quarta-feira, 28 de setembro de 2005

ASTROLOGIA EM DESTAQUE

astrologo.jpgUma das páginas de hoje do gratuito Destak é praticamente ocupada por publicidade de astrólogos (como não sou leitor deste gratuito, ignoro se é habitual). São todos professores e têm consultórios em vários sítios, caso do professor Bambo (Lisboa, Porto, Faro e Funchal), o qual aparece ainda todos os dias no canal televisivo Viver e na estação de rádio Romântica.

Se o astrólogo mencionado faz consultas gratuitas, já o professor Karamba dá facilidades de pagamento, sendo este efectuado apenas quando os resultados são os esperados. Na apresentação do meu vizinho (ele tem consultório na avenida de Roma, 35, 4º dir., em Lisboa), lê-se: "Grande conselheiro com 42 anos de experiência. Especialista em todos os trabalhos ocultos, conhecido por grandes personalidades no Mundo inteiro". O professor Karamba [repare-se no simbolismo do nome, como aliás o do outro astrólogo] resolve problemas de amor, negócios, família, droga, impotência sexual. Na realidade, um autêntico poder mágico o deste homem.

O curioso de tudo isto é vir num jornal gratuito, distribuido na rua e em sítios próximos das estações do metro (o concorrente Metro é distribuido no interior das estações). Há um grande conjunto de população afro-lusa que é apanhada por este jornal. Nada mais fácil do que os astrólogos africanos ou dessa ascendência publicitarem os seus préstimos em tal jornal. Interessante ainda o facto dos três astrólogos aparecerem com a sua fotografia, ao passo que outros dois médiuns surgem com o nome de mestre, ocupando apenas uma coluna do jornal. Haverá uma hierarquia de nomes consoante a dimensão do anúncio?

1 comentário:

Manuel Castelo Branco disse...

Sempre julguei que neste país a burla seria punida por lei. Já não nos bastavam os vigaristas locais, muitos deles na política, tinham de vir também os vigaristas de outras procedências. Uma pergunta:será que estes senhores que se dizem professores e videntes com nomes sugestivos como Karamba, etc. serão cidadãos comunitários, com direito a exercer um comércio remunerado em Portugal ? Que anda a fazer o SEF ?