Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

7.1.16

O massacre de Munique em 1972 e o seu reflexo na rádio portuguesa

Em 7 de setembro de 1972, dois programas da Rádio Renascença eram suspensos. De produtores independentes, José Manuel Nunes e Adelino Gomes dirigiam Página 1 (19:30 às 21:00) e João Paulo Guerra era o responsável por Tempo ZIP (00:00 às 3:00). No começo da década de 1970, parte da programação da Renascença destacara-se pela sua qualidade, recordando ainda o programa 23ª Hora, que vinha de 1959 e se tornara uma referência com João Martins e batia a concorrência de Rádio Clube Português à noite. Página 1, por exemplo, começara como uma ligação entre o programa de rádio e a revista Flama, um semanário conceituado com preocupações religiosas e sociais.

Naquele começo de setembro, um comando palestiniano tinha entrado na aldeia olímpica de Munique e atacado e assassinado atletas e dirigentes israelitas. Adelino Gomes fez uma leitura dos trágicos acontecimentos, sem deixar de chamar a atenção para o problema político que envolvia a população palestiniana. À noite, João Paulo Guerra pegou no mesmo assunto. A notícia do Diário Popular indica a suspensão mas não revela as razões do sucedido, embora o editorial desse dia contasse a posição oficial do jornal (do governo) sobre o massacre de Munique. Nem aponta a decisão final: Tempo ZIP desapareceu, Página 1 reapareceu algum tempo depois. Adelino Gomes e João Paulo Guerra seriam irradiados.

No ano seguinte, na atribuição dos prémios de rádio pela Casa da Imprensa, apesar de não atribuir prémio para um programa de rádio, o júri referiu a qualidade do programa Tempo ZIP enquanto existiu e pediu que fosse dado a título excecional um prémio de Reportagem Radiofónica a Adelino Gomes pelas suas qualidades no programa Página 1, no qual "assumiu convictamente todos os riscos e deveres inerentes à profissão, sendo por isso de lamentar o seu prolongado afastamento" (Diário Popular, 13 de dezembro de 1973).

A proibição dos dois profissionais de trabalharem na estação seria levantada em abril de 1974.



Sem comentários: