14.2.12

Biografias

Gosto muito de ler biografias. Prefiro ainda mais as autobiografias – elas indicam o estado de espírito dos seus autores, as tendências, as escassas amizades e as múltiplas inimizades ou oposições, mas dão um retrato mais fiel de uma época do que uma biografia.

Texto sobre os livros Maria Eugénia. A menina da rádio, de Rute Silva Correia (Leya/Oficina do Livro, 2011) e Trabalhos e paixões de Fernando Assis Pacheco, de Nuno Costa Santos (Tinta da China, 2012), a ler em http://industrias-culturais.hypotheses.org/20012.

Sem comentários: