Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

7.1.15

Eu sou Charlie

Ontem, na arguição de uma tese de mestrado na Universidade Nova de Lisboa sobre o humor no canal Q, eu comentava o impacto dos cartoons franceses e dinamarqueses sobre religião e a opinião negativa do presidente da Turquia sobre os cartoonistas. O candidato lembrava o modo como o humor é um escape nas ditaduras, ao que expressei as minhas dúvidas, apesar de referir os comentários surgidos nos espectáculos de teatro de revista nos anos do Estado Novo.

Estava longe de imaginar o quanto actual é a discussão sobre o humor e os cartoons como marcadores e formadores de opinião pública. Hoje, depois dos assassínios de Paris no jornal satírico Charlie Hebdo, eu (também) sou Charlie.

Sem comentários: