domingo, 26 de fevereiro de 2006

A PÁGINA AO LADO (II)

Na revista dominical do Diário de Notícias (e Jornal de Notícias), encontra-se hoje uma coluna de Manuel Ribeiro com o título "Garotas de blog". O articulista começa assim o seu texto: "Se houvesse um concurso das coisas mais idiotas que nos perturbam a existência, ganharia de caras a mania dos blogs. Para os que ainda não sabem do que se trata, passo a explicar como é que aquela parvoíce funciona". E sobre os maníacos dos blogues, escreve o mesmo economista: "Os tipos sentam-se ao computador e escrevem páginas a fio de generalidades e lugares-comuns que obviamente ninguém, nem se calhar o próprio, tem qualquer interesse em ler, e amandam com aquilo tudo para a internet".



O blogueiro considera esta página de Manuel Ribeiro, ao contrário do próprio articulista, como um texto de apoio aos blogues. Excepto na parte em que escreve que um tipo se senta num computador, pois pode partir o equipamento ou apanhar um choque eléctrico.

Explico a minha leitura: vivemos num mundo de parvoíces e gostamos de imitar os que fazem essas parvoíces. Se assim não fosse, qual o interesse em adquirir uma caderneta com cromos da série Morangos com açúcar, que começou hoje a ser coleccionada pelos leitores do Jornal de Notícias? Segundo a publicidade que vem na página ao lado do texto de Manuel Ribeiro, a caderneta da "geração rebelde", uma marca da TVI, conta que tudo começou na aula de hip hop e uma das intérpretes fica tranquila, pois o Cristiano já a pode ver a qualquer hora. Presumo que seja o jogador de futebol.

4 comentários:

sabine disse...

LOL

Animatógrafo disse...

LOLOL

Alessandro_PPG disse...

Olá! Estou divulgando o meu blogger: http://ilustrada-ppg.blogspot.com/ e meu site: http://www.ilustrada.ppg.br/ ! Colabore com o meu Webblogger clicando nos anúncios Google para eu adiquirir um domínio próprio! Abraços! Conto com sua com a sua colaboração! Abraços!

gisela cañamero disse...

"vivemos num mundo de parvoíces e gostamos de imitar os que fazem essas parvoíces". É verdade. É indubitável. É tão corriqueiramente certo que apenas temos de evitar, a cada momento, de cair na mesma tramóia. Custa. Exige muita atenção - e empenho numa qualquer lucidez.