Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

19.12.13

O Porto em 1958, segundo a revista Flama

Na capa, à esquerda, deteta-se um anúncio luminoso Rádio Porto, logo a seguir aos Armazéns do Porto. Era uma estação de rádio e uma loja de electrodomésticos. A rainha inglesa passara por aí uns meses antes, num cortejo de muitos automóveis e muita assistência popular a ver esse cortejo, conforme outro número da revista mostrara em imagens.

O maior tráfego na rua dos Clérigos era constituído por carros eléctricos. A bitola da linha é mais larga do que a dos eléctricos de Lisboa, por exemplo, o que tornava os veículos menos elegantes. A tecnologia fora aplicada primeiro naquela cidade. Vê-se uma carroça à frente do eléctrico que desce para a Praça da Liberdade. E um transeunte passa tranquilo, aparentemente alheio ao movimento de veículos. O eléctrico mais próximo da máquina do fotógrafo - que estava na escadaria da Torre dos Clérigos - publicita Zenith, uma marca de relógios então muito conhecida.

No interior da revista, há um texto de Pinto Garcia, então um jovem jornalista. Muito mais tarde, conheci-o como jornalista do Jornal de Notícias e um dos responsáveis da Escola Superior de Jornalismo.