Interrupção

O blogue tem sido muito pouco atualizado. O trabalho de investigação e outros motivos obrigam a uma concentração de esforços num só sentido. Obrigado pela preferência manifestada desde 2003.

23.8.16

Uma Pastelaria em Tóquio

Com o título Uma Pastelaria em Tóquio (An (あん?, 2015, Sabor da Vida, título no Brasil), filme nipónico-franco-alemão escrito e realizado por Naomi Kawase (1967), com base em romance de Durian Sukegawa, conta a história de três pessoas, com as suas histórias de vida distintas numa pastelaria de Tóquio especializada na venda de dorayaki, tipo de panqueca japonesa, localizada junto a uma passagem de caminho de ferro e perto de uma escola. Mas só se vão descobrindo as particularidades individuais, com uma passagem para o dramático, à medida que o filme decorre. O gerente da loja (Masatoshi Nagase, no papel de Sentaro) esteve preso e tem uma dívida para cobrar ao dono do espaço, a septuagenária (Kirin Kiki, no papel de Tokue) que quer trabalhar na pastelaria tem lepra, a jovem estudante quer abandonar a escola porque falta um ambiente caseiro que a proteja.

De começo, não percebemos como as coisas se vão resolver, a não ser a habilidade da velha mulher em cozinhar bolos de feijão de creme azuki. A pastelaria ganha súbito sucesso graças aos bolos de feijão e perde a clientela quando se conhece a doença da velha cozinheira e a sua morada - uma leprosaria. Mas os laços destas personagens que representam três gerações - a saída da II Guerra Mundial, a nascida no boom económico da década de 1960 e a geração do século XXI - começam a estreitar-se. Se quisermos, há uma passagem de sabedoria e testemunhos, em que um simples canário [lê-se do mesmo modo em japonês e português] também serve de ligação. O olhar e a palavra são dádivas e preenchem a existência uns dos outros: a velha vê o gerente da loja (a que chama carinhosamente patrão) como o filho que não teve; o gerente vê nela a mãe com quem não manteve conversas; a jovem em busca de um lar com familiares estruturados. E ainda pelo estreitamento com a natureza, caso da compreensão de Tokue quanto à vida de cada feijão - o sol, a humidade - como se cada vegetal tivesse uma vida própria. Ou da cerejeira, a árvore da vida da velha doente.


Há dois pormenores suplementares vislumbrados por um ocidental apaixonado pela cultura oriental. Numa conversa entre Tokue e a jovem estudante, ouve-se em fundo uma oração budista. Quando a proprietária da loja (atriz Miyoko Asada) vem falar com o gerente e lhe impõe o despedimento da velha cozinheira, a expressão e enquadramento lembram as máscaras do teatro clássico japonês bunraku.

[como pequena homenagem à realizadora, deixo uma imagem da sua cidade natal, Nara, que tirei em junho de 2016]


Sem comentários: