Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

3.6.15

Doutoramento de José Carlos Gonçalves na Universidade da Beira Interior

Foi no passado dia 15 de maio que José Carlos Fernandes Gonçalves defendeu a tese de doutoramento A relação entre os media e a GNR em Portugal, a nível local, à luz da teoria dos campos, na Universidade da Beira Interior (Covilhã).

Retiro a informação do sítio http://www.labcom.ubi.pt/sub/evento/895: "A investigação desenvolvida partiu de duas questões fundamentais. Através de que forma(s), os jornais e/ou rádios, a nível local, concretizam uma lógica de relação permanente com a polícia? De que maneira é que o poder detido por cada campo em estudo se manifesta na relação que os mesmos possam manter entre si? Os dados empíricos recolhidos através de estudo caso, observação (não participante) e entrevistas permitiram, segundo o autor, extrair diferentes conclusões. José Carlos Gonçalves destaca o facto de «ter ficado vincado que a intenção final dos agentes que se disputam socialmente passa pela legitimação pública (considerados os interesses tidos por cada um dos campos na disputa de produção de sentido e mediante o uso de diferentes estratégias próprias)». Segundo o autor da pesquisa desenvolvida, «para além do acesso privilegiado da GNR aos media locais no distrito, aquela força de segurança consegue a cobertura noticiosa que mais lhe convém». As conclusões obtidas referem a existência de uma valorização por parte dos media (mediante os enquadramentos) daquilo que é próximo; ambos os campos valorizam a credibilidade na interação; e o poder dos media reside essencialmente em selecionar e ter a última palavra no que é notícia, face ao poder da polícia (GNR) se constituir como fonte de informação. O estudo desenvolvido permitiu «identificar os interesses de cada campo em estudo, bem como as estratégias utilizadas na relação mantida», explica José Carlos Gonçalves".


Na fotografia (publicada no sítio http://www.labcom.ubi.pt/sub/evento/895), da esquerda para a direita: Rogério Santos, Hermenegildo Ferreira Borges (Universidade Nova de Lisboa), Teresa Cierco Gomes (co-orientadora) (Universidade do Porto), João Carlos Correia (Universidade da Beira Interior), Anabela Gradim (Universidade da Beira Interior), o novo doutor José Carlos Gonçalves (GNR), Joaquim Serra (Presidente Faculdade de Artes e Letras da Universidade da Beira Interior e presidente do júri), José Ricardo Carvalheiro (orientador) (Universidade da Beira Interior) e Joaquim Fidalgo (Universidade do Minho).

Sem comentários: