Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

18.12.10

NÚMERO MAIS RECENTE DA REVISTA JORNALISMO E JORNALISTAS

Destaco três temas no número mais recente da revista Jornalismo e Jornalistas (44, de Outubro/Dezembro): a longa conversa com Adelino Gomes e Paquete de Oliveira sobre as suas experiências como provedores do ouvinte e do telespectador, mantida por Helena de Sousa Freitas, o texto de Álvaro Costa de Matos sobre a imprensa humorística da I República e o estudo sobre as celebridades na imprensa por Ana Jorge.

Fico com este último texto e aproveito algumas ideias dele. Há um ponto de partida, o da contradição e da tensão entre celebridade e notícia, que remete para os pólos do entretenimento e da esfera privada e da informação e da esfera pública. A celebridade conhece-se nos media devido ao seu valor-notícia de notoriedade e de fama. Mas a celebridade nos media existe desde há muito: os jornais do século XVII já tinham uma obsessão com os famosos. Mais à frente, e seguindo Martin Conboy, Ana Jorge indica que as notícias das celebridades respondem a uma tendência de personalização e de soft news (notícias de interesse humano), que privilegiam a intimidade da vida quotidiana dos famosos e vedetas. Ana Jorge acentua a dimensão comercial dos media nas décadas mais recentes, a convergência e a concentração como motivos para o crescimento das notícias de celebridades, dando exemplo das revistas cor-de-rosa (gossip no Reino Unido, del corazón em Espanha, presse people em França).

Sem comentários: