Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência mantida desde 2003.

29.6.06

TEMPO DE FOLGA

O blogueiro regressa na segunda-feira. Esta semana, ele prolonga o fim-de-semana; não há "ponte", mas inventa-se uma, na procura de outros ares. É que existe mais mundo além dos blogues.
ECONOMIA DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS (I)

O negócio da compra da Bertrand (48 livrarias e as editoras Bertrand e Quetzal) pelo grupo alemão Bertelsmann faz despertar um objectivo imediato: destronar a liderança da FNAC (além da concorrência dos hipermercados). A Bertelsmann comprou a FNAC através de uma subholding, a Direct Group, detentora do Círculo de Leitores. O novo grupo passa a deter 12% do total do mercado do livro, com as duas cadeias de livrarias a facturarem €66 milhões o ano transacto (no mesmo ano, a FNAC facturou €40 milhões). Agora, a meta são €80 milhões de facturação.

Não há números precisos da aquisição, mas fala-se em €30 milhões de investimento em dois anos. Só o Círculo de Leitores vendeu 1,8 milhões de livros a 340 mil sócios, em 2005. Agora, será possível vender livros do Círculo nas lojas Bertrand. E a nova entidade accionista espera fazer crescer o conceito loja em centro comercial no mercado em Espanha.

A Bertrand foi fundada em 1732. Em 1998, Manuel Bullosa vendeu a sua posição de accionista ao Grupo Mello (ano de aparecimento da FNAC). Desde 1993, a Bertrand era presidida por José Mattoso, tendo-se modernizado nos anos recentes. A loja do centro comercial Vasco da Gama é a que mais vende, mas também têm sucesso as do Chiado e Picoas, para além de outras noutros pontos do país.

Em Portugal, a Bertelsmann possui ainda a gráfica Printer Portuguesa e 33% da Media Capital (TVI e rádios). O mercado livreiro alterou substancialmente nestes anos recentes, o que levou a Bertelsmann a investir em Portugal: 1) os livros vendem-se em quiosques e supermercados, 2) aumentou o número de títulos e baixou a tiragem de cada um deles, 3) a novidade deixa de durar um tempo médio (dois anos) para passar a quinze dias, 4) trabalha-se em catálogo, com lançamento de múltiplos livros para alguns deles conhecerem o êxito.

[elementos retirados das peças publicadas no Público de ontem e hoje, respectivamente assinadas por Joana Gorjão Henriques e Alexandra Prado Coelho]
ECONOMIA DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS (II)

Os dados divulgados pela APCT (Associação Portuguesa para o Controlo das Tiragens) sobre a circulação média dos jornais são um grito de alerta para os jornais nacionais. Exceptuando os gratuitos (Metro, com capitais da Media Capital, e Destak, da Cofina), os jornais pagos conheceram quedas significativas. Os jornais que eu compro diariamente, Público e Diário de Notícias, baixaram 9,4 e 9,5% respectivamente em relação ao primeiro trimestre do ano passado (46119 e 36305 exemplares). Já o Jornal de Notícias baixou de 102026 para 99989 e o Correio da Manhã de 125027 para 119431, queda que também apanhou o 24 Horas e os desportivos e os semanários.

Na leitura das notícias não encontro explicações, a não ser a queda dos jornais pagos e a subida dos gratuitos. Será uma transferência pura, ou há outros factores como a crise económica e o consumo de notícias pela televisão e pela internet?
AGUASFURTADAS, Nº 9

Com a qualidade a que já nos habituou, saíu o número 9 da revista aguasfurtadas, com três componentes e seus responsáveis: Letras (Luísa Marinho e Rui Manuel Amaral), Artes Visuais (Leandro Ribeiro e Francisco Eduardo) e Música (Pedro Junqueira Maia).

Em edição do NJAP/JU (Núcleo de Jornalismo Académico do Porto/Jornal Universitário), e com sede na rua Miguel Bombarda, 187, Porto, contém 277 páginas de textos e imagens. De entre os textos, contam-se os de Inês Lourenço, Tiago Gomes, Rui Lage, Pedro Ribeiro, Marcelo Rizzi, Adrienne Rich, Virginia Woolf e Filipe Guerra, para além de trabalhos de fotógrafos e artistas plásticos e um CD com obras de Alexandre Delgado, Ruben Andrade, Dimitris Andrikopoulos e do grupo de jazz Espécie de Trio.

Destaco - trata-se de mero gosto pessoal - o texto de Miguel Lorga Miranda, De que falamos quando falamos do riso. O autor escreve sobre o riso ao longo da humanidade, e da sua não consensualidade em termos de espaços culturais, apesar da sua larga importância. Para S. Bento, por exemplo, nos instrumentos de boas obras como regras, "Não dizer palavras vãs ou que provoquem o riso; não gostar de rir muito nem à gargalhada". O evitar o riso estava na base da escala da humildade. Também Santo Agostinho, olhando para o seu passado, identifica o riso como algo que passou. Já na oração de S. Francisco estipulava-se o oposto: "Onde houver tristeza, que eu leve a alegria".

O conto de Filipe Guerra também despertou a minha atenção. Logo pelo seu começo: "Cada conto é uma casa, há livros que são cidades. Noventa por cento das personagens saem de casa, entram em casa, procuram casa, perdem a casa. Os outros dez por cento não têm casa e sonham com ela". [fotografia de Bruno Espadana]

Este número será apresentado no dia 6 de Julho, a partir das 21:30, nos Espaços JUP (Rua Miguel Bombarda, 187), no Porto, com a realização de um espectáculo que incluirá as actuações dos projectos Mana Calórica e Las Tequillas.

Visite o blogue da revista aguasfurtadas aqui e veja o primeiro vídeo de promoção do número nove aqui.

28.6.06

RENOVAÇÃO DE LICENÇAS DE TELEVISÃO COMERCIAL

Para além dos media clássicos, os blogues dedicam hoje atenção ao tratamento noticioso da deliberação da ERC ontem tornada pública (Jornalismo e Comunicação e irreal tv). O documento da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC), que soma 102 páginas, é um importante instrumento de análise sobre televisão comercial em Portugal, pelo que deve ser lido na totalidade. Eu respiguei alguns dados.

Assim, entre Maio e Junho de 2005, os canais comerciais (SIC e TVI) apresentaram junto da AACS (entidade anterior à ERC) os pedidos de renovação de licenças de televisão, atribuídas em 1992. O processo transitou para a actual ERC, que iniciou funções em 17 de Fevereiro último.

Sobre a renovação, a ERC entende ser uma das manifestações mais relevantes e significativas da regulação dos media (ponto 2), pelo que chegou à conclusão (o conselho regulador da ERC) que algumas obrigações dos operadores de televisão não foram cumpridas satisfatoriamente conforme a proposta apresentada aquando do concurso para obtenção das licenças (ponto 9). A ERC não espera que os canais comerciais apresentem uma programação erudita (ponto 10) mas tão só patamares de maior exigência, com garantias de diversidade, oferta e pluralismo (ponto 12).

A ERC releva o modelo de serviço público ou de interesse público relevante (ponto 20), sem confundir com interesse do público (ponto 22). E aponta o caminho da televisão comercial não apenas no sentido do entretenimento e distracção, mas também dos fóruns de debate público e de cidadania (ponto 25).

No capítulo IV do documento, apresenta-se uma metodologia de análise de programação (pp. 42-46), onde se consideram quotas relativas à origem de programas, características dos programas (1998-2005), grelhas de 2005 e evolução de programação 1999-2005. Os capítulos V e VI analisam a programação da SIC e da TVI, páginas de leitura obrigatória para quem quer saber da programação televisiva no nosso país. Ficam aqui curtos exemplos.

Quanto à SIC, a programação cultural está longe de preencher os objectivos relativamente ao pluralismo cultural, e o canal deve recuperar os programas especializados de reportagem e programas infantis a horas adequadas ao público-alvo. Quanto à TVI, deve diversificar a programação no horário nobre (20:00-23:00) e transmitir missa semanal aos domingos, entre outras obrigações. O conjunto de obrigações dos dois canais lêem-se nas páginas 98-102.

[de seguida, dois quadros, retirados do documento assinalado no começo da mensagem, e dizendo respeito aos dois canais de televisão]


O QUE PROCURA? RESPONDE-LHE O TELEFONE JAPONÊS

Se passeia em Tóquio e quer obter uma informação, precisa apenas de aceder a um telefone, no hotel, restaurante ou monumento histórico onde se encontrar no momento. Ao premir um botão, obtém a informação sobre o que procura ou vê.

O novo serviço foi tornado possível pelo trabalho de três empresas japonesas e da GeoVector, uma pequena empresa americana de tecnologias. Os telefones combinam a navegação baseada em satélite, de precisão inferior a nove metros, com uma bússola electrónica que fornece orientação. Se ligado a um computador, há a possibilidade de ver a imagem. A tecnologia começou por ser desenvolvida devido ao requisito, previsto para 2007, dos serviços de emergência terem receptores baseados em localização geoestratégica.

Os analistas dizem que, por isto, o Japão vai um par de anos à frente do desenvolvimento tecnológico. Trata-se de uma nova fronteira para a mobilidade, aproveitando as potencialidades dos celulares e dos telefones fixos sem fios.

[ver mais em Herald Tribune de ontem, assinado por John Markoff e Martin Fackler, do New York Times; via newsletter do European Journalism Centre]
CAPOEIRA

Escreve Carina Teixeira, com data de anteontem, no sítio brasileiro
ArteCidadania, que a Capoeira "se popularizou por misturar luta, dança, arte marcial, música e brincadeira numa única e complexa manifestação cultural" e é já praticada em 51 países.

Inicialmente, foi uma espécie de resistência a escravidão e chegou a ser proibída no país, mas ganhou a simpatia dos desportistas no Brasil e no mundo. Continua o texto: "Em razão da imigração brasileira, a Capoeira se disseminou pelo mundo e conta hoje, com diversos centros de aprendizado e prática em 51 países. Já é reconhecida como esporte pelo Comitê Olímpico Brasileiro (COB), Ministério do Esporte e Secretaria de Alto Rendimento, sendo considerado uma modalidade genuinamente brasileira e uma atividade de alto rendimento físico".

Só na Califórnia, há 120 cursos, incluindo o da Universidade de Berkeley. "Houve um boom de capoeira, especialmente depois que ela foi reconhecida como esporte pelo Comitê Olímpico Brasileiro", declara o Doutor em antropologia cultural Sergio Luiz de Souza Vieira. "A capoeira entrou em clubes da classe média alta, em colégios e universidades”, completa [lido no texto citado].

O texto inteiro pode ler-se
aqui. [imagem igualmente retirada da mesma notícia]
FLORIBELLA É UMA PRINCESINHA

Vinha no Correio da Manhã da última sexta-feira: Luciana Abreu, a principal intérprete de Floribella (SIC), é tratada como uma princesa. Nada de deslocação em transportes públicos, pois a produção vai buscar e levar a casa a jovem actriz, oriunda de Vila Nova de Gaia e finalista do programa Ídolos. "Flor" entra em 60% das cenas, mas não faz figura de corpo presente. Quando não fala, não aparece simplesmente nas cenas. Diz ainda o jornal que as filmagens começam às 9:00 e acabam às 20:00, com um intervalo para almoçar.

O mesmo jornal (texto de Ricardo Tavares e fotografia de Natália Ferraz) refere ainda o "ordenado justo" de Luciana Abreu, idêntico ao dos protagonistas das outras novelas, cerca de quatro mil euros. Além do ordenado, a jovem actriz-cantora recebe royalties (direitos de autor) pela venda do seu CD. O álbum da novela juvenil da SIC vendeu, logo nos primeiros dias, mais de mil cópias. A RGB Chris Morena é a produtora argentina que criou a novela.

Já o 24 Horas de sábado (formato revista) preferiu destacar Cristina Cavalinhos, que desempenha o papel de governanta alemã na mesma Floribella. Actriz que debutou no teatro da Cornucópia, de Luís Miguel Cintra, Cristina Cavalinhos deu uma ajuda na direcção de casting da novela, apercebendo-se rapidamente que ela seria um sucesso. Diz ela: "A história é muito fantasiosa, vai de encontro ao universo das crianças. É muito a história da Cinderela misturada com a retratada no filme Música no coração. Tem ainda presente um lado de comédia, que põe as pessoas bem-dispostas".

Na mesma revista 24 Horas, outra cinderela mostrava os seus pés (e calçado): Diana Chaves, dos Morangos com açúcar (TVI), é o rosto da colecção de sandálias de uma dada marca. Oito pares, oito peças de vestuário. Diz a peça que as sandálias vão do artesanal ao marinheiro, do clássico à tendências africanas e do étnico ao romântico. Escreve quem sabe: "os pés ficam confortáveis e os detalhes são de arrasar". Isto é: a morangomania passa também pelas sandálias.

27.6.06

LANÇAMENTO DA REVISTA COMUNICAÇÃO & CULTURA

Como já referira aqui no blogue, realizou-se, ontem ao final da tarde, o lançamento do primeiro número da revista Comunicação & Cultura, da Faculdade de Ciências Humanas da Universidade Católica Portuguesa. Com a presença do reitor da universidade, Professor Braga da Cruz, e da directora da faculdade e da revista, professora Isabel Gil, a apresentação do número, sob o tema de capa A cor dos media, esteve a cargo de Rui Marques, médico e com mestrado em Ciências da Comunicação, actual ACIME (Alto Comissário para a Imigração e Minorias Étnicas).



Da sua comunicação - e após realçar a ligação e distinção das palavras comunicação e cultura do nome da revista, e que se pode ver num pequeno vídeo que fiz -, partiu do tema cor, que nasce da luz e é uma metáfora na filosofia e na espiritualidade, pois encaminha para uma dupla postura: unidade e diversidade. A cor, expressou, resulta da manifestação da luz com diferentes matizes que se reflectem nos mais variados materiais onde ela pousa. Aproveitou Rui Marques para trazer as notícias à reflexão. Com frequência, elas falam sobre cor ou etnia ou religião como sendo o outro. Ora, a diferença individual em termos de cor, etnia ou religião não é razão para racismo ou xenofobia. Daí que ele proponha uma desconstrução desses estereótipos, pois o que faz conflituar não é a diferença mas o facto de sermos semelhantes. Media e pluralidade poderia ser o binómio que Rui Marques destacou na sua apresentação da revista.



A Comunicação & Cultura, publicação semestral, tem neste número inicial textos de Stuart Hall (Identidade cultural e diáspora), Roberto Carneiro (Hibridação e aventura humana), Catarina Duff Burnay (Identidade e identidades na ficção televisiva nacional - 2000-2006), Isabel Ferin (Imagens da diferença: prostituição e realojamento na televisão), Catarina Valdigem (Brasileiros e ciganos no prime-time português: estudo de caso), Margarida Lima de Faria e Renata Almeida (A problemática da "identidade" e o lugar do "património"), Marcos Ferreira (The (de)construction of "Yugostalgia" through Kusturika's cinematic eye), Luís Bonixe (As rádios locais em Portugal: uma análise do discurso jornalístico) e Rita Curvelo (entrevista a François Colbert). Isabel Gil assina o editorial e a introdução ao presente número. A revista é editada pela Quimera.

Da parte final do editorial de Isabel Gil, destaco: "Postulando os valores humanistas da defesa da dignidade humana, do reconhecimento da diferença e da diversidade como vectores centrais para a construção de uma saudável cultura democrática, a revista Comunicação & Cultura apresenta-se como projecto plural, espaço de abertura ao novo, de exploração de novas práticas; como cartografia do vasto território da comunicação na contemporaneidade".

O próximo número, referente a Outono-Inverno 2006, tem como tema de capa Lobbying e marketing político, coordenado por Rita Figueiras. Dentro do tema, aceitam-se trabalhos - submetidos a referee - sobre lobbying e media, mediatização das campanhas eleitorais, estratégias de agendamento mediático, fontes e jornalistas e assessoria de imprensa.

26.6.06

CADERNOS EDIFÍCIOS, Nº 4

Com o título Humanização e Vitalização dos Espaços Públicos, vai ser lançado formalmente o nº 4 dos Cadernos Edifícios, no dia 5 de Julho, pelas 18h:00, no Centro de Congressos do Laboratório Nacional de Engenharia Civil. Na mesma altura, decorrerá uma conferência sobre o tema, pelo arquitecto Nuno Portas, especialista na matéria e, durante muitos anos, ligado à actividade do Núcleo de Arquitectura do LNEC.



Informações suplementares sobre o tema: blogue
infohabitar, animado pelo arquitecto António Baptista Coelho.
SERÁ MÁRIO MESQUITA O NOVO LUCKY LUKE?

Tenho uma admiração e estima grande por Mário Mesquita. Trata-se de um dos maiores intelectuais do país, reflectindo e escrevendo muito bem sobre a cultura em geral e os media em particular, em livros e na sua coluna semanal do Público.

Mas ontem, com a leitura do texto sobre o caso Dreyfus (1894) e consequências que se arrastaram até hoje, fiquei preocupadíssimo. É que, não muito distante da sua fotografia, surgia a ilustração de um cow-boy, com o seu revólver apontado para a direita, após o fulminar de uma bala. O dito cow-boy tem lenço atado ao pescoço, veste calças de ganga e tem um ar de rufião. Dá pelo nome de Lucky Luke.

Sei que Mário Mesquita é um hábil trabalhador da palavra e da argumentação, mas acho-o muito urbano e pacífico, o que não se coaduna em nada com a figura do cow-boy. Distraído, apesar de haver uma pequeníssima chamada de atenção junto à imagem, só na edição do jornal de hoje é que eu compreendi tratar-se de publicidade a um conjunto de álbuns em b.d. (banda desenhada), a começar a sair um destes dias.


Apesar de não me parecer escandalosa a forma como Mário Mesquita se faz acompanhar pelo cow-boy, não seria melhor uma outra forma de promoção dos ditos livros fora do espaço de opinião?

Mas o jornal da concorrência - o Diário de Notícias -, desde a sua recente alteração gráfica (Janeiro de 2006), também nos brinda com ilustrações a acompanhar os textos de opinião. Com frequência, não sei o significado das mesmas junto aos textos. Na edição de hoje, a ilustrar o artigo de João César da Neves, que escreve sobre economia e campeonato mundial de futebol, surge uma máquina de triturar cereais [peço desculpa se me engano]. Não sei se dirá respeito a imagens publicitárias de há um século e tal será uma forma do jornal homenagear esse tempo do quase começo da industrialização do país.


De todo o modo, o que me parece é que as ilustrações já não ocupam o lugar que eu imaginava para elas, o acompanhamento de textos, explicando visualmente o que se lia. Na realidade, os géneros jornalísticos estão mudados, havendo alguns modelos híbridos difíceis de classificar.
SEMINÁRIO INTERNACIONAL JORNALISMO E ACTOS DE DEMOCRACIA, ORGANIZADO PELO CIMJ

O Centro de Investigação Media e Jornalismo (CIMJ) organiza, nos dias 13 e 14 de Novembro de 2006, na Escola Superior de Comunicação Social (Lisboa), o seminário internacional Jornalismo e Actos de Democracia. Para o call for papers (até 15 de Setembro), clicar
aqui.

Nos vídeos, Isabel Ferin (professora associada da Universidade de Coimbra e presidente da comissão organizadora do encontro) e Nelson Traquina (professor catedrático da Universidade Nova de Lisboa e presidente do CIMJ) apresentam, respectivamente em português e inglês, o programa e os objectivos do seminário.



TEMA MUSICAL QUE ACOMPANHA A ACTRIZ DE NOVA NOVELA

Há dias, chegou a seguinte mensagem à minha caixa de correio electrónico (vou omitir nomes): “Caros amigos. Vimos por este meio enviar, em primeiríssima mão, o tema dos [nome da banda musical] que faz parte da banda sonora da nova novela da [nome do canal televisivo e do título da novela]. O tema de nome [indicação do nome] acompanha a personagem desempenhada por [nome da actriz/actor]. Agradecemos divulgação do tema ao vosso auditório”.

Recebi esta informação porque, no blogue com o nome destas crónicas, dou regularmente eco de actividades culturais que se passam no país.

A publicidade (ou promoção) da banda sonora de uma novela por um meio de comunicação é um episódio de uma longa história (de milhares de anos) do modo a divulgar produtos ou bens. Assim, na Pompeia petrificada pela erupção do vulcão Vesúvio (ano 79 da nossa era), é possível lermos inscrições publicitárias. Depois, muito mais tarde, em especial desde a segunda metade do século XIX, cada vez mais produtos vêm sendo publicitados, primeiro nos jornais, depois nos media electrónicos. Nos jornais de finais do século XIX e começos do século XX, há imagens que acompanham o texto publicitário, mas este tem maior importância do que aquele. Anúncios a vestuário, sabão, tabaco e máquinas agrícolas são algumas das áreas. Sobre o sabão, aliás, contam-se histórias deliciosas. Como era necessário educar as pessoas a terem hábitos higiénicos – não havia o costume de tomar banho todos os dias ou com muita frequência – a publicidade a sabões e sabonetes frisava os cuidados de saúde. O sabão foi um dos primeiros produtos a possuir nomes de marcas. Para obter um impacto maior, as marcas de sabões, sabonetes e produtos de limpeza patrocinaram as radionovelas – daí a designação, em inglês, de soap opera (soap, de sabão) dada às novelas na rádio e, mais tarde, na televisão. Em Portugal, o detergente que patrocinava as novelas era o Tide, rapidamente transformado no mais popular junto das donas de casa, o público preferencial desse tipo de programas. Um dos outros produtos a ter designações próprias foi o tabaco, hoje banido da publicidade por questões de saúde.

Com o crescimento da publicidade surgiu um novo léxico: orçamento (muitas vezes dito com o termo inglês: budget), público-alvo, outdoor, pesquisa publicitária, agência de meios, notoriedade, campanha publicitária, concepção gráfica, frequência de inserções, teaser (campanha desdobrada em momentos diferentes), below the line (publicidade em oposição a acções de relações públicas, por exemplo), audiências.

Num livro fascinante e de leitura rápida editado o ano passado, de Wally Olins, chamado A marca, o autor, um dos mais prestigiados criadores de identidade de marcas, traça três tipos de marcas referentes a produtos ou serviços. Assim, a primeira designação – marca monolítica (corporate) – é quando os variadíssimos produtos de uma empresa ou grupo de empresas possuem a mesma designação. Casos da Nokia (até à fusão anunciada a semana passada com a Siemens) ou da marca de brinquedos Lego. A segunda designação, validada (endorsed), é quando uma organização possui uma série de marcas com nome próprio e identidade. Estou a pensar na Sonae, que tem os supermercados Continente, o jornal Público, empresas de conglomerados de madeira, hotéis a nascer na zona de Tróia. Aqui, com a particularidade de toda a gente conhecer o patrão, pessoa muito interveniente no espaço público. A terceira designação – individualizada (branded) – é quando o nome de um produto não se identifica com a organização, caso dos produtos de limpeza ou de alimentação (Procter & Gamble, por exemplo).

A publicidade, que começara nos jornais, acompanhou a evolução dos media. Na rádio, usa-se o termo inglês jingle, a que eu costumo chamar musiquinha. Todos nós fixamos jingles de anúncios ao longo da vida (género: “O que é bom é Nacional”). E também anúncios de televisão, aqui com uma particularidade. Como o tempo custa bastante dinheiro, a publicidade televisiva conta, em doze a dezasseis segundos, uma história sobre a marca ou produto, com planos de imagens muito rápidos, na linguagem dos videoclips. Neste momento, pensa-se em anúncios de um segundo; a questão é saber como é que um período tão curto de tempo chama a atenção do consumidor. Talvez subliminarmente. Imaginação, choque e som mais alto quando o anúncio passa na televisão são algumas das características da publicidade, em especial na televisão, o meio mais importante para a publicidade, infelizmente com menor investimento na rádio, este nosso meio de comunicação tão agradável e útil. Com a invenção do telecomando, os telespectadores e consumidores passaram a mudar de canal sempre que aparecem blocos publicitários. Tal levou os publicitários a criarem um outro mecanismo de percepção das marcas dos produtos e serviços, a que chamaram product placement. O boné do treinador ou do jogador de futebol, mais a marca de águas em cima da mesa e voltada para as câmaras de televisão, ou o patrocínio inscrito no painel atrás da mesa são estratégias semelhantes à enunciação da marca pelo actor ou actriz na série ou novela ou a focagem, em primeiro plano, de um dado produto com marca.

A publicidade de marcas é uma área de grande criatividade. Basta pensar no trabalho do anúncio de televisão ou do cartaz. Combinam-se múltiplos saberes: o escritor (caso do “Há mar e mar, há ir e voltar”, do poeta Alexandre O’Neill), o pintor, o fotógrafo, o gráfico, o especialista em desenho computadorizado. Ou o publicitário em si, como o brasileiro Edson Athayde. Ou ainda no uso que a pintura pop art deu à publicidade, como as sopas de tomate Campbell’s pintadas por Andy Wharol, o artista que dizia que, no mundo dos media electrónicos, cada pessoa podia aspirar a um máximo de quinze minutos de fama. Além dos neons das grandes cidades, como Nova Iorque, Londres ou Lisboa. E dos festivais de publicidade, o mais famoso dos quais é Cannes, cuja edição mais recente decorreu ao longo da semana passada.

Queria, quase a terminar, referir os picos de anúncios nos media em geral. O maior ocorre de Setembro a Novembro (o regresso às aulas, primeiro, e a aproximação do Natal, depois), a que se sucede o começo do Verão (férias). Obviamente, os meses mais baixos em termos de publicidade são Janeiro (o dinheiro para as compras termina no dia de Ano Novo) e Agosto (quando as pessoas vão de férias para fora, as que conseguem ir). Mas há também picos durante eventos especiais, como o actual mundial de futebol, onde algumas das caras dos anúncios pertencem ao treinador e aos jogadores da selecção. Além deste sector, também as vedetas de televisão (actrizes, modelos, apresentadores) ganham bom dinheiro suplementar com anúncios às mais variadas actividades. Muitos de nós, porque simpatizamos com essas figuras públicas, fixamos as marcas e tornamo-nos potenciais compradores. A isso se chama construir a notoriedade da marca.

Voltando ao princípio da crónica e ao anúncio da banda sonora da novela. Não se pode olhar para a proposta promocional de modo negativo. Isto porque a música sugere a acção de uma dada estrela de televisão na narrativa da novela. O produto fica muito mais bem identificado, afinal o objectivo máximo da publicidade.

[texto da crónica que passará hoje por volta das 10:00, na Antena Miróbriga Rádio ou 102,7 MHz (região de Santiago de Cacém)]
BANDEIRAS

Certamente, hoje há mais bandeiras. Efeitos do futebol!


[imagens recolhidas em Leiria, dia 23 de Junho, e Av. de Ceuta, Lisboa, dia 24 de Junho]
APANHADOS DENTRO DOS NOTICIÁRIOS DE TELEVISÃO

Descobri este ficheiro vídeo, com cenas caricatas dentro de noticiários televisivos americanos:

http://www.youtube.com/watch?v=VQKxO2bQsBU

23.6.06

BERTA CARDOSO NO MUSEU DO FADO

Foi inaugurada ontem a exposição sobre a vida e obra da fadista Berta Cardoso (1911-1997) no Museu do Fado. Para além do bom gosto estético e múltipla e importante informação da exposição, foi editado um belo catálogo.

Por falta de tempo, volto a escrever no blogue apenas na próxima semana, esperando tecer um comentário sobre a exposição e a sua importância para a compreensão das artes dos espectáculos - indústrias criativas, como tenho aqui definido - em Portugal e durante o século passado.

22.6.06

NOVA IORQUE - DE TOPOS A UTOPOS (ALGUMAS INTERVENÇÕES)

Ontem, durante o dia, decorreu o seminário Nova Iorque - de topos a utopos, na Universidade Católica Portuguesa, coordenado pela professora Laura Pires.

Os vídeos pertencem a comunicações de David Cranmer (UNL) [Camille Saint Saens in New York], Klemens Detering (UCP) [A música latina em Nova Iorque], Alice Trindade (ISCSP) [Nova Iorque e The New Yorker], Vítor Oliveira (UCP) [Nova Iorque de 1930 - uma visão europeia] e Natalina Domingues (ISCSP) [Harlem Renaissance - da utopia à realidade].





21.6.06

MEMÓRIA DE MOURÃO-FERREIRA

Amanhã, 22 de Junho, às 18:00, o Conversas na Bulhosa (livraria Bulhosa, ao Campo Grande, em Lisboa) tem como convidado o poeta e crítico literário António Carlos Cortez, que falará sobre David Mourão-Ferreira, agora que se assinalam dez anos do seu desaparecimento.

A sessão contará também com um testemunho pessoal de Teresa Rita Lopes sobre o poeta e com a presença da sua família. Serão ainda lidos alguns dos poemas de Mourão-Ferreira pela actriz Silvina Pereira.

ANIMAÇÃO PARA INFORMAÇÃO

Estão abertas as vagas (cinco) para o Curso de Animação para Informação. O curso pretende aperfeiçoar a prática de animação de programas de rádio em estações com informação. Trabalha a relação entre animação e informação, na óptica do animador/jornalista.

Do comunicado recebido, lê-se: "O curso será ministrado nas instalações do RADIOLB da Universidade Autónoma de Lisboa. A parte de animação será dada por Ana Bravo (TSF) e a de jornalismo por Francisco Sena Santos (UAL). Para além das sessões de formação, os alunos serão monitorizados no seu trabalho de animação e de redacção. Para tal o curso simulará emissões de rádio com uma redacção a editar.O curso tem a duração (mínima) de 20 horas. Três das oito vagas serão preenchidas pelos melhores alunos da disciplina de Atelier Rádio (jornalismo/newsroom) da licenciatura de Comunicação (a título de prémio), pelo que há apenas 5 vagas".

O curso começa no dia 5 de Julho e termina dia 10, em horário diurno (tarde) ou pós-laboral.Para informações e inscrições contacte: jsousa@universidade-autonoma.pt, 966555616 ou visite http://radiolab.com.sapo.pt/cursos/animacao.htm.

NÚCLEO MUSEOLÓGICO DE TELECOMUNICAÇÕES

Inaugurado em 1983, em Vila do Conde (freguesia de Vilar do Pinheiro), foi agora remodelado o Núcleo Museológico de Telecomunicações de Vilar [designação anterior: Museu Vivo da Comutação Manual]. Pertencente à Fundação da Portugal Telecom, o núcleo tem equipamentos de comutação (centrais telefónicas) do tempo das comunicações manuais, que foram desaparecendo paulatinamente entre 1930 e meados dos anos de 1970. Para Norberto Fernandes, presidente da Fundação, este núcleo emparceira com outros dois, um instalado em Aveiro, onde a mostra diz respeito à produção de equipamentos nacionais (nomeadamente centrais telefónicas) e outro a instalar junto do museu da Marinha (equipamentos de telecomunicações ligados à actividade marítima).




