Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência mantida desde 2003.

3.1.17

Patricia Traunter e a BBC de Fernando Pessa

Patricia Traunter viajava no navio inglês Avila Star quando este foi torpedeado por um navio de guerra alemão em setembro de 1942. O barco afundou-se mas houve tempo para lançar uma baleeira a transportar 39 sobreviventes. Estes andaram perdidos no oceano Atlântico durante 20 dias até serem resgatados pelo navio português Pedro Nunes. Salvaram-se 27 desses passageiros.

De entre os sobreviventes, duas raparigas de 18 anos, uma das quais Patricia Traunter, como publicaria o jornal News (Adelaide, SA), de 9 de outubro de 1942, acompanhada de fotografia do resgate. A 28 de outubro, a jovem inglesa agradecia, aos microfones da BBC, o gesto dos marinheiros portugueses. A revista pró-aliada portuguesa trazia essa fotografia mais um texto de Fernando Pessa ao lado dela (Mundo Gráfico, de 15 de dezembro de 1942). O locutor-jornalista escreveria: "Portugal - símbolo da honestidade na forma como respeita a neutralidade a que se impõe".

Nas duas fotografias da publicação portuguesa, o centro das imagens é o microfone da BBC, autêntico punctum (como diria Roland Barthes). A imagem da alocução inicial da jovem na estação britânica é particularmente sugestiva, dentro do estilo de vedeta de cinema da época, uma quase superprodução fotográfica que faz esquecer a tragédia que se abateu sobre a jovem e os seus companheiros de viagem. A sua beleza e a mensagem "com a vossa bravura e espírito humanitário" (em castelhano) criaram aqui um momento de forte propaganda a favor dos aliados.

[obrigado a Gonçalo Pereira o ter-me chamado a atenção para este espólio da revista Mundo Gráfico, digitalizada na Hemeroteca Municipal de Lisboa]

1 comentário:

Gonçalo Pereira disse...

O prazer foi meu. Seria excelente se a Hemeroteca Digital disponibilizasse brevemente a sua colecção de A Esfera, revista germanófila que então também se publicou. A colecção da BN é muito insuficiente (apenas os anos de 1943 e 1944); na Hemeroteca, há mais exemplares.
Após consulta de A Esfera, caem por terra algumas reputações progressistas...