Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência mantida desde 2003.

28.2.11

REVISTA DRAMA

O n.º 3 da Revista DRAMA encontra-se já online. O tema deste número é a curta-metragem e conta com entrevistas ao especialista americano Richard Raskin, ao teórico britânico Paul Wells e a um dos directores do Curtas de Vila do Conde, Miguel Dias. Na secção temática, há textos de João Nunes, Gonçalo Galvão Teles e Carlos Conceição e artigos sobre as curtas-metragens de Davis Lynch e Pedro Costa (entre outros). No número, destaque ao italiano Tonino Guerra, argumentista assíduo colaborador de Fellini, Antonioni e Tarkovsky, através de uma biografia do autor e da transcrição de uma das suas últimas masterclasses. A revista apresenta ainda as rubricas de Crítica, Livros e Festivais, e a secção Actual, com entrevistas ao realizador de filme brasileiro muito premiado nos últimos anos, Marcos Jorge (realizador de Estômago), e Tiago Rodrigues, dramaturgo, encenador e argumentista da série da RTP Noite Sangrenta.

CONFERÊNCIA SOBRE STUART CARVALHAES NA HEMEROTECA MUNICIPAL NO PRÓXIMO DIA 2

GESTÃO DAS INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS

Chris Bilton (2011: 31) considera que, na década de 1990, a palavra de ordem foi "o conteúdo é rei". Mas, com a queda das empresas dot-com, por razões financeiras, e o crescimento avassalador dos conteúdos, houve uma desvalorização destes. A atenção dada hoje não é o que é o conteúdo mas o como se lança, a sua marca e as relações com os clientes. Por outras palavras: a gestão. Acostumados a receber conteúdos gratuitos, os consumidores foram persuadidos a pagar por um serviço de qualidade. E destaca o modelo de negócio que os Radioheads desenvolveram.

É aqui que entra Dave Itzkoff, quando publicou, no New York Times de 14 de Fevereiro último, que a banda britânica optou, logo após os Grammys (e, no Reino Unido, os prémios da British Academy of Film and Television Arts), por anunciar que o álbum The King of Limbs seria lançado em formato digital antes do lançamento físico em Maio. Contudo, ao contrário do álbum anterior, In Rainbows, em que os Radiohead permitiram aos seus fãs comprarem o disco pelo preço que entendessem, The King of Limbs não será vendido a preço flexível. No sítio The King of Limbs , a banda informa que a versão digital custa 7 euros (formato MP3) ou 11 euros (formato WAV).

O modelo parece solidificar-se. O novo disco da banda portuguesa The Gift, chamado Explode, começou a ser revelado hoje na internet, com o primeiro single RGB a poder ser ouvido (Diário de Leiria). Por seu lado, a cantora norte-americana Lady Gaga (Stefani Joanne Angelina Germanotta) lançou também hoje no seu sítio oficial o videoclip do single de avanço do álbum Born This Way, a conhecer na sua totalidade em Maio (Público).

Leitura: Chris Bilton (2011). "The management of the creative industries. From content to context". In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles, Londres, Nova Deli, Singapura, Washington: Sage

27.2.11

DANÇA DE MARTA CARRASCO EM COIMBRA

A coreógrafa catalã Marta Carrasco apresenta na terça-feira, 1 de Março, em Coimbra, no Teatro Académico de Gil Vicente, o espectáculo Blanc d'Ombra. Recordant Camille Claudel. A iniciativa assinala a abertura do programa A criação artística n[est]a cidade, concebido pela A Escola da Noite para a XIII Semana Cultural da Universidade de Coimbra.

Blanc d'Ombra representa um momento marcante da carreira a solo de Marta Carrasco, nome fundamental da dança contemporânea espanhola, com mais de 20 prémios recebidos ao longo dos últimos 15 anos. Blanc d'Ombra inspira-se na vida da escultora francesa Camille Claudel (1864-1943), cujos últimos anos foram passados na solidão de um sanatório (fotografia: David Ruano).

CICLOS DE MEDIA

2011, a meu ver, marca o começo de um novo ciclo dos media em Portugal. Argumentos: 1) os jornais lançam edições para ser lidas no ipad e noutras plataformas pagas, de que o Expresso é o exemplo mais recente, depois de 15 anos de ciberjornalismo, 2) mudanças de pessoas e estratégias nos canais tradicionais de televisão, como as transferências da RTP para a TVI e da TVI para a SIC, além da reentrada de Paes do Amaral na TVI como accionista, que traçarão certamente modelos novos ou reajustados nas grelhas de programação e informação, 3) as audiências de cabo e outros chega a 26%, o que em 2010 não atingia 20%, muito por força da alteração de medição pela Marktest, e que parece reflectir melhor o que se passa realmente com o cabo no seu conjunto a poder ultrapassar a audiência do canal generalista TVI, líder desde há anos, 4) por via disso, maior segmentação e pulverização nos investimentos publicitários por meio, 5) notícias do arranque da televisão digital, ou pelo menos do seu não atraso de arranque ou switch-off, 6) eleição ou espera de eleição do novo conselho regulador da ERC, 7) anulação do concurso da CAEM para novo operador de audiências, mas a breve necessidade de abrir um novo, dada a premência da televisão digital. São alterações tecnológicas, comerciais, de programação e de reguladores e empresas de medição, com necessidade de uma gestão estratégica dos media de maior acompanhamento e incerteza de resultados. A palavra convergência ganha novos e mais fortes contornos.

26.2.11

CONFERÊNCIA SOBRE BANDA DESENHADA

O Instituto B. Franklin ­de Estudos Norteamericanos da Universidad de Alcalá (Alcalá de Henares, Madrid) organiza uma conferência internacional sobre banda desenhada (International Conference on Comics and Graphics Novels) com o título Sites of Visual and Textual Innovation, de 10 a 12 de Novembro de 2011. O objectivo é levar à conferência o maior número de especialistas em banda desenhada e manga para uma reflexão dessas matérias. Ler mais aqui.

O DISCURSO DO REI

O Discurso do Rei, filme inglês dirigido por Tom Hooper (2010), com Colin Firth, Geoffrey Rush e Helena Bonham Carter, conta a história do rei inglês George VI que, para superar a sua gaguez, contratou Lionel Logue, reputado mas excêntrico fonoaudiólogo. Este ajuda o rei a fazer um discurso no rádio no começo da II Guerra Mundial. O filme insere citações retiradas do diário de Logue, descoberto pouco tempo antes do arranque das filmagens.

Na semana de 17 a 23 de Fevereiro, O Discurso do Rei foi o filme mais visto nos cinemas portugueses, com 56311 espectadores. Tem uma fotografia belíssima e é apontado como um dos prováveis vencedores dos próximos óscares (realização, actores secundários).

A mim, importa-me outro tópico: o uso da rádio como meio de transmissão das mensagens dos poderosos, no caso o rei inglês. O filme mostra situações distintas onde se vê o peso da rádio no período retratado no filme (década de 1930). Do ponto de vista tecnológico, salientam-se o microfone, o elemento mais visível e emblemático da rádio, os cabos de transmissão, os aparelhos de amplificação, sintonia e emissão. Quanto aos aspectos sociais, o filme destaca a recepção da rádio nos lares, nos espaços públicos, nos centros de decisão política, na frente de combate.

24.2.11

REVISTA JORNALISMO & JORNALISTAS

O número mais recente da revista Jornalismo e Jornalistas tem como temas principais duas conferências internacionais (jornalismo e democracia, ciberjornalismo), modelo de webtv em Portugal, análise do sítio Wikileaks e uma longa entrevista a Carla Baptista e Fernando Correia.

Retiro um pedacinho da entrevista feita por Helena de Sousa Freitas a estes dois investigadores, com uma resposta de Carla Baptista sobre sensacionalismo: "A imprensa moderna não inventou o sensacionalismo. Os jornais contavam as histórias de incêndios ou de homicídios seguidos de suicídios com um sentido de romanesco e para grande deleite dos jornalistas e do público. Num jornal como o Diário Popular, era muito visível a preocupação em estar próximo dos leitores. Os informadores estavam nos hospitais, nos tribunais... E o telefone era a ligação ao mundo, pelo que havia sempre alguém de plantão ao pé do telefone à espera de notícias".

DA RTP PARA A TVI

José Alberto Carvalho e Judite de Sousa, até agora director e subdirectora da informação da RTP, vão-se mudar para a TVI, onde exercerão funções semelhantes. As mudanças de um canal para outro representam transferências de peso, marcando o ano televisivo, pelo menos a nível simbólico.

23.2.11

MAIS NOTÍCIAS DA TVI

1) Miguel Pais do Amaral comprou hoje 10% da participação da Prisa na Media Capital (34,9 milhões de euros),

2) José Alberto Carvalho, director de informação da RTP, foi convidado para igual cargo na TVI, em substituição de Júlio Magalhães.

CONFERENCE: 20 YEARS OF PRIVATE TELEVISION IN EUROPE

The Institute for European Studies (IES) and the Center for Studies on Media Information and Telecommunication (IBBT-SMIT) of the Vrije Universiteit Brussel organize a two-day conference on the genesis, evolution and future of private television in Europe. The two-day conference takes place on 28 and 29 April 2011. Location: Brussels. Venue: Crowne Plaza Brussels – La Palace, Rue Gineste 3.

JORNALISMO E MERCADO DE TRABALHO

O mercado de trabalho do jornalismo foi estável ao longo de décadas, mas mudou radicalmente (Singer, 2011: 103). Um terço dos jornalistas são freelancers, fazem parte de uma pool de talentos subutilizados (Hesmondhalgh, 2007). A combinação entre precariedade de trabalho, regime crescente de trabalho freelancer, difícil contexto económico dos media financiados pela publicidade e mudança do poder dos jornalistas para as audiências e os empregadores colocam um conjunto de mudanças e desafios particulares nas empresas de media (Deuze e Fortunati, 2011: 113). Inquéritos identificados por estes dois autores indicam que os jornalistas entendem a difícil e complexa situação da gestão dos media na actualidade mas ainda se interrogam sobre os factores que motivam a mudança. Por outro lado, é realçada a necessidade em investir na comunicação, formação, incentivos e recompensas. As mudanças ocorrem em simultâneo com emagrecimentos (downsizings) e layoffs, associados a equipas mais pequenas, orçamentos mais baixos e menores recursos. A negociação do contrato individual resulta em deterioração das condições de trabalho dos jornalistas: salários mais baixos, menos segurança laboral e relações de trabalho mais eventuais (número variável de horas de trabalho, rotação de emprego, flexibilização de horários). Olhando para a organização contemporânea de trabalho em situação transnacional, conclui-se pela criação de uma força de trabalho mais flexível, multitarefas e com muita mobilidade. Isto tem consequências na qualidade das notícias produzidas.

Leituras: Deuze, Mark, e Leopoldina Fortunati (2011). "Atypical newswork, atypical media management". In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles, Londres, Nova Deli, Singapura e Washington: Sage
Singer, Janet (2011). "Journalism in a network". In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles, Londres, Nova Deli, Singapura e Washington: Sage
Hesmondhalgh, David (2007). Cultural industries. Londres: Sage

DIRECÇÃO DE INFORMAÇÃO DA TVI EM ALTERAÇÃO

Júlio Magalhães, actual director de informação da TVI, vai deixar o cargo, segundo o próprio anunciou na recente festa de aniversário do canal de televisão. Ele tomou posse como director em Novembro de 2009, quando saiu José Eduardo Moniz como director-geral.

22.2.11

PORTO


Cimbalino é a maneira popular usada no Porto para pedir um café, como bica em Lisboa. Vem do nome da popular marca Cimbali, fabricante de máquinas de cafés expressos. Pronuncia-se a palavra cimbalino com a letra a muito aberta.

VENDA AMBULANTE


A ajeitar os legumes e frutos para vender.

21.2.11

FILMES DE 37 PAÍSES A CONCURSO NO FESTIVAL DE CURTAS DO PORTO

A menos de um mês do encerramento das inscrições, o Porto7 – Festival Internacional de Curtas-Metragens do Porto conta com a participação de 37 países com filmes inscritos para competição. O início do Porto 7 está marcado para 8 de Junho, no Pequeno Auditório do Rivoli Teatro Municipal, no Porto. O Porto7 recebe curtas-metragens para as competições: ficção internacional, ficção nacional, animação e videoclip. Sítio oficial: Porto7.

AUDIÊNCIAS DE TELEVISÃO 13 A 19 DEFEVEREIRO

20.2.11

REVISTA DE RÁDIO


Com apresentação de Debora Cristina Lopez, tem textos de Luiz Artur Ferraretto (Pesquisa a respeito do rádio e de outros meios sonoros no século 21: das transformações na natureza do meio e de seus congêneres aos seus usos no contexto da convergência digital), Nilda Jacks, Anna Paula Knewitz e Laís Pereira Ribeiro (Os rumos dos estudos de recepção radiofônica: década de 2000), Andréa Franciele Weber e Priscila Devéns (O rádio no meio rural: consumo de programas radiofônicos rurais por agricultores do Rio Grande do Sul), Joel Felipe Guindani e Valdir Jose Morigi (A cidadania comunicativa na prática radiofônica do Movimento Sem Terra), Rafael da Silva Paes Henriques (Poder e resistência: o estado e as rádios pirata), Fredrik Stiernstedt (Announcing in multiplatform broadcasting: self-referentiality, buzz and eventfulness in a commercial music format), Etienne L. Damome (Women’s radios in Africa: towards a new configuration of the public sphere. The example of Radio Munyu in Banfore (Burkina-Faso)), Luís Bonixe (Legalização, concentração e multimédia: os desafios das rádios locais portuguesas). Os textos podem ser acedidos através do sítio http://radioleituras.wordpress.com/.

17.2.11

AUDIÊNCIAS DA PORTO CANAL

O canal de televisão regional por cabo Porto Canal refutou os argumentos da Marktest Audimetria sobre a diferença de valores de audiência entre diferentes estudos, reafirmando que o sistema de medição utilizado pela Marktest não é fiável. O canal reiteraria a "confiança na veracidade dos dados avançados pelo Instituto de Pesquisa de Opinião de Mercado (IPOM), que concluiu que 5,7% dos telespectadores dos cinco distritos do Norte vêem diariamente a estação". O Porto Canal anunciou em Outubro o abandono do sistema de medição de audiências da Marktest Audimetria, criticando a sua fiabilidade. A Marktest Audimetria indicou que o share do Porto Canal baixou de 0,9% em Setembro de 2010 para 0,4% em Janeiro e argumentou que foram usados termos de comparação que não o podem ser (a partir de notícia da Briefing).

NOVO CONSELHO REGULADOR DA ERC

Segundo o Correio da Manhã, a apresentação de candidaturas para o Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social (ERC) termina a 25 de Fevereiro e as eleições estão marcadas para 11 de Março. O actual Conselho Regulador, que terminou hoje o mandato, é composto por cinco membros, com quatro elementos indicados pelos dois maiores partidos da Assembleia da República.

EDIFÍCIO DA VODAFONE PREMIADO

O sítio Archdaily publicou ontem a lista dos vencedores dos vencedores de edifícios 2010. Dos 14, constavam três no Grande Porto: edifício Vodafone, na avenida da Boavista, bar da faculdade de Arquitectura e Closet House, em Matosinhos (notícia do Jornal de Notícias).

16.2.11

A MINHA ELECTRA - DANÇA COMPANHIA OLGA RORIZ


"As cenas são descoladas e aparentemente sem relação ou objectivo comum, no entanto, vão desvendando uma espécie de personagem misteriosa. É como se houvesse uma inquietação latente naquela mulher, onde cada momento e cada lugar por onde passa tanto são acrescentados como anulados pelos que se seguem. Cada cena, cada passagem tem uma força estranha, uma vivência e uma certeza que se instala desde o primeiro gesto" (de texto de Olga Roriz).

Co-produção: Companhia Olga Roriz e Teatro Nacional S. João (OPART). Coreografia e Interpretação Olga Roriz. Sala Principal da Companhia de Teatro de Almada, 19 de Fevereiro, 21:30. Dramaturgia, selecção musical e figurino: Olga Roriz e Paulo Reis. Músicas: Gavin Bryars, Eleni Karaindrou, Erik Honore/Jan Bang, Carlos Zíngaro, Benco & Hladnik, Richard Strauss.

ÓPERA - CICLO O SÃO CARLOS NO SÉCULO XIX


No Teatro Nacional de São Carlos, a 20 de Fevereiro, A ópera entre 1793 e 1828, com João Paulo Santos ao piano, Ana Paula Russo e Carla Simões como sopranos e Suzana Teixeira como meio-soprano, e a 27 de Fevereiro, Depois da Guerra Civil – O reportório italiano, com João Paulo Santos ao piano, Sónia Alcobaça como soprano, Maria Luísa de Freitas como meio-soprano e Luís Rodrigues como barítono.

15.2.11

AUDIÊNCIAS

Ontem, a Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM) juntou canais de televisão, anunciantes e agências de meios. Aí deveria ser anunciado o nome do vencedor do concurso para medir as audiências televisivas nos próximos cinco anos. Das candidatas (TNS, Nielsen, Euroexpansão, GfK e Marktest), as duas últimas pareciam as que reuniam mais consensos mas não o suficiente para atribuir unanimidade. Segundo os jornais, a decisão de eleger a próxima entidade responsável pela medição de audiências em tempo de televisão digital Portugal fica adiada e sem uma data limite para uma posição. Assim, mantém-se a Marktest como empresa que fornece informação sobre as audiências televisivas.

10.2.11

MODELOS DE CONTEÚDO DOS MEDIA

Lucy Küng analisa três modelos de conteúdo dos media: massa, nicho e participativo. O primeiro resultou da explosão dos meios electrónicos da rádio e da televisão (ela não refere, mas poderíamos acrescentar o cinema enquanto indústria cultural de massa). O segundo tem a sua evolução a partir de finais da década de 1970 e começo da seguinte, com a oferta por satélite e por cabo. Notícias muito recentes indicam o crescimento: em Portugal, no último fim-de-semana, o cabo atingiu 26% de share. De ontem, vem a informação que o canal de televisão regional por cabo Porto Canal tem 5,7% de telespectadores do norte do país que o vêem diariamente (estudo do Instituto de Pesquisa de Opinião de Mercado IPOM). O terceiro modelo em Küng diz respeito à última década com a proliferação de plataformas (Facebook, YouTube, Blogger, entre outras) e em que as gerações mais jovens são produtoras de conteúdo. A concorrência dos três modelos tem impacto nos investimentos publicitários, que se pulverizam.

Leitura: Lucy Küng (2011). Managing strategy and maximizing innovation in media organizations". In Mark Deuze (ed.) Managing media work. Los Angeles: Sage

9.2.11

INDÚSTRIAS CULTURAIS E CRIATIVAS NO PORTO

A Fundação de Serralves promove o Ciclo de Conferências O Imaterial: Os Novos Paradigmas da Contemporaneidade, iniciativa que integra dez conferências focadas no pensamento comtemporâneo e que cruza novas abordagens a economia e a cultura. O ciclo é comissariado por Artur Castro Neves. A próxima conferência, a 17 de Março, das 21:30 às 23:00, no auditório da Fundação de Serralves (Rua Dom João de Castro, 210, Porto), tem como tema central "As Indústrias Culturais e Criativas Portuguesas". São convidados da sessão Augusto Mateus, enquanto orador, e Alberto Castro, que fará a moderação do debate da sessão (fonte: Norte em Rede).

8.2.11

AUDIÊNCIAS DE TELEVISÃO EM JANEIRO DE 2011

Em Janeiro de 2011, a TVI obteve 28% de share de audiência, a SIC 24,1%, a RTP1 23,4%, a RTP2 4,5% e o cabo e outros canais 20% (fonte: Marktest).

INDÚSTRIAS CRIATIVAS NA AUSTRÁLIA

Arts and creative industries. A historical overview; and an Australian conversation é um estudo feito pelo professor Justin O’Connor para o Australia Council como parte de uma relação de longo prazo estabelecida entre o conselho e o ARC Centre of Excellence on Creative Industries and Innovation da Universidade de Tecnologia de Queensland (QUT). O relatório começou em Junho de 2009 com entrevistas a artistas e agentes australianos ligados às práticas das artes e às políticas mundiais. Aos participantes perguntou-se quais as semelhanças, diferenças e relações entre artes e indústrias criativas.

LEI HÚNGARA PARA OS MEDIA

O governo húngaro comprometeu-se a apresentar emendas à sua controversa lei sobre os media, que provocara uma condenação generalizada em toda a União Europeia, em especial porque a Hungria está à frente da presidência rotativa da UE. Após uma reunião entre a UE e peritos húngaros, ontem, o governo húngaro anunciou o envio de um primeiro projecto de alterações à Comissão Europeia para análise até 10 de Fevereiro. Zoltan Kovacs, ministro da comunicação da Hungria, disse que as negociações se concentraram em três pontos da lei, relacionados com a isenção da comunicação, país de origem e registo dos media, três áreas de objecção.

5.2.11

TECNOLOGIAS

Recupero um texto do Expresso de há uma semana, assinado por Hugo de Melo e Gomes. Destaca ele dez factos ou acontecimentos que marcaram 2010, de onde eu retiro quatro:
1) Facebook - o salto da sociedade do conhecimento para a sociedade do relacionamento,
2) Futuro das redes sociais - tecnologia móvel, a possibilidade de estar sempre ligado,
3) Apps - as aplicações, como a meteorologia, a lista de compras, os jornais, as marcas,
4) Tablets - moda ou ligação que vai fazer esquecer o telemóvel e o computador?

ELLE E OUTRAS REVISTAS MUDAM DE MÃOS

O grupo francês Lagardère, até agora o maior editor de revistas no mundo, cede 102 títulos publicados em 15 países (com excepção da França) ao grupo americano Hearst por 651 milhões de euros. A Elle, que conta 42 edições em todo o mundo, é uma das publicações em questão (fonte: J.-M. Nobre Correia, texto publicado hoje no Diário de Notícias).

ENCERRAMENTO DA MAIOR DISTRIBUIDORA DE LIVROS DO CANADÁ

No dia em que o Canadá indicava que as taxas de falência tinham reduzido bastante, Harold Fenn anunciou o fracasso do outrora próspero negócio de família, a H.B. Fenn, a maior distribuidora independente de livros daquele país localizada em Bolton, no Estado de Ontário. 125 empregados ficam no desemprego. Esta decisão segue-se ao encerramento em Janeiro da editora do grupo, a Key Porter, e da bancarrota da distribuidora DB Media em Dezembro. Um especialista do sector disse que se vive actualmente com a mais pequena das margens de lucro de sempre, o que leva as empresas à sua destruição ao mais frágil problema que surja (The Globe and Mail).

TELEVISÃO

João Cotrim Figueiredo, director-geral da TVI desde Abril de 2010 e director de programas do mesmo canal desde Novembro, deu uma entrevista a Nuno Azinheira, da revista Notícias TV (ontem). Economista licenciado em Londres, com uma vida profissional ligada à banca e à indústria agro-alimentar, aceitou o desafio de liderar o canal que teve a marca, nos últimos dez anos, de José Eduardo Moniz. Sobre este, o responsável da TVI é cauteloso, falando do seu elevado perfil, mas sobre a mulher dele, Manuela Moura Guedes, percebe-se o agrado pela resolução que passou por uma negociação com rescisão. As críticas da jornalista ao actual modelo de informação do canal não agradam a João Cotrim Figueiredo. A informação foi um dos temas mais debatidos na entrevista, com o director-geral da TVI a admitir que a qualidade da informação da RTP é melhor. Considera, porém, que o seu canal pode competir directamente com a RTP, agora que não tem a carga pesada da tabloidização que foi a marca do canal durante os últimos anos. Sobre a programação de entretenimento e ficção, tem uma posição dura face à SIC, dado que a concorrência entre os dois canais é muito forte. O director-geral da TVI entende que a SIC está a copiar o modelo dos êxitos da TVI - a que não seriam estranhas as transferências de Gabriela Sobral e Júlia Pinheiro deste para aquele canal e as saídas da TVI de actores como Rogério Samora, Helena Laureano, Manuel Cavaco e André Nunes. A comparação em termos de audiências das novelas Laços de Sangue (SIC) com Sedução (TVI) foi também estabelecida. "A novela não conseguiu captar para a TVI o número de espectadores habitual das novelas do mesmo horário", disse João Cotrim Figueiredo, embora preze o autor da novela (Rui Vilhena) e não queira que saia do canal. Considera que as audiências da TVI mudaram: as mulheres donas de casa activa, o perfil sociodemográfico tipo da TVI, têm hoje mais literacia tecnológica, de informação e de preocupações sobre o país e o mundo. Ao voltar a ser accionista do canal, com possibilidades de aumentar o capital social nos próximos meses, Paes do Amaral foi também tema da entrevista. Os poucos comentários do director-geral seriam no sentido de, na sua função, não poder comentar posições dos accionistas, além de conhecer Paes do Amaral socialmente e mal.

4.2.11

COLECÇÃO DE ARTE MANUEL DE BRITO

"A hipótese de a prestigiada colecção de arte de Manuel de Brito sair de Oeiras, mais concretamente no Palácio Anjos (Algés), onde se encontra desde Novembro de 2006, tem sido ponderada pela viúva do notável galerista. Foi a própria quem o confirmou ao JR, embora salientando não ser esse o seu desejo. “Investi de alma e coração neste projecto e dá gosto ver os milhares de pessoas que já por ali passaram, incluindo tantas crianças que beneficiaram do nosso fabuloso Serviço Educativo, pelo que faz muita pena se tiver de quebrar esse movimento...”, lamentou Arlete de Brito, deixando claro, porém, que “para ficar tenho de ter condições”. Por causa das preocupações quanto ao presente e ao futuro do CAMB e ao cumprimento do acordo firmado com a autarquia, viúva e herdeiros de Manuel de Brito redigiram uma carta com o historial do processo e enviaram-na, no passado dia 24 de Janeiro, ao presidente da Câmara de Oeiras, Isaltino Morais" (Jornal da Região / Oeiras, nº 252 – 1 a 7 de Fevereiro de 2011, http://www.jornaldaregiao.pt/Oeiras.pdf).

CFP FEMINIST MEDIA STUDIES

We invite contributions for the "Commentary and Criticism" section of Feminist Media Studies. Potential contributors can write to co-editors, Kaitlynn Mendes (kmendes@dmu.ac.uk) and Kumarini Silva (k.silva@neu.edu) to express preliminary interest. Final essays are due by 4th July 2011.

PRÉMIO EDP NOVOS ARTISTAS 2011

Estão abertas, de 7 a 25 de Fevereiro, as candidaturas ao Prémio EDP Novos Artistas 2011, que apoia a criação e a promoção de valores da arte contemporânea, em especial artistas em início de carreira. Cada candidato seleccionado recebe uma verba de 2500 euros para a produção do trabalho artístico a apresentar na exposição colectiva de artistas nomeados. O vencedor final recebe 10500 euros. Criado em 2000 pela Fundação EDP,  o prémio distinguiu talentos como Joana Vasconcelos (2000), Leonor Antunes (2001), Vasco Araújo (2002), Carlos Bunga (2003), Pedro Paiva e João Maria Gusmão (2004), João Leonardo (2005), André Romão (2007) e Gabriel Abrantes (2009). Mais informações sobre o prémio em www.fundacao.edp.pt e em www.facebook.com/EDPNovosArtistas.

SOBRE O POWERPOINT

"Qui est aujourd'hui l'ennemi numéro un de l'armée américaine ? Les Talibans ? Al-Qaida ? L'Iran ? Non, l'ennemi, c'est PowerPoint, comme l'a affirmé, en avril 2010, le général des Marines James N. Mattis, selon lequel «PowerPoint nous rend stupides»" (La pensée PowerPoint. Enquête sur ce logiciel qui rend stupide).

INDICADORES DE CINEMA SEGUNDO O OBERCOM

"Os indicadores de 2010 confirma as tendências já antes evidenciadas na edição de 2008, a saber, a televisão continua a ser a plataforma mais utilizada para consumo de filmes, seguida pelo DVD e pelas salas de cinema. Mantêm-se assimetrias no consumo de cinema que se evidenciam no cruzamento com a escolaridade, a idade e a região, e também com o género. Os filmes de produção nacional apresentam maior taxa de consumo na televisão e, nessa plataforma, pelas faixas de público com menor grau de escolaridade - dado que parece sugerir a importância de factores facilitadores combinados (tecnológicos e linguísticos) no acesso deste segmento da população aos filmes. Os resultados do inquérito sugerem ainda a pertinência de se explorar futuramente as relações entre a actividade cinematográfica e outros sectores da cultura e da economia, em particular o do turismo" (Obercom).

3.2.11

RECONVERSÃO DE LOJAS TRADICIONAIS NA ÁREA DA ALIMENTAÇÃO

O grupo Sonae lançou áreas de negócio dedicadas a retalho grossista e lojas de conveniência e a franchising de supermercados e lojas alimentares. No primeiro, o Continente Horeca fornece clientes profissionais dos ramos de hotelaria, restauração, instituições públicas e privadas, com entregas à porta. No segundo, com a marca Meu Super, abrem supermercados com dimensão de 150 a mil m2, localizadas em zonas habitacionais. Por seu lado, o grupo Jerónimo Martins, através da rede grossista Recheio, anunciou uma parceria com o comércio tradicional, reconvertendo as lojas tradicionais clientes da Recheio na marca Amanhecer (a partir de notícia do jornal Público).

A divisão de formatos hiper, super e discount já não faz sentido, indicam especialistas ouvidos pelo jornal Expresso (edição de sábado). Toda a comunicação das marcas é baseada no preço, o que levará a reduzir os investimentos publicitários em marcas com volumes de negócios menos significativos. Nesse sentido, a marca Modelo (ligada ao Continente) tende a desaparecer, do mesmo modo que a Jerónimo Martins havia acabado com a marca Feira Nova.

Sublinho duas características neste movimento de uniformização de marcas: a atenção dada às lojas de rua e de bairro, retirando espaço ao uso do automóvel para transportar os bens adquiridos num hipermercado em local de saída da cidade; o aumento da posição das marcas de distribuição nas prateleiras dos hipermercados. Um exemplo: nas bolachas, torna-se difícil adquirir uma marca que não seja a da empresa distibuidora, o que significa que o grupo de distribuição é também de fabrico, o que reduz o preço que a marca costuma adquirir.

2.2.11

DAILY, O JORNAL DIGITAL DE MURDOCH

No Museu Guggenheim, em Nova Iorque, Rupert Murdoch apresentou o The Daily, jornal criado para o iPad, com Eddy Cue, vice-presidente da Apple para a Internet, ao seu lado. O patrão da News Corp. indicou que "as oportunidades da era das tablets são enormes". As duas primeiras semanas de adesão são gratuitas, passando a custar 99 cêntimos por semana, no que constitui "mais uma arma de Murdoch contra as notícias grátis na Net" (Nuno Cardoso, Diário de Notícias).

1.2.11

MEDIA SOCIAIS E MÉDIO ORIENTE

Os acontecimentos que estão a ocorrer em diversos países do Médio Oriente (Tunísia, Egipto, Jordânia e Iémene) parecem ter sido promovidos pelo Facebook, Twitter, YouTube e outros media sociais (blogues, email). A comunidade académica está a acompanhar o que se passa nesses países e começa a estudar o fenómeno.

O dr. Ralph D. Berenger (rberenger@aus.edu), professor associado da American University of Sharjah, dos Emirados Árabes Unidos, propõe-se publicar um livro, Social Media Go to War: Unrest, rebellion and revolution in the Age of Twitter. Enquanto os media tradicionais relatam a violência das ruas, os media sociais estão por detrás da preparação e organização dos eventos. Para o seu livro, o dr. Berenger procura 25 a 30 capítulos entre três e cinco mil palavras que examinem como se formam as redes e movimentos de massa, além de procurar compreender como reagem as autoridades no seu controlo e silenciamento. Aceitam-se propostas de capítulos até 15 de Abril próximo. Edição: 2012.

Por seu lado, com Johanne Kuebler e Ilhem Allagui como editores convidados, o International Journal of Communication (IJoC) [editores permanentes: Manuel Castells e Larry Gross] está a abrir uma chamada para artigos sob o tema Tunisian and Egyptian Revolutions and the Role of Communication Technologies, a ser publicado em 2011. Prazo para entrega: 15 de Março. Contacto: Ilhem Allagui (iallagui@aus.edu).

REVISTA DE CINEMA E IMAGEM EM MOVIMENTO

Está aberta a chamada de artigos para o segundo número de Cinema: Revista de Filosofia e Imagem em Movimento. Os editores convidam calorosamente autores interessados a submeterem artigos originais que abordem o tema das relações entre o cinema e a filosofia. Prazo limite para submissões: 1 de Março, 2011 (resumos) e 1 de Junho 2011 (artigos completos). Os temas aceites incluem os itens abaixo indicados (que poderão ser alargados a outros): *a filosofia do cinema actualmente, *epistemologia e ontologia do cinema e da imagem em movimento, *as relações entre os estudos fílmicos e a filosofia do cinema, *a divisão entre as abordagens da filosofia analítica e continental dentro da filosofia do cinema, *novas abordagens e correntes dentro da filosofia do cinema, *abordagens históricas à filosofia do cinema e à teoria do cinema, *cinema como filosofia. Os autores interessados são convidados a submeterem um resumo de aproximadamente 500 palavras e um CV resumido até dia 1 de Março de 2011. Após essa data, os autores dos resumos seleccionados serão convidados a submeter o seu artigo completo até dia 1 de Junho de 2011. As submissões poderão ser efectuadas on-line, através de um link na página electrónica da revista (http://www.fcsh.unl.pt/revistas/cjpmi), ou directamente aos editores no seguinte endereço electrónico: cjpmi@fcsh.unl.pt. São aceites submissões em português e inglês (assim como em francês e castelhano, mas apenas para autores nativos dessas línguas). Para qualquer questão adicional, é favor contactar os editores, Patrícia Silveirinha Castello Branco, Sérgio Dias Branco ou Susana Viegas.