Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

21.9.16

Ricardo Reis na Barraca

José Saramago publicou o livro O Ano da Morte de Ricardo Reis em 1984, tendo como protagonista Ricardo Reis, um heterónimo de Fernando Pessoa. Médico regressado a Lisboa, vindo do Brasil depois de 16 anos de ausência, expatriado por ser monárquico, a personagem observa o desenrolar de um ano trágico, o do começo da guerra civil espanhola e consequente implantação do fascismo em Espanha enquanto continuava a ditadura de Salazar desde 1928, a expansão nazista na Alemanha e a ascensão de Mussolini na Itália.

Saramago em entrevista a Adelino Gomes diria: "Conheci Ricardo Reis por altura dos meus 17 ou 18 anos. Na Escola Industrial de Afonso Domingues, que frequentava, havia uma biblioteca, e foi aí que se me deparou um exemplar da revista Athena em que apareciam umas quantas odes assinadas com aquele nome. Dizer que fiquei deslumbrado é pouco, tinha diante de mim a beleza em estado puro. Nessa altura, pensei que Ricardo Reis era uma pessoa real, não sabia nada dos heterónimos e pouquíssimo do próprio Pessoa".

Saramago, com 13 anos em 1936, baseou-se em memórias para escrever o livro sobre a solidão e um tempo triste. As relações estabelecidas e que a peça segue são frias, quase desumanas, um interior falso. A criada da pensão, grávida de Ricardo Reis, diria que se ele não perfilhasse a criança ela não se importaria. Ricardo Reis, interrogado pela polícia política, desejosa de saber porque regressara do Brasil depois de tanto fora, queixou-se das perguntas íntimas que lhe fizeram. A filha do agrário de Coimbra tinha uma paralisia no braço porque ficara triste.

Agora, em 2016, Hélder Costa adaptou a obra para o teatro A Barraca, com a interpretação de Adérito Lopes (Ricardo Reis) e Ruben Garcia (Fernando Pessoa). Hélder Costa recorda a coragem do escritor, pelo seu serviço à arte e à cidadania. Destaco a interpretação de Ruben Garcia no desempenho do espetro de Pessoa, com a sua maneira de andar e o riso e modo de falar estridente e assustador.


Sem comentários: