursos financeiros e humanos? Por diversas vezes, os jornalistas desses meios apelaram à ajuda. Ou, como escreveu o aluno: "colocavam-se junto dos seus leitores de mão estendida" (p. 46). No todo, a tese procurou saber as causas que levaram a igreja a abraçar a imprensa, a imprensa nos Açores no início do século XX e as principais temáticas dos editoriais católicos açorianos.

O padre e agora doutor José Paulo Machado estudou 17 periódicos (jornais nacionalistas, boletins paroquiais, jornais associados ao Centro Católico Português, imprensa diarista de Angra do Heroísmo e revistas de foro cultural) num total de 5132 jornais, focando a sua análise empírica nos editoriais ("entrevista", aspas colocadas por mim, âmbitos religioso, político, locais-regionais e sociais-económicos, sobre o ensino, patrióticos, sobre a imprensa, âmbito literário-científico-cultural e sobre política internacional).

Como um resultado da investigação, em antecipação ao Concílio Plenário Português (1926), a reunião dos jornalistas católicos açorianos (1923) delineou, como grande linha de força, a unidade temática da imprensa católica insular. Seguindo esta orientação, com a extinção ou persistência dos periódicos estudados, seria criado o órgão oficial da Diocese, A União, em consonância com as deliberações do Concílio Plenário Português de 1926. Isto numa altura de grandes mudanças políticas (ditadura e Estado Novo) e situação económica (preço crescente do papel de jornal).

Além do trabalho escrito e apresentação oral do mesmo, a arguição tem um papel importante no valor da prova pública. Aqui, a leitura atenta e crítica de Alexandre Manuel Leite e Maria Inácia Rezola, bem como os contributos dos meus colegas da Universidade Católica, alargou muito a perspetiva do texto, num verdadeiro contributo científico. Enquanto orientador desta tese de doutoramento, senti-me gratificado pelo rigor das intervenções. E manifesto ainda a minha alegria pelo presidente do júri ser o padre José Tolentino Mendonça, vice-reitor da Universidade Católica Portuguesa e muito recentemente nomeado arcebispo e com os cargos de arquivista do Arquivo Secreto do Vaticano e bibliotecário da Biblioteca Vaticana, a assumir no começo de setembro de 2018.


[da esquerda para a direita: Alexandre Manuel Leite, Universidade Autónoma de Lisboa, José Miguel Sardica, Universidade Católica Portuguesa, Nelson Ribeiro, Universidade Católica Portuguesa, José Tolentino Mendonça, Universidade Católica Portuguesa, José Paulo Machado, Rogério Santos, Universidade Católica Portuguesa, e Maria Inácia Rezola, Escola Superior de Comunicação Social]

Em último, fica aqui um apontamento em vídeo do próprio José Paulo Machado.