Os pequenos vídeos abaixo dão conta da reabertura do núcleo museológico, ontem ao fim da tarde. O blogueiro, que já escreveu sobre a história das telecomunicações em Portugal, regozija-se com a recuperação e publicitação daquele espaço de memória profissional e cultural em Vila do Conde.


20.6.06



No dia 26, pelas 18:30, na Sala de Expansão Missionária (Biblioteca João Paulo II), na Universidade Católica Portuguesa (UCP), em Lisboa, vai ser lançado o primeiro número da revista Comunicação & Cultura, da Faculdade de Ciências Humanas daquela universidade, editada pela Quimera. Preside Manuel Braga da Cruz (reitor da UCP) e apresenta Rui Marques (ACIME). A nova revista, semestral, é dirigida por Isabel Gil (directora da Faculdade de Ciências Humanas da UCP).

CINECLUBES E CINEFILIA - 2

Ontem, no seminário História da cultura de massas em Portugal no século XX - na Universidade Nova de Lisboa -, Paulo Jorge Granja (Faculdade de Letras da Universidade de Coimbra) falou de Cineclubes e cinefilia: entre a cultura de elites e a cultura de massas.

Depois de descrever e analisar o cinema no seu começo, e da lenta separação entre cinema comercial e cinema enquanto arte, passou a definir os cineclubes, que dividiu em duas etapas principais, tendo a Segunda Guerra Mundial como baliza. Assim, nos anos de 1930, os primeiros cineclubes tinham uma acção restrita e dirigida às elites. O objectivo era alcançar os cinéfilos mas não as grandes massas. A segunda geração de cineclubes goza de uma amplitude maior, até devido à crescente mobilidade cultural das massas de trabalhadores fãs do cinema de qualidade.

Questões como cinema mudo (silêncio, fotogenia e montagem), introdução do sonoro (prevalência do texto) e variações em torno do conceito cinéfilo (inicialmente, o fã do cinema de qualidade, depois voltado mais para o cinema comercial) foram também abordadas pelo orador. A referência aos primeiros cineclubes nacionais e às revistas de cinema constituiram ainda temáticas destacadas por Paulo Jorge Granja.

19.6.06

NOVA IORQUE – DE TOPOS A UTOPOS

Trata-se de um encontro realizado no âmbito do projecto de investigação Nova Iorque – de topos a utopos, do CECLL - Centro de Estudos de Cultura Línguas e Literaturas (Universidade Católica Portuguesa). A decorrer no dia 21 de Junho, das 9:30 às 18:00, na Sala da Expansão Missionária (Biblioteca João Paulo II), em Lisboa.

O programa é o seguinte:

9:30 – Abertura do Encontro, com palavras de Abertura, Profs. Doutores Isabel Capeloa Gil, Directora da Faculdade de Ciências Humanas; Jorge Fazenda Lourenço, Coordenador do Centro de Estudos de Cultura, Línguas e Literaturas, Laura Bettencourt Pires, Coordenadora da Linha de Investigação Nova Iorque - De Topos a Utopos.
10:00 – Nova Iorque ― Capital do Mundo, Álvaro Martins
10:20 – De Pequeno Entreposto a Grande Centro Urbano, Raúl Filipe
10:40 – A Representação do Empire State Building em Love Affairs e Sleepless in Seattle
11:00 – 11:20 – Debate
11:20 – 11:40 - Pausa para Café
11:40 – Camille Saint Saens in New York ― Looking Back a Hundred Years Later, David Cranmer
12:00 - A Música Latina em Nova Iorque, Klemens Detering
12:20- 12:40 – Debate
12:40-14:30 – Pausa para Almoço
14:30 – Nova Iorque e The New Yorker, Alice Trindade
14:50 – Ulisses em Nova Iorque, Lara Duarte
15:10 – Nova Iorque de 1930 — Uma Visão Europeia, Vítor Oliveira
15:30-15:50 – Debate
15:50-16:10 – Pausa para Café
16:10 – Harlem Renaissance ― Da Utopia à Realidade, Natalina Domingues
16:30 – Nova Iorque ― Arquitecturas Utópicas, Aurora Coutinho
16:50 – Nova Iorque e As Lutas pelos Direitos das Mulheres, Laura Pires
17:10-17:30 – Debate
17:30 – Interlúdio Musical – New York Blues, Apresentação de Telmo Silva, Ivo Oliveira e Diogo Palhinha, alunos finalistas de Cultura Americana
18:00 – Conclusões do Encontro, Encerramento.


Para mais informações: 217214018 ou cecll@ucp.pt.

CINEMA E SEUS PÚBLICOS

Um livro recente, coordenado por Manuel José Damásio e intitulado O cinema português e os seus públicos, mostra que 64,5% da população portuguesa vai ao cinema mais de uma vez por mês, sendo essa frequência levemente superior nas mulheres. Os tipos de filmes preferidos são a comédia e o romance para as mulheres, a acção e o terror para os homens.

A partir de um inquérito, traçou-se a regularidade na ida ao cinema: 60,8% vê mais de um filme português por mês, embora 93,3% prefira um filme estrangeiro. Duvido daquela percentagem dos que vêem cinema português – é que a produção anda à volta de 12 filmes anuais e o tempo de permanência nos ecrãs é escasso.

Das razões apontadas para ver um filme português, cerca de 50% aponta o argumento, seguindo-se os actores e actrizes (28,7%) e a promoção do filme. Mas a satisfação sobre os filmes portugueses não é elevada, pelo ritmo lento da história ou narrativa. Respostas mais satisfatórias vêm da credibilidade das histórias, próximas da vida real, dos valores éticos, morais e culturais e de elementos técnicos como guarda-roupa das personagens, caracterização (maquilhagem, penteados, adereços) e escolha do elenco.

O livro seguiu duas metodologias: 1) inquérito a espectadores, junto à bilheteira e por telefone e internet, e 2) grupos de discussão. Para se entrar nestes últimos, a condição era não se gostar de cinema português. Opção aparentemente bizarra, ela tem cabimento se considerarmos que, apesar de 60,8% dos cinéfilos irem ver filmes portugueses, muitos fazem críticas sérias ao cinema nacional. Razões? Vai-se ao cinema como actividade lúdica, de distracção e identificação com os temas dos filmes escolhidos. Ao contrário, o cinema português dá-nos temas tristes (prostituição, racismo, droga, pobreza) e tem pouca dinâmica (depressivos e monótonos).

Se quisermos, podemos ver as coisas sob outro ângulo. Como escreve Paulo Viveiros na introdução: “não há uma indústria de cinema em Portugal, não há géneros cinematográficos que estabeleçam uma identificação do público com temáticas e actores. […] todos clamam nostalgicamente pelas comédias dos anos 30 e 40 do Estado Novo (António Silva, Vasco Santana, Ribeirinho, Beatriz Costa, Santos Carvalho), porque foi o único momento em que o cinema português gerou uma empatia com o público luso. E porquê? Justamente porque eram histórias banais com as «graçolas» («chapéus há muitos, seu palerma», «Ó Evaristo! Tens cá disto?») que incluíam um par romântico, que faz parte de qualquer género, sem qualquer pretensão intelectual” (pág. 18).

Ora, muita da actual produção cinematográfica nacional hoje é a de realizador-autor (43%). Uma sugestão feita no livro respeita ao making of, relevando o papel do produtor como indicando tema e realizador. Uma outra sugestão foi a criação de novos públicos. Aqui, fico igualmente com dúvidas. Dos inquiridos, 46,5% têm licenciatura, seguindo-se 33,6% com o 12º ano. Os estudantes representam a maior fatia de respondentes (47,4%). Em termos de idade, 51,1% têm entre 15 e 24 anos.

Criar novos públicos seria recuperar públicos, nomeadamente os acima dos 24 anos. Os estudos de consumo de cultura indicam que, a partir de um certo nível etário, baixa o número de espectadores. Explicações? Emprego, constituição de família e nascimento de filhos, redução do tempo de lazer.

Acresce-se a isto uma diminuição do número de espectadores ao longo dos anos mais recentes: o DVD faz concorrência, além de ser caro ir ao cinema. Mas há tendências contraditórias: em Portugal, nos últimos dois anos, inauguraram-se 133 salas de cinema (mas fecharam 55 ecrãs). Ou seja: há mais 12800 cadeiras disponíveis, mas menos 3800 espectadores por dia (Diário de Notícias, 11 de Junho de 2006). Contas feitas, há no país 650 ecrãs de cinema, mas nenhum em 95 concelhos do país (em números redondos, quase um terço dos concelhos nacionais). Distritos como Évora e Vila Real não têm mais de oito salas, tantas quanto cada um dos onze centros comerciais de Lisboa e Porto.

As esperanças dos exibidores não passam, infelizmente, pelos filmes portugueses, mas pelos blockbusters que se avizinham, como Cars, o filme de animação da Pixar, lá para o começo de Julho. Espero voltar a falar do assunto.

[texto da crónica que passará hoje por volta das 10:00, na Antena Miróbriga Rádio ou 102,7 MHz (região de Santiago de Cacém)]

18.6.06

MUSEUS - 1

Desde 2001 que o Museu de Alberto Sampaio (Rua Alfredo Guimarães, Guimarães) pratica horário nocturno durante os meses de Julho e Agosto, com abertura alargada das 10:00 às 24:00, excepto nas segundas-feiras. Trata-se de uma atitude inédita em Portugal, quanto sabemos, e ilustrando uma boa prática.

Além do tempo disponível para quem lá vai, há sempre novidades. No claustro do Museu, o visitante poderá ver, a partir de 30 de Junho (e até 3 de Setembro), a exposição Momentos, de Paulo Neves [na imagem, o artista a criar uma obra].

MUSEUS - 2

No Público de hoje, em peça não assinada [take da Lusa], dá-se conta de uma exposição sobre a fadista Berta Cardoso. O título da notícia é Amigos e Museu do Fado recordam Berta Cardoso. No interior da notícia, informa-se da apresentação hoje, pelo investigador Vítor Duarte Marceneiro, de um diaporama sobre a fadista, em encontro da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado.

A notícia precisa o lugar do encontro como sendo Lisboa. Daí que o blogueiro se tenha convencido da sua realização no Museu do Fado. Chega lá e pergunta ao empregado sobre esse evento. Ele diz ignorar por completo. Falo-lhe então de uma exposição a inaugurar no próprio museu, ao que o empregado, parecendo regressado de uma longa amnésia, afirma que sim, que se vai inaugurar uma exposição sobre a fadista, na próxima quinta-feira. E volto ao assunto do encontro, ao que ele admite conhecer a sua realização pela Associação dos Amigos do Fado, destacando (elevando o tom de voz) que esse grupo nada têm a ver com o Museu e que tal encontro lhe parecia ir realizar-se fora de Lisboa.

Para além de lento e omisso nas respostas, não foi capaz de entusiasmar os potenciais visitantes do Museu a entrarem no edifício. Pergunta: para que precisa uma instituição de um colaborador assim? Este é um exemplo de más práticas.

Observação: procurei no sítio da Associação Portuguesa dos Amigos do Fado, mas a actualização de notícias parou em 2004. E o sítio indicado pelo jornal como pertencendo a Ofélia Pereira, animadora das memórias da fadista, www.bertacardoso.com, não funciona. Além disso, o sítio do Museu do Fado tem apenas informação estática, o que não adiantou nada na minha pesquisa.

NUNO AZINHEIRA TEM RAZÃO


Num email bem escrito e muito completo, Nuno Azinheira, editor executivo adjunto do Diário de Notícias, jornalista que prezo muito e a quem agradeço a mensagem, elucida-me (a propósito de um post que coloquei aqui, onde critiquei "o uso de recursos humanos dos jornais no destaque do mundial de futebol") do seguinte:

  • 1. O Mundial de futebol é um grande acontecimento em qualquer país civilizado.
    2. O futebol não é um produto que interesse apenas aos leitores dos jornais tablóides.
    3. Como (se) pode provar pela leitura de outros jornais de referência como o DN (em Portugal e no estrangeiro), um evento como o Mundial de futebol merece um tratamento de grande amplitude e com um evidente aumento de páginas.
E pergunta-me: "devem os jornais ficar parados, de braços cruzados, deixando que a televisão canibalize ainda mais uma Imprensa que, cada vez mais, perde leitores fieis?". Eu também tenho dúvidas, muitas dúvidas, mas expressei essas mesmas dúvidas. Continua Nuno Azinheira:

  • O Mundial de futebol é uma aposta editorial do DN. Legítima e discutível, como qualquer outra, mas é uma opção forte nossa. Por alguma razão, o DN foi o primeiro jornal generalista português a lançar o seu suplemento do Mundial. Entendemos que um acontecimento como uma prova desta natureza ultrapassa o interesse habitual que os portugueses têm em relação ao desporto e ao futebol. Por alguma razão, os jogos de Portugal têm tido mais de 80% de share na SIC. Não há 80% de portugueses a amar futebol.
Também coloquei aqui o número de páginas dedicadas ao futebol da Alemanha em três distintos jornais (Público, Diário de Notícias, The Guardian). Resultado: 11 páginas cada. Nenhum fica atrás, o que quer dizer que a estratégia é comum. E retiro duas - duas - páginas do Observer de hoje. Art Deco e Big Phil Scolari foram expressões ou nomes que retiro da última página do segundo caderno desse jornal, dedicadas à vitória de Portugal sobre o Irão.



A mensagem de Nuno Azinheira conclui assim:

  • As suas interrogações são legítimas e interessantes, mas, perdoe-me, são teóricas. A vida dos jornais é feita nas redacções. E os jornais são feitos para as pessoas. E as pessoas gostam de ver o Mundial, de ler as crónicas, de ver as classificações, de saber quando são os jogos, de conhecer os jogadores, de saber das lesões. Ora, se até os deputados da Nação mudam a sua agenda consoante os interesses do Mundial de futebol...
O Nuno Azinheira tem razão. Se todos os jornais fazem cadernos sobre o mundial, qual a razão do Diário de Notícias não acompanhar a corrente? Reconheço o meu pendor de olhar as coisas do lado teórico, até em casa me lembram de estar, frequentemente, fora da realidade. Mas temos direito a manifestar a nossa posição diferente da do mainstream [apesar de todas as minhas contradições, como se pode ver neste post aqui]. E vejo que há necessidade de graduar as nossas impressões, como quando se compara o gosto popular com o comportamento dos deputados. Em 1977, os deputados também fechavam mais cedo o Parlamento para acompanhar a novela Gabriela, certamente por causa da actriz Sónia Braga. E, mais recentemente, faltaram ao Parlamento devido a uma ponte de feriados. Apesar de considerar o Diário de Notícias - a par do Público - um jornal fundamental para o conhecimento de cidadãos livres e informados, na mensagem que escrevi, deixei, afinal, apenas uma simples pergunta: as páginas do mundial de futebol fazem vender mais jornais?

Cumprimentos para o Nuno.

LEITURAS DE ONTEM

Li George Steiner, A ideia de Europa (Gradiva, 2006). Retiro um parágrafo da página 44:

Cinco axiomas para definir a Europa: o café; a paisagem a uma escala humana que possibilita a sua travessia; as ruas e praças nomeadas segundo estadistas, cientistas, artistas e escritores do passado - em Dublin, até nos terminais rodoviários se indica o caminho para as casas de poetas; a nossa descendência dupla de Atenas e Jerusalém; e, por fim, a apreensão de um capítulo derradeiro, daquele famoso ocaso hegeliano que ensombra a ideia e a substância da Europa mesmo nas suas horas mais luminosas.

E, mais à frente, após destacar uma palestra de Max Weber, a seguir ao final da Primeira Guerra Mundial (1918), e uma palestra de Edmund Husserl, pouco antes da sua morte e no momento em que a devastação da Segunda Guerra Mundial assolava a Europa, Steiner descreve o génio da Europa, aquilo a que William Blake chamou a "santidade do pormenor diminuto": a diversidade linguística, cultural e social, um mosaico que pode ser percorrido em curtas distâncias (pág. 49). A dignidade do homem, e do europeu, reside na percepção da sabedoria, na demanda do conhecimento desinteressado e na criação da beleza (pág. 53).

Ontem também li o discurso de Luís Miguel Cintra, ao receber o Prémio Pessoa (publicado no semanário Expresso, caderno "Actual", pp. 24-26):

E a ameaça, agora que o público voltou às salas, persiste com nova cara, com novas formas de restringir a liberdade de inventar. Creio que voltámos agora a outra forma de empresário, de patrão: são as próprias regras do mercado, os critérios dos níveis de audiência, a publicidade, o poder da televisão, a demagogia populista. Em meu entender, a ameaça agora é o reino dos programadores, a burocratização, a pré-formatação. E a sua capacidade de integrar no mercado qualquer inovação ou toda a diferença por mais rebelde que seja.

17.6.06

CINECLUBES E CINEFILIA

Na segunda-feira, dia 19, pelas 17:00, decorre a penúltima sessão do seminário História da cultura de massas em Portugal no século XX, com Paulo Jorge Granja, que falará de Cineclubes e cinefilia: entre a cultura de elites e a cultura de massas. Sala T5 da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas (Universidade Nova de Lisboa, av. de Berna, 26).

UMA VIDA NOVA

O documentário Uma vida nova, de Nuno Pires, vai passar na Cinemateca, dia 18 de Julho, pelas 21:30. A história conta-se rapidamente: "Não tinham sequer 20 anos. José e Guiomar foram para França a salto nos anos 70, sem saber uma palavra de francês. Deixavam Portugal sob a ditadura, à procura de uma vida melhor, mas sem nunca esquecer o seu país de origem e sempre com vontade de voltar um dia. Trinta anos depois, decidiram regressar. Porquê agora? Alguns meses atrás, os seus dois filhos escolheram viver em Portugal. Portanto, José e Guiomar já não têm nada que os prenda a França".

A biografia do realizador revê-se na história. Como se lê no sítio Uma vida nova, é filho de pais portugueses, tendo nascido há 24 anos em Fontainebleau, nos arredores de Paris. Com duração de 24 minutos, Uma vida nova tem os pais de Nuno Pires como principais protagonistas.

Há seis anos, quando ainda tinha 18 anos, Pires é galardoado com o Prix du Jeune Ecrivain, atribuído à sua novela Histoire(s). Nesse ano de 2000 ingressa no curso de Cinema da Universidade Sorbonne Panthéon, em Paris. O mestrado foi concluído o ano transacto.
XX SALÃO NACIONAL HUMOR DE IMPRENSA

Abre hoje e vai até 23 de Julho, na Galeria do Palácio Ribamar, em Algés. Pelo catálogo, vale a pena ir visitar a exposição (gentileza de Carlos Filipe Maia).

EXPOSIÇÃO DE VASCO BERARDO

Na galeria da Livraria Minerva, rua de Macau, 52, em Coimbra. Vasco Berardo nasceu em Coimbra, tendo sido seus mestres José Contente, António Vitorino, Manuel Pereira e arquitecto Fernandes. A primeira exposição foi feita em 1951 com os Novos de Coimbra. O mestre Berardo trabalha escultura em bronze e madeira, cerâmica, azulejaria, pintura, tapeçaria, metais e obra gráfica. Do seu período neo-realista ficou, entre outras coisas, o mural do velho café Mandarim, hoje MacDonald's.

PLAY BECKETT

Em Coimbra, na Escola da Noite (Oficina Municipal do Teatro).

PINTURA PORTUGUESA DOS ANOS 1930-40

Subordinada ao título Equilíbrio e disciplina, mostram-se na galeria do Diário de Notícias 47 obras do Centro de Arte Moderna da Gulbenkian. Ricamente decorada com frescos de Almada Negreiros, obra de origem do edíficio que Pardal Monteiro fez para a sede do jornal, as pinturas (vindas da reserva do museu Gulbenkian) ganham uma vida nova, pelo diálogo que estabelecem umas com as outras.

O meu olhar ficou particularmente fascinado pelos dois óleos sobre madeira de Jorge Barradas (Lavadeiras, 1938, e Camponesa, 1937), pelo brilho das imagens e pela coloração de ambas. Mas, ao fundo da sala, para quem entra, resplandesce a obra mais antiga da mostra, a de Lino António (1923, sem título). Duas figuras de mulheres esguias, a uma mesa de café; que conversariam elas? Vale a pena ir ao Diário de Notícias e trazer o catálogo (€5).

16.6.06

PANOS – Palcos Novos Palavras Novas

Dramaturgia contemporânea, com três peças de teatro: 1) Cidadania, de Mark Ravenhill, 2) O segredo de Chantel, de Hélia Correia, e 3) Octávio no mundo, de Jacinto Lucas Pires. Segundo comunicado da editora Cotovia, "As três peças de teatro contemporâneo que compõem este volume resultam de um projecto que junta a dramaturgia contemporânea e o teatro escolar".


Para saber mais, consultar o sítio da Cotovia.
¿GRATUITO, DISSE?

Carlos Romero escreve hoje duas páginas no Público sobre serviços gratuitos no tempo da globalização digital. Em hipótese, acho interessante a ideia, mas duvido em termos de resultados. Aliás, o jornalista reconhece, no último parágrafo da primeira coluna, que estas "liberalidades" - como ler jornais gratuitos no mundo físico ou na internet, retirar músicas e telefonar gratuitamente - não ocorrem no "mundo duro" da alimentação, vestuário ou habitação.

Um economista poderia explicar isto muito melhor do que eu. Há domínios intangíveis, como a cultura, que podem ser do domínio do gratuito. Eu frequentei uma escola primária gratuita, na adolescência lia numa biblioteca onde não era obrigado a pagar, escuto rádio sem pagar qualquer valor (excepto uma pequena parcela que está/esteve escondida nas facturas da EDP) e vejo televisão de feixe hertziano também sem pagar. Entro num supermercado para ver marcas (e bens) que lá se vendem sem ser obrigado a comprar e consumir. Claro que se tem de distinguir, no mínimo, duas coisas: 1) há serviços públicos, gratuitos, porque fazem parte da obrigação do Estado para a formação dos seus cidadãos; 2) os bens que estão nos supermercados podem não ser adquiridos imediatamente, mas a lógica publicitária de exposição leva-me a um consumo futuro.

É evidente que a gratuitidade esconde custos. O Estado fornece serviços universais aos cidadãos, mas estes pagam impostos, na proporção dos seus rendimentos. O acesso à internet é pago e não é um serviço universal. E, além disso, acontece porque há infra-estruturas para a passagem dessa informação, tais como redes de telecomunicações, algumas pagas pelo Estado (a partir de dinheiro dos contribuintes) e outras por entidades privadas (que investem à espera de retorno financeiro).

Certamente é verdade que há informação válida na internet, mas também há muito lixo. Será que, se quiser fazer uma tese sobre Kant, a internet ajuda? E o saber dos especialistas de Kant está todo na internet? E, se quero escrever sobre cinema, sobre os últimos trabalhos sobre cinema, eles estão na internet? A rede tem múltiplos elementos, muitos deles úteis, mas estes também se pagam (revistas especializadas, informação financeira, notícias do dia em jornais como o próprio Público).

Talvez valha a pena acompanhar a evolução do sítio YouTube, tornado já o maior alojador de vídeos do mundo. Aqui, onde se apela à inovação, muitos dos pequenos vídeos são experiências sem qualquer consistência, isto é, têm valor nulo. E valor nulo num espaço gratuito é pura diversão, que não faz andar o mundo. Mas o que o YouTube suporta são valores emergentes que se declararão, num futuro próximo. Começou com uma espécie de clube do sítio, convidando a mostrar produções, passará certamente a festival e rentabilizar-se-á com a publicidade a arranjar. O lado que se deve felicitar em experiências como esta é a capacidade de risco por um projecto do qual não se sabe, no verdadeiro começo, o grau de sucesso.

Aconselharia alguma prudência a quem escreve sobre serviços gratuitos de internet. A lógica de negócio é, aparentemente, diferente da lógica de outros negócios até aqui. Eu escrevo no Blogger há mais de três anos e ainda não me debitaram qualquer valor; contudo, eu contribui para a valorização desse negócio - pela fidelização e pela leitura de anúncios. Também eu fiquei deslumbrado quando a televisão pública (e, depois, a privada) me fizeram entrar em casa programas tão variados como notícias e espectáculos - teatro, cinema, novelas -, sem eu me deslocar de casa e nada pagar. O negócio da televisão privada passa pelo custo zero a troco de publicidade entre programas ou dentro deles (product placement). E o break even point (momento de começo de lucro) demora sempre anos a ser alcançado, pelo que o novo negócio só aparentemente é diferente do de outros tempos. Para mim, o gratuito tem dois fundamentos ideológicos: 1) propaganda (a televisão era para educar as massas), 2) consumo (sem gasto, mas suportado pela publicidade).

E há outra questão, passada sempre em branco quando escrevemos sobre sociologia da comunicação. Os primeiros meios já ambicionavam à interactividade. O telefone é um exemplo: falamos e ouvimos o nosso interlocutor (um para um). A plataforma tecnológica da rádio e da televisão não permite isso (é de um para todos), excepto as chamadas telefónicas para um animador do programa. Para haver interactividade, cada um de nós precisava de ter um emissor sintonizado no mesmo canal (frequência). Essa dificuldade foi superada com a ideia de rede (todos com todos), já marginalmente experimentada pelas redes de transmissão (rádio e televisão num país, Eurovisão em espectáculos, embora a filosofia fundamental fosse a progressão da transmissão ponto a ponto). O receptor passivo tornou-se activo (teoria da recepção em Hall) e, agora, o receptor é também produtor. A tecnologia associou-se à economia e relançou o papel de cada agente social, reduzindo (ou possibilitando a redução) da fronteira entre receptor e emissor. Hoje, todo o mundo pode ser produtor de conteúdos e partilhá-los (uso, oferta) ou trocá-los a um determinado valor (lucro).

A prudência estende-se a outro domínio, e que o jornalista precisa de reflectir. Se eu e mais sessenta blogueiros nos associarmos e produzirmos um jornal online - com critérios jornalísticos e usando apenas o nosso tempo livre, com o eventual apoio publicitário - não estaremos a destruir o negócio do jornal de papel e o seu posto de trabalho? Se as empresas de telecomunicações por onde passa o tráfego pedirem o pagamento de uma "portagem" aos produtores de conteúdos e aos servidores, a gratuitidade pode ficar menos gratuita e mais dispendiosa? Claro que as empresas de telecomunicações também têm interesses nos servidores, apesar dos mais inovadores estarem fora do país - o que confere a Portugal e muitos outros países o estatuto de periféricos nos novos negócios (exemplo: não há uma Amazon de língua portuguesa).

Um terceiro nível de prudência - e, quiçá, o mais moralista. A vadiagem proposta por Agostinho da Silva (exposta nas duas páginas do jornal) não se aplica ao mundo inteiro. Os que precisam de trabalhar todos os dias - exactamente para comprar a alimentação, o vestuário e a habitação, o "mundo duro" de Carlos Romero - têm é de se preocupar com a existência do emprego ou do trabalho. Se este se "deslocalizar" para leste, o interesse em serviços gratuitos pela internet reduz-se substancialmente.

Último reparo: relacionar fotocopiadoras analógicas com globalização digital pode não dar o efeito pretendido. A aparente morte do analógico e o paradisíaco digital, mais a desmaterialização, ainda irão dar muito que falar. A edição de discos pode ser um primeiro passo: e se as editoras prescindissem na distribuição, o último elo da cadeia de valor, da digitalização, regressando ao analógico, como se faria o download gratuito? Se calhar, as editoras vão reflectir sobre esse assunto e sopesar vantagens e desvantagens face ao cobrar um euro por música em download. Por mim, prefiro viajar para os sítios reais e não ver filmes desses sítios.

Se calhar, o problema aqui colocado já não merece discussão. A mim, importa-me olhar a História e estabelecer comparações. Qualquer alteração social ou tecnológica não ocorre toda num só tempo e em todo o espaço. Uma mudança significa movimentos de progressão mas também de regressão. E os media anteriores, como a rádio e a televisão, quando surgiram, trouxeram promessas que nunca se cumpriram, por dificuldades variadas. O desenvolvimento intelectual e a harmonia social e cultural foram objectivos não cumpridos. Agora surge outra promessa tentadora: a gratuitidade. ¿Será para cumprir?

MEDIA NETWORK WEBLOG COM NOVA CARA

Com frequência, cito notícias que leio no Media Network Weblog, de Andy Sennitt.

O Media Network começou em 7 de Maio de 1981, fez não há muito 25 anos. O Media Network era difundido semanalmente pela Radio Netherlands, tendo atingido mil edições. Foi dirigido por Jonathan Marks, que desempenhou vários papéis dentro da gestão da estação até ser tornar director criativo. Andy Sennitt, que era um dos colaboradores, passou a trabalhar a tempo inteiro, participando na expansão do sítio da internet da Radio Netherlands. O programa inicial de rádio acabou em Outubro de 2000, mas na Primavera de 2003, quando rebentou a guerra do Iraque, os responsáveis da Radio Netherlands sentiram a necessidade de trabalhar com o novo meio, o blogue, nascendo assim o Media Network Weblog, com o objectivo mantido até agora: dar informação geral da situação dos media em todo o mundo [na imagem, Andy Sennitt, foto que retirei do seu blogue].

Agora, no dia 13, o blogue mudou de design. Parabéns ao Andy e a todos os que proporcionam essa informação credível e diária. Tem mais imagens mas mantém o estilo sóbrio, agora ligado ao WordPress.

Numa das notícias dada anteontem, no Media Network Weblog comparam-se os números de espectadores de televisão no Mundial de Futebol, incluindo Portugal.

15.6.06

IMPRENSA DE HOJE - 1

Número de páginas dedicadas ao Mundial de Futebol:

Diário de Notícias - 11 (em caderno separado, além das 52 páginas de total de edição);
Público - 11 (total de edição: 52 páginas);
The Guardian - 11 (total da edição: 48 páginas, mas com formato maior que os dois jornais portugueses).

IMPRENSA DE HOJE - 2


Os Beach Boys comemoram 40 anos de carreira musical. A música Good vibrations e Brian Wilson como líder da banda foram quase tão famosos como os Beatles e a música destes. Tantos anos que já passaram desde então. Fonte: The Guardian, pág. 5, com fotografia da AP.

Observação, escrita na manhã do dia 16: obrigado pelo comentário, abaixo inserido, e que permite corrigir o que escrevi. Os Beach Boys têm 45 anos de carreira e o que comemoram agora são os 40 anos da saída do disco Pet Sounds.

IMPRENSA DE HOJE - 3

A ler no Público de hoje:

Pacheco Pereira - sobre os blogues, continuando na próxima quinta-feira, onde vai comparar este meio de comunicação com os diários de Valery, Camus, Morand e Cioran;

Augusto M. Seabra - sobre a crítica e jornalistas que escrevem sobre livros de colegas no mesmo jornal (Nuno Galopim, Nuno Costa Santos, Cláudia Galhós, Manuel Pedro Ferreira, Cristina Fernandes). A continuar na edição de sábado do caderno "Mil Folhas".

UM DEBATE SOBRE ARQUIVOS DE AUDIOVISUAIS

No passado dia 4, assisti, no cinema King, a um debate em torno do filme de Susana de Sousa Dias, Natureza morta (houve mais dois debates). Presentes no debate, para além da realizadora, o historiador e professor António Reis e o cineasta e professor João Mário Grilo.

O filme, que ganhou o prémio para o melhor documentário no mais recente DocLisboa, narra a ditadura portuguesa, a partir de imagens fixas (e algumas em movimento) retiradas de arquivo, além de fotografias de presos políticos retiradas dos ficheiros da polícia política. Claro que o filme tem uma marca ideológica vincada, reafirmada pelos aplausos ecoados em toda a sala, como se fosse um prémio à autora (depois li no jornal que, na sessão seguinte, um antigo dirigente partidário reclamara ainda não ter havido justiça no processo dos presos políticos).

Mas tudo isso não me convenceu a olhar para a narrativa do filme e considerá-la como possuindo a qualidade exaltada pelos convidados a falar do filme. Retiro do texto que João Mário Grilo publicou na Visão (8 de Junho): "Natureza Morta opera um verdadeiro trabalho de modelação do tempo onde se vai pressentindo a presença de algo muito dramático: a consciência de que, apesar de tudo - isto é, apesar do fim da guerra colonial, do fim da censura e da instituição da democracia -, algo daquele país de formaturas e estandartes sobreviveu ao trambolhão de Salazar, que uma certa (e terrível) poética flutua ainda sobre as nossas cabeças, resistindo à história, ao presente e à mudança".

No debate, João Mário Grilo fora mais longe ao falar de manipulação de imagens por parte da realizadora, nomeadamente o uso dos "paralíticos" (utilização que confere uma nova estética e uma conotação mais significativa às imagens). E a falta de cronologia e contextualização do filme não serve os objectivos que João Mário Grilo defende: a necessidade de se falar de um período recente mas marcante da nossa história para que as gerações mais recentes saibam como foi. O cinema pode desempenhar esse papel mas não o filme de Susana de Sousa Dias.

Sobre os arquivos

Reconheço que o meu principal objectivo - para além do filme em si - era ouvir falarem sobre arquivos de audiovisuais. E António Reis, no debate, foi eloquente: há uma grande pobreza nos arquivos da Cinemateca e da RTP sobre esse grande período, em especial imagens sobre a guerra colonial e eleições, como as de 1969. Sabe-se ter havido material censurado ou puramente ignorado. Ao invés dos jornais, que guardaram peças censuradas, na televisão houve uma rasura total desses factos. Na RTP não há imagens das campanhas eleitorais, ponto final. Para colmatar lacunas, torna-se preciso comprar arquivos estrangeiros, o que a RTP e a SIC têm feito (para séries do século XX, por exemplo).

Por outro lado, o acesso aos arquivos não é fácil. O visionamento faz-se pagar bem (tabelas exageradamente altas, que levariam João Mário Grilo a falar do custo anual da RTP aos contribuintes, como os €150 milhões do Estado, duplamente elevado atendendo ao preço excessivo pelo acesso aos arquivos do canal público; retirei o seguinte das suas palavras: "a RTP recebe dinheiro do Estado para fazer imagens e faz-se pagar caro para o acesso pessoal a essas imagens"). Contudo, destacaria o historiador António Reis, a RTP está a fazer um grande esforço em catalogação e transcrição dos materiais em filme e vídeo para formato digital, tarefa começada em 2003 e que se espera fique concluída no presente ano. A descrição detalhada das imagens é outro processo em curso. Se a RTP apostou na digitalização, o mesmo não acontece com a Cinemateca. Para Reis, esta precisaria de ser o equivalente ao instituto francês de audiovisual.

14.6.06

MANUEL ANTUNES

O padre jesuíta Manuel Antunes (1918-1985) foi director e redactor da revista Brotéria (1965-1982) e professor na Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa (1957-1983), onde leccionou especialmente História da Cultura Clássica.



Repensar Portugal, livro seu com nova edição este ano, prefaciado por José Eduardo Franco, contém textos que escreveu entre 1974 e 1979, anos de transição de regime. Manuel Antunes, ao produzir reflexões sobre a política portuguesa no contexto europeu e mundial, salientou factores microscópicos que não aparecem nos relatórios e nos inquéritos, como inveja, ressentimento e queixume, que nos afectam desde há muito tempo.

O pequeno livro (124 páginas) contém, sobretudo, textos de reflexão e prospecção (pág. 27) sobre a situação vivida no país a seguir a 1974. Para ele, tinha havido idealismo a mais e realismo a menos (pág. 28), pelo que se deveria trabalhar a hora de acção e deixar a hora lírica (pág. 39). Em Manuel Antunes, é evidente a necessidade de despertar uma pedagogia de mudança, capaz de ultrapassar as tentativas de endoutrinação do povo.

Realizar o bem comum, eis uma das grandes ideias do livro. O bem comum é igual a dignidade e solidariedade entre e para com os membros de uma comunidade (pág. 57). Daí, nas páginas seguintes, Manuel Antunes se propor a realização de uma revolução moral - para além das concretizadas revoluções política, económica, social e cultural trazidas pelo novo regime -, em que os valores são justiça, solidariedade, liberdade e honestidade (pp. 67-73). E em que advoga a defesa de valores culturais, morais e religiosos (pág. 80).

Ao longo da sua profícua actividade, Manuel Antunes produziu análises que apontavam reformas sociais, educativas, políticas e religiosas. Dedicou mesmo um número especial na Brotéria ao plano educativo da reforma de Veiga Simão, nos começos dos anos 70. Durante o Estado Novo, defrontou a censura, ao editar textos de Barata Moura, Miller Guerra, Bento Domingues e Lindley Cintra na revista por si dirigida.

O seu pensamento democrático é ilustrado quando afirma que, após o desmantelamento da tirania (em 1974), importava afastar o perigo contrário, a anarquia, evitando "pretensões delirantes, de liquidações sumárias [...], de julgamentos sem regras" (pp. 41-42). Nos anos da revolução de 1974, Manuel Antunes seria um símbolo de liberdade intelectual e defensor dessa mesma liberdade (Sophia de Mello Breyner Andresen, citada por Luís Machado de Abreu no prefácio ao livro Teoria da cultura). Isto na mesma altura em que destacava que o golpe perpetrado por militares em 1974 não foi, ao contrário do habitual, uma ocorrência de forças de direita. Ora, reflecte Manuel Antunes, a sociedade civil precisa de exercer crítica para uma boa qualidade da democracia (pág. 54), pois a crítica faz com que a cultura não se instale na uniformidade e na ausência de imaginação. Como valores matriciais da democracia, apresenta os seguintes: desburocratizar, desideologizar, desclientelizar e descentralizar (pág. 89), salientando a positividade, a criatividade e a solidariedade (pág. 96).

Teoria da cultura

Autor que escreveu demoradamente sobre crítica literária, educação, cultura, classicismo, teologia e política, o seu outro livro recentemente publicado, Teoria da cultura, é a sebenta que servia de apoio às suas aulas de História da Cultura Clássica, e que Maria Ivone de Ornellas de Andrade organizou para edição. A preocupação de Manuel Antunes "classificar e sistematizar concepções, tendências, correntes, doutrinas" torna o trabalho muito didáctico (prefácio de Luís Machado de Abreu).

Em Teoria da cultura, destaco os seguintes tópicos: 1) história entre ciência e arte, 2) cultura como cultivar os campos, as letras e a amizade, 3) civilização como domínio de geografia, tecnologia, organização social, 4) mito, simultaneamente sobrevalorizado e desprezado, de grande relevo na cultura grega, em especial no rito, na poesia e na filosofia (e na arte), 5) logos como capacidade de raciocinar, dividir e unir os dados do real, 6) mística enquanto modo de existir vinculado à religião, e 7) clássico como descrevendo dois sentidos principais, casos de mundo de cultura clássica e mundo de cultura europeia ocidental, autor excelente num género ou escola (um clássico de cinema) por oposição a romântico, ou seja, autor equilibrado em termos de faculdades sob o ceptro da Razão.

Manuel Antunes publicou, entre outras obras, Indicadores de civilização (Verbo, 1972), Grandes contemporâneos (Verbo, 1973), Occasionalia. Homens e ideias de ontem e de hoje (Multinova, 1980). Para além de Repensar Portugal (Multinova, 2006) e Teoria da cultura (Colibri, 2002), estão no prelo Estudos de cultura clássica e Ensaios filosóficos (ambos a editar pela Colibri).

13.6.06

MUSEU NACIONAL DE IMPRENSA

Segundo comunicado do Museu Nacional da Imprensa, foi lançada uma galeria virtual dedicada ao "Futebol & Humor". A "nova galeria está integrada no Museu Virtual do Cartoon e apresenta mais de uma centena de desenhos sobre o futebol em geral e tudo que o rodeia".

1 - UMA VISITA À FEIRA DO LIVRO

Ontem, ao fim da tarde, na feira do livro em Lisboa. Pouca gente a percorrê-la, certamente por ser um dia de semana, embora véspera de feriado municipal.

2 - UMA APRESENTAÇÃO DE PODCASTING

Na FNAC do Chiado, ao fim da tarde. Animadores: Edgard Costa (GavezDois), Jorge e CB (Jam Session) e Francisco Delgado (Que Coisa). No pequeno vídeo, a palavra cabe a Edgard Costa.

3 - MARCHAS POPULARES EM LISBOA

Nos vídeos, venda de manjericos e marcha de Alcântara. Ainda imagem de acessórios de uma outra marcha prontos a rumar ao armazém, após a sua utilização.




ECRÃS GIGANTES

A BBC tomara a iniciativa de colocar ecrãs gigantes em vários pontos de cidades como Londres e Liverpool, para o público assistir aos desafios de futebol no mundial a decorrer na Alemanha. Contudo, os distúrbios provocados por assistentes embriagados, durante o jogo de sábado que opôs a Inglaterra ao Paraguai, levaram ao cancelamento da iniciativa.

A polícia, nomeadamente em Liverpool, considerara problemática a colocação de tais ecrãs, desde o começo da operação da estação pública inglesa, pela dificuldade em controlar multidões. Cerca de cinquenta mil fãs terão assistido ao jogo através desses ecrãs gigantes. Mas bastaram três mil em Liverpool, usando garrafas e latas de cerveja e outras bebidas como armas, para fazer um grande distúrbio. Em Manchester, embora não alcançassem os previstos doze mil fãs, compareceram oito mil.

O objectivo mais profundo da BBC era levar as pessoas a partilhar unidade em ambiente de evento desportivo e cultural, familiar e sem álcool, o que não chegou a ter continuidade [fonte: The Guardian, de hoje, p. 3].

12.6.06

MUPIS TRANSPARENTES

Trata-se de uma campanha da Amnistia internacional, pelo que a mensagem não é agradável, mas dá conta da terrível realidade em muitos sítios do mundo. Gostaria de reproduzir um ou outro dos mupis mas não quero ter problemas de violação de direitos de autor, pelo que aconselho a seguir este endereço.

A mensagem da mensagem é que cada acto que praticamos pode ser observável, criticável e passível de culpabilização. Afinal, quer-se um mundo de atitudes transparentes.

  • Obrigado ao Luís António Santos, do blogue Atrium, pela dica.

ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO (CONTINUAÇÃO)

Apesar do comentário estar indexado à mensagem anterior, quero relevar aqui a posição de João Paulo Meneses:

  • Deixe-me só dar este contributo: relativamenta a essa cadeira, o entusiasmo dos alunos foi notável, o que se reflectiu em trabalhos - on line, no blogue «obrigatório» de cada um - de grande qualidade. A experiência deixou-me entusiasmado, porque mostra que é possível envolver os alunos muito para além dos serviços mínimos. Eles estão disponíveis, depende de nós.

ESTRATÉGIAS DE COMUNICAÇÃO

O blogue Estratégias de Comunicação tem uma marca: João Paulo Meneses. Ele é - para além de jornalista, autor de livros e estudante de doutoramento - professor numa escola superior em Vila Nova de Gaia, e usa o blogue como local onde coloca a informação para os seus alunos, bem como sumários e outras informações, um exemplo a seguir. Apesar de ter começado a 7 de Outubro do ano passado, só agora o descobri, através do blogue de uma sua aluna, Carla Ferreira.

OS CAFÉS DA NOSSA VIDA

Hoje, vou falar de cafés, dos espaços públicos chamados cafés. Estes remontam ao começo do século XVIII, espalhando-se rapidamente por toda a Europa. Cereal introduzido por comerciantes vindos do médio oriente, era também por aqueles preparado. Se o café se misturou com a venda de outros produtos, nunca se aliou ao comércio do vinho, reservado para a taberna. O café é de outra estirpe social, embora haja quem o acompanhe com um “cheirinho” de bagaço, aguardente ou uísque [imagem ao lado: edifício do café e pastelaria Versailles, na Av. da República, em Lisboa, à noite, foto de qualidade reduzida].

A relevância social e histórica do café é a do espaço público. As pessoas encontravam-se e, enquanto tomavam a bebida, conversavam e discutiam sobre temas variados, dos mais comezinhos à política, à arte e à cultura. Formavam-se tertúlias onde os mais novos aprendiam escutando os mais especialistas, em conversas cujo fio de meada se perdia ao longo da discussão. Hoje ainda o fazemos, mas houve um período mítico onde essa explicação parece funcionar melhor. Existiu mesmo um filósofo alemão, chamado Habermas, que escreveu um livro extraordinário sobre espaços públicos, com o café a ser local de formação da opinião pública e política.

Esse tempo mítico é o da leitura de jornais e da troca de ideias que se seguia à leitura. Há cidades que recordam alguns desses cafés. Por exemplo, em Lisboa, fala-se do Gelo, já desaparecido, espaço de convívio de poetas e escritores, do Vavá, transformado em restaurante, local de discussão de cineastas e artistas ligados às artes plásticas, do Nicola, a evocar o poeta Bocage, da Brasileira, uma verdadeira pinacoteca do modernismo português, da Versailles, onde também se toma chá, da Mexicana, com um passarinheiro que quiseram destruir recentemente. Pontos de encontro, pontos de referência. E recordo os do Porto, cidade que também conheço bem: o Guarany, hoje renovado, o Imperial, tornado restaurante de fast-food mas que mantém os vitrais representando cenas da produção do café, o “Piolho”, onde se cruzavam os intelectuais transviados da universidade vizinha, o Majestic, do tempo da belle époque, contemporâneo do nascimento do animatógrafo e das rádios amadoras.

Cada um de nós recorda o café enquanto espaço social: uma leitura, uma conversa, um sorriso, um simples ver o movimento ou namorar. Reconstruo a minha biografia evocando os cafés das cidades onde vivi, trabalhei ou simplesmente conheci de trânsito para outros sítios, que incluem Aveiro (onde coabitava com uma soberba pastelaria), Caldas da Rainha (onde cheguei a jogar xadrez), Guimarães (onde todas as mesas estão ocupadas com pessoas lendo jornais), Beja (perto do teatro Pax Júlia e que ainda tem quase intacto o mobiliário de há trinta anos), Guarda (em dia muito frio). Alguns deles têm espaços arquitectónicos interiores de grande identidade ou com um atendimento muito personalizado. E, depois, há designações diferentes para a bebida ao longo do país. Enquanto em Lisboa e sul, ela se chama bica, nos cafés do Porto e Braga diz-se habitualmente cimbalino, abrindo muito a letra a, em lembrança de uma marca de máquinas de café. Ou, no Alentejo e também em Lisboa, se chama italiana ao café expresso curto. O expresso ou café de máquina opõe-se ao mais antigo café de saco, bebida a que acrescentavam, dizia-se, um rabo-de-bacalhau para dar um sabor diferente, o que nunca comprovei.

Das cidades que conheço fora do país, recordo os de Bruges (Bélgica), Saragoça (Espanha) e Praga (República Checa). Em Bruges, a arquitectura arte nova torna os espaços em sítios de acolhimento e prazer. Em Praga, existe à venda um livro sobre cafés e as personalidades políticas, das artes e da cultura que neles passaram. Ou seja: os cafés são espaços fundamentais na vida das cidades. E os sabores também variam conforme os locais: é diferente um café turco, tomado, sei lá, na Bósnia Herzgovina, de uma enorme caneca de café de saco em Boston, nos Estados Unidos

Além de tudo, os cafés foram espaços pioneiros das indústrias culturais. A primeira audição de rádio ocorreu num café do bairro onde moramos, no tempo em que o aparelho era muito caro. E com a televisão aconteceu o mesmo. Lembro-me até de um café que tinha duas televisões nas costas uma da outra. Ainda era o tempo de um só canal, o da RTP. Mas isso satisfazia os clientes de um lado e do outro do café. E, para quem não gostasse de ver televisão, subia-se ao andar de cima e jogavam-se bilhar, damas, xadrez e dominó. Depois, o televisor veio para a sala de estar e, agora, está presente em todas as dependências da casa.

À hora a que esta crónica for para o ar, os cafés estarão a viver uma nova efervescência, com a instalação de plasmas e telões, os ecrãs pós-modernos para ver o mundial de futebol. As lojas anunciam a aquisição desses ecrãs largos e de cores vivas a preços convidativos. Até se pode comprar a prestações!

[texto da crónica que passará hoje por volta das 10:00, na Antena Miróbriga Rádio ou 102,7 MHz (região de Santiago de Cacém)]

11.6.06

ENTREVISTA DE TENGARRINHA AO DIÁRIO DE NOTÍCIAS

Na edição de hoje do Diário de Notícias, Marina Almeida entrevista José Tengarrinha, a propósito da saída de livro recente do historiador, como aqui já fiz referência. Para além de Imprensa e opinião pública em Portugal, o autor anuncia para dentro de dois anos o livro Nova história da imprensa periódica portuguesa, uma actualização da sua clássica e esgotada História da imprensa periódica portuguesa.



Tengarrinha, na entrevista agora concedida, afirma que

  • Os media e a consequente formação de um espaço público crítico foram uma base de sustentação indispensável à formação e ao desenvolvimento da sociedade democrática. Ao longo da nossa história, a formação do espaço democrático e da sociedade democrática é indissociável da formação desse espaço público crítico, onde os cidadãos podem debater ideias, confrontar posições, onde podem influenciar o poder.

QUE DIFERENÇAS PRODUZ UMA FRONTEIRA?






  • A feira [do livro] do Porto fecha hoje e a de Lisboa depois de amanhã. A de Lisboa tem estado vazia - teme-se os piores balanços em anos. E foi de facto constrangedor ver na terça feira, às oito da noite, o Parque Eduardo VII quase vazio e o Nobel José Saramago sem ninguém a quem dar autógrafos. (Bárbara Reis, Público de hoje)

    A Feira do Livro de Madrid fecha hoje e, em mais um ano, os leitores e os autores cumpriram. Longas filas para obter um autógrafo, uma dedicatória, ou simplesmente pelo prazer de olhar os escritores, ainda que rapidamente, o que anima o ambiente. Mario Vargas Llosa, José Saramago [...]. (Winston Manrique, El Pais de hoje)

Que diferenças há entre Lisboa e Madrid, Portugal e Espanha?

A REVISTA DE IMPRENSA DOS BLOGUES

Em Um blog sobre blogs há "um clipping do que se for publicando na blogosfera acerca... de blogs". A acompanhar.

RE:INVENTA06



  • Dia 14 de Junho pelas 19 horas a T3 Produções celebra a criação artística. No Espaço – Centro de Artes de Lisboa, a arte cria uma envolvência rica em inspiração com a mostra de obras originais inspiradas no conto "O Cadáver de James Joyce" – conto de José Luís Peixoto. Um evento pautado pela multi-disciplinariedade onde as mais diversas formas de arte RE-INVENTAM uma obra literária. A dança, moda, teatro, joalharia, fotografia, vídeo e música serão a expressão desta arte gerada por jovens criadores. [do comunicado dos organizadores]

Para mais informações: re:inventa06.