Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

20.12.13

A rádio para Izani Mustafá

Izani Mustafá é docente de teoria e prática da rádio na universidade brasileira e jornalista. Actualmente, está a fazer o doutoramento, que inclui uma permanência na universidade de Coimbra. Em Portugal, tem participado em congressos com comunicações sobre rádio.

Filha de palestiniano, a quem ouvia em pequena a procura de emissoras de língua árabe, Izani Mustafá nasceu num universo de sons vindos das ondas curtas. Depois, acompanhando as lides domésticas da mãe, ela ouviu as radionovelas, as músicas mais tocadas, os programas de variedades e os noticiários, em ondas médias.



Muito depois, ela procurou reconstituir essas memórias de viver em Joinville e compreender como é que a rádio começou e desenvolveu naquela cidade. E Alô, Alô, Joinville! Está no Ar a Rádio Difusora. A Radiodifusão em Joinville (1941-1961) constituiu a sua tese de mestrado. Razões precisas: saber as motivações pessoais, políticas, sociais e culturais e a programação que levaram ao aparecimento da Rádio Difusora (1941) e de duas outras estações da mesma cidade: Rádio Colon (1958) e Rádio Cultura (1959).

Assim, a autora estudou o pioneiro (Wolfgang Brosig), o primeiro locutor (Jota Gonçalves), as mulheres na rádio (Juracy Maria Brosig e Ruth Costa) e a programação das três estações, num período preciso: 1941 a 1961. Mas acompanhou ainda o percurso de outros homens da rádio de Joinville: Eli Francisco, Léo César, Mario Hüttl, Paulo Roberto Brosig, Ramiro Gregório. A programação incluiria áreas como radionovelas, programas de auditório ao vivo, musicais e transmissões desportivas. A autora também analisou a informação. As estações viveram perto de simpatias políticas, o que representou facilidades ou dificuldades em distintos períodos.

Um lado interessante da obra é o trabalho da reconstituição de memórias. Como escreve na p. 97: ela "não seria tão completa e abrangente de dependesse apenas da pesquisa documental em acervos públicos, particulares e privados. Principalmente porque o objecto de estudo faz parte da História do Tempo Presente, o que significa ter permissão para ir muito além da investigação aprofundada em documentos, jornais, revistas e fotografias, e trabalhar com a história oral, com a colecta de depoimentos".

Leitura: Izani Mustafá (2009). Alô, Alô, Joinville! Está no Ar a Rádio Difusora. A Radiodifusão em Joinville (1941-1961). Joinville: Prefeitura e Fundação Cultural de Joinville, 194 páginas