7.1.13

Pedro Amaral e Rui Manuel Amaral lêem as “Notícias em três linhas”, de Félix Fénéon, traduzidas por Manuel Resende

Próximo sábado, 12 de Janeiro, pelas 17h00. Gato Vadio (rua do Rosário, 281, Porto).

"Felix Fénéon (1866-1944), é um paradoxo andante: funcionário público no Ministério da Guerra, era também jornalista, anarquista e crítico de arte; editor de Mallarmé e Rimbaud, e modelo, diz-se, do Monsieur Teste de Valéry, ele, a quem todos os escritores do tempo muito ficaram a dever (assevera André Gide), passou na vida sem deixar obra literária. Não deixou obra, mas, ao lermos as suas "Notícias em Três Linhas", sentimos uma quase impressão poética. São simples "casos do dia" espremidos para as "breves" do jornal "Matin", entre Maio e Novembro de 1905, e editadas em livro muito mais tarde por Jean Paulhan. Outros fizeram "breves" como estas, outros salpicaram de humor as aventuras irrisórias da gente mais ou menos comum - mas talvez ninguém como ele tenha levado a brevidade às portas da poesia e às alturas dum sarcasmo frio como as bombas sem explosivos ("As bombas de Fénéon são os seus artigos", dizia Mallarmé)".

Manuel Resende

Trailer: http://www.youtube.com/watch?v=ZkXcnDGEUDU