Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

18.1.16

A Rapariga Dinamarquesa

Filme de Tom Hooper (2015), com Alicia Vikander, Eddie Redmayne, Matthias Schoenaerts, Ben Whishaw, Sebastian Koch e Amber Heard. O filme conta uma história passada na Dinamarca, durante a década de 1920. O casal Einar e Gerda Wegener são dois pintores reconhecidos, mais ele que ela. Enquanto as obras de Einar são facilmente vendidas, Gerda enfrenta comentários críticos pela sua pintura ainda convencional.

Um dia, a modelo que Gerda contratou não apareceu. Ela usa o próprio marido, que aceita e (re)descobre, ao usar roupas de mulher, sentimentos de ordem de género sexual que o perturbam. Passa a representar um papel de mulher, acabando por ser considerado perigoso e doente e quase internado à força. Enquanto as obras expostas por Gerda ganham um sucesso inusitado, que a levam a Paris e a frequentar os meios artísticos de vanguarda, Einar definha. Até que o casal toma, de modo dramático, a decisão de mudança de sexo de Einar, que acaba com a morte por deficiências no tratamento médico.

O que mais me impressionou no filme é o trabalho de fotografia. Se a história retrata um tempo de repressões culturais e físicas, a imagem, incluindo planos, cores e movimentos, introduz um tempero estético e que leva à reflexão do que é uma cultura no tempo. O semelhante é aceite, o diferente é rejeitado. Se o desenrolar da história pode apresentar algum sentimento de repulsa (o filme foi proibido na Arábia Saudita por atentado moral), no fim há uma história de vida de grande sensibilidade. Aliás, no mesmo final do filme, há uma homenagem à posição pioneira de Einar Wegener.

Sem comentários: