20.8.10

AINDA AS AUDIÊNCIAS DE TELEVISÃO

Esta semana, fiz referência aqui a um problema de medição de audiências da televisão. A revista das sextas-feiras do Diário de Notícias, "Notícias TV", traz alguns esclarecimentos e explicações, texto que sigo muito de perto nesta mensagem. Tudo começara com a transmissão de um jogo de futebol pela TVI, ausente dos programas mais vistos no dia. A correcção pela empresa de audimetria colocou o jogo como o segundo programa mais visto do dia, não impedindo a auditoria que a CAEM (Comissão de Análise de Estudos de Meios) irá efectuar.

As medições de audimetria baseiam-se nos dados recolhidos em mil lares (cerca de três mil pessoas), amostra a que depois se aplica o universo do país (9459000 indivíduos). Os lares são escolhidos e contactados pela empresa de audimetria, a Marktest, obrigados a sigilo e a responder a inquéritos regulares feitos pela Marktest e pela CAEM, de modo a saber se os programas vistos correspondem ao que os dados estatísticos indicam. Cada lar permanece até um máximo de quatro anos no painel.

Uma das dificuldades presentes é a ausência de medição fora de lares. Isso é mais patente quando se trata de mega-eventos transmitidos pela televisão, como os jogos de futebol, vistos por muita gente fora do lar, caso de restaurantes ou ecrãs gigantes colocados em praças e espaços públicos. A próxima chegada da televisão digital terrestre vai obrigar a uma remodelação total dos audímetros em 2012, que passarão a registar o som emitido pelo televisor e comparar automaticamente com todas as emissões no ar, o sistema audiomatching, a ser utilizado no Reino Unido, por exemplo. Tal significa uma maior exactidão na recolha de dados, o que traduz um investimento inicial elevado: cada audímetro (aparelho, instalação, ligação, manutenção) está estimado entre um a dois mil euros (se um lar tiver três televisores, o investimento multiplica-se por este número), embora o valor não seja o mais rigoroso (o texto que sigo aqui indica um valor de três mil euros por audímetro e ano).

No blogue, continuaremos a acompanhar o tema com muita atenção.

Sem comentários: