9.5.10

FUTEBOL E AS CIDADES

Agora que acabou o principal campeonato de futebol, ganho pelo Benfica, faço uma análise, embora reconheça faltas na sua “cientificidade”: a relação entre os clubes de futebol e o desenvolvimento das cidades (dentro do conceito de indústrias criativas). Apesar do novo campeão ser de Lisboa, a cidade perdeu uma equipa, o Belenenses, que desce de divisão. Também a área metropolitana do Porto teve uma equipa a descer de divisão, o Leixões, de Matosinhos. Lembro-me de Lisboa ter cinco clubes na Primeira Divisão, embora já há muitos anos (Benfica, Sporting, Belenenses, Atlético, Oriental). Por seu lado, o Porto contava com três equipas (Porto, Boavista e Salgueiros). Em cada uma destas cidades, as equipas que desapareceram ou estão em escalões secundários representavam bairros ou zonas populares, quando o futebol ainda não era uma indústria.

Os clubes são fundamentalmente do litoral do país, reflectindo a diferença entre litoral e interior. Despromovido o Leixões, a cidade (área metropolitana do Porto) fica com um único clube (Porto) e o distrito com mais um (Rio Ave), prova da perda de força económica e social daquela zona do país. Lisboa mantém o Benfica e o Sporting mas perdeu o Belenenses, o que significa uma perda – embora não tão significativa (até porque o novo campeão provém desta cidade). O Minho aparece com uma boa representação (Braga, Guimarães, Paços de Ferreira). É certo que há crescimento em cidades como Braga mas o distrito tem igualmente muitos problemas económicos, pelo que tenho alguma dificuldade em provar a minha “cientificidade” da relação dos clubes com o desenvolvimento das cidades. À medida que descemos para sul, algumas cidades junto ao litoral mantêm os seus clubes: Coimbra (Académica), Figueira da Foz (Naval), Leiria (Leiria), Setúbal (Setúbal). Ou vêem-nos regressar, como Aveiro (Beira Mar). Há mais duas áreas geográficas importantes pelo turismo: Madeira (Marítimo, Nacional) e Algarve (Olhanense e o agora regressado Portimonense).

Do interior do país (Alentejo, Beiras, Trás-os-Montes) ou dos Açores não resta nenhum clube. Os últimos, se não me falha a memória, foram Campomaiorense (Campo Maior), Santa Clara (Açores) e Chaves (Chaves). Já há muitos anos que Évora ou Viseu não têm clubes na Primeira Divisão – e aqui as cidades têm registado crescimento económico e urbano, o que contraria a minha “ciência”.

Sem comentários